Japão: Estudo constata que enfermeiras que participam de abortos podem sofrer, inclusive fisicamente, as consequências desta prática

O site Gaudium Press publicou nesta quarta-feira (30 de janeiro de 2013) uma notícia informando que a partir de uma pesquisa realizada pela Universidade japonesa Kanazawa University, descobriu-se que muitas parteiras e enfermeiras que trabalham atendendo abortos no país sofrem com a chamada “Fadiga por compaixão”.

Segundo a notícia, é legal realizar o aborto no país até a 21ª semana de gestação.

Para a realização desta pesquisa foram observadas 255 parteiras e enfermeiras que trabalhavam diretamente com abortos. Entre as informações coletadas, estudos prévios comprovavam que entre as enfermeiras o aborto legal tinha aprovação.

Foi constatado que os sintomas da “fadiga por compaixão” são: fadiga crônica, irritabilidade, medo de ir ao trabalho, agravamento de dores físicas e falta de alegria na vida.

Os pensamentos que mais causam estresse nas pessoas que sofrem desta síndrome: “Pensar que o feto abortado merecia viver” e “tocar o feto abortado para propósitos de medição”.

Para os autores do estudo, “estas descobertas indicam que a provisão de serviços de aborto é uma experiência muito angustiante para as enfermeiras e parteiras”.

Como a lógica permitia supor, quanto mais abortos a enfermeira tinha participado, maiores os conflitos internos. O estudo se limitou a considerar os abortos de primeiro trimestre nos quais parteiras e enfermeiras tinham colaborado no ano anterior. E efetivamente, quanto mais abortos participados, maior probabilidade de sofrer “fatiga de compaixão”.

Fonte: http://gaudiumpress.org/content/43841-Enfermeiras-no-Japao-ficam-doentes-apos-participarem-de-abortos#ixzz2Je1cQtwL

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.