Ir a quem

Há uma cena bíblica que é muito interessante. Após dizer da importância do seguimento da Palavra, de suas fundamentais exigências, Pedro disse a Jesus: “A quem nós iremos, Senhor? Tu tens palavras de vida eterna” (Jo 6, 68). Por onde e para onde vamos hoje, se as palavras da Sagrada Escritura têm as mesmas exigências?

Ou servimos a Deus de forma livre e coerente, ou as nossas ações não passam de meras práticas hipócritas e isoladas. A opção por Deus ocasiona consequências novas de relacionamento com o outro, fato que começa na convivência do cotidiano da comunidade. A transparência revela atitudes conformes com as exigências da Palavra de Deus.

Não basta ouvir, mas é preciso escutar com prontidão para executar aquilo que se escuta sobre as exigências da vida. Isto faz com que haja rompimento com o passado para recomeças uma vida nova. Não é fácil renunciar aquilo que vem marcando toda uma caminhada, mas que, nos novos tempos, não ajuda mais e até prejudica as pessoas.

Nos trabalhos sociais, sejam eles realizados por entidades religiosas, por clube de serviço ou pelo poder público, ambos devem ter como meta a qualidade de vida das pessoas. É essencial superar a sociedade de castas, de senhores e escravos, para aproximar os extremos, que causam sofrimento e degradação da vida de muita gente.

Sempre fez parte da vida do povo a existência de autoridade e súdito, tendo Deus como estando acima de todos os poderes. Só para Ele o mundo deve ir, ultrapassando todas as dificuldades no relacionamento, nos conflitos e desigualdades. O caminho que define esse itinerário é o amor entre as pessoas, que supera todo tipo de individualismo.

Na sociedade, todos nós somos iguais, mesmo que haja funções diversificadas. A marca principal é o “destino”, a direção para onde todos nós estamos indo, que deve ser bem definido. A vivência cristã é fruto de uma escolha, de uma decisão pessoal, de uma vocação como opção, tendo como meta ir ao encontro de quem chama.

Dom Paulo Mendes Peixoto
Arcebispo de Uberaba (MG)

Fonte: http://www.cnbb.org.br/site/articulistas/dom-paulo-mendes-peixoto/10101-ir-a-quem

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.