História da Igreja: Fim do exílio de Avinhão – O Cisma

2047181Entramos agora numa das fases mais dolorosas da história da Igreja, na qual se verifica muito claramente que a Igreja subsiste porque a força de Deus a sustenta.

O fim do Exílio

O capítulo anterior mencionou as tristes condições do Papado, influenciado em Avinhão pelos interesses da França, enquanto o Estado Pontifício na Itália sofria desordens e revoltas do povo descontente.

Em 1362 foi eleito em Avinhão o Papa Urbano V.(1362-70), antigo abade beneditino de Marselha (França). Era homem piedoso, amigo da reforma, que hoje é venerado como Bem-aventurado.49 As mais respeitáveis personalidades da época pediam-lhe o regresso para Roma: este seria mais eficaz do que qualquer missão militar na Itália (semelhante as que Inocêncio IV empreendera em 1353-7 e 1358-67, visando a pacificar pela força o Estado Pontifício). Instavam junto ao Papa para que voltasse a Roma o Imperador Carlos IV da Alemanha, que visitou Avinhão em 1365; o poeta Petrarca, representante dos patriotas italianos, que, em nome de “Roma viúva”, dirigiu ao Papa uma carta comovida (1366), e S. Brígida, viúva sueca, que vivia em Roma e com destemor flagelava os abusos e o luxo da corte de Avinhão. Havia perto de setenta anos que os Papas residiam em Avinhão, período comparado ao exílio dos judeus na Babilônia e chamado “cativeiro dos Papas na Babilônia”. Os cristãos tinham consciência de que a Cúria Pontifícia estava sob o domínio de interesses temporais daninhos. – Em abril de 1367, apesar da resistência do rei da França, o Papa Urbano V deixou Avinhão e em outubro do mesmo ano estabeleceu-se em Roma com grande alegria para os italianos. Todavia as facções políticas agitavam a Itália; então os Cardeais franceses convenceram o Papa de que devia regressar a Avinhão – o que aconteceu em setembro de 1370. O Papa, porém, faleceu pouco depois (dezembro de 1370), tendo como sucessor Gregório XI, bom jurista e piedoso.

Na Itália, o Estado Pontifício era ameaçado pela agitação dos italianos, descontentes com os administradores estrangeiros (principalmente franceses) na Itália. A poderosa República de Florença explorava a insatisfação dos seus súditos contra o Papa. Gregório XI resolveu proceder com energia; lançou a excomunhão e o interdito sobre Florença e enviou soldados bretões para a Itália, que cometeram façanhas cruéis contra a população local. Foi então que entrou em cena uma mulher de condições humildes, mas de profunda santidade; era Catarina de Sena (1347-80), o 23º rebento do tintureiro Benincasa de Sena; aos 17 anos de idade ingressara na Ordem Terceira de São Domingos e gozava de grande prestigio por suas virtudes e seus escritos: Diálogo e 400 cartas. Empenhou-se com energia inquebrantável pela melhora da situação na Igreja e na Itália. Em 1376 compareceu pessoalmente diante do Papa em Avinhão, dizendo-lhe com toda a franqueza que sentia na sua corte o odor vicioso do inferno. A paz da Santa Sé com os florentinos acabou tornando-se realidade em 1378. Todavia já no fim de 1376 o Papa começou a mobilizar-se de Avinhão para Roma, onde chegou aos 17/01/1377, aclamado pela população em júbilo. A residência dos Papas é desde então o Vaticano, e não mais o Latrão. A entrada do Papa em Roma aos 17/01/1377 foi aclamada com júbilo extraordinário da população. Catarina argumentara junto a Gregório XI que, se este não regressasse a Roma, Os romanos elegeriam o seu próprio Papa, criando um cisma na Igreja. Embora o Papa tenha dado ouvidos a Catarina, nem por isto foi possível evitar o cisma, como se dirá a seguir.

Aconteceu, porém, que o espírito pernicioso de Avinhão acompanhou a Cúria pontifícia para Roma; além disto, as agitações persistiam na Itália e na própria Roma.

Foi nessas circunstâncias que morreu Gregório XI em 1378, tendo sido o último Papa francês.

Os inícios do cisma (1378)

Aos 7/04/1378 reuniu-se o conclave para eleger o novo Papa; constava de 11 cardeais franceses, 4 italianos e um espanhol. Os franceses, embora fossem maioria, não estavam de acordo entre si quanto ao candidato o povo de Roma fez então veemente demonstração exigindo um Papa romano ou, ao menos, italiano. Na manhã do dia 8, por treze votos foi eleito as pressas não um francês nem um romano, mas um italiano de Nápoles, isto é, o arcebispo Bartolomeu Prignano, que tomou o nome de Urbano VI (1378-89). Depois do almoço do mesmo dia, os Cardeais (com exceção de três) reuniram-se de novo numa capela e, por prudência, reelegeram o arcebispo Prignano.

Os Cardeais, porém, não ousaram publicar o resultado da eleição, já que não recairá sobre um romano. O povo então, no mesmo dia, pôs-se a exigir a divulgação do resultado do conclave. Os eleitores, diante disto, pediram ao ancião Cardeal Tibaldeschi, que se deixasse revestir das insígnias papais e se apresentasse ao povo como Papa; o prelado consentiu a contra-gosto e foi bem aceito pelo povo.

Leia também: História da Igreja: Clemente V – Avinhão e Viena

Contudo o próprio Cardeal Tibaldeschi encarregou-se de dissipar o erro. Os romanos deram-se por satisfeitos com a eleição do Cardeal napolitano. Sobre este pano de fundo, Os doze Cardeais presentes em Roma na tarde do dia 9/04/ afirmaram solenemente a Urbano que ele era o Papa legítimo e o empossaram no dia 10/04/1378. Na verdade, Urbano VI deve ser considerado o Papa legítimo, verdadeiro sucessor de São Pedro.

Pensava-se que Urbano VI, austero e experiente jurista, fosse sanear os males da Cristandade. Faltavam-lhe, porém, a paciência e a moderação necessárias; talvez, acabrunhado pelas responsabilidades, não fosse mais senhor de seus nervos; tomou atitudes de homem doentio. Com efeito, pôs-se a censurar intempestivamente os costumes dos cardeais; S. Catarina de Sena exortava-o a moderação e a calma. Irritados, treze Cardeais reuniram-se em Anagni aos 02/08/1378 e declararam inválida – porque pressionada pelo povo – a eleição de Urbano VI; a seguir, sob a tutela de Joana I de Nápoles e Carlos V da França, elegeram como novo Papa o cardeal Roberto de Genebra, que tomou o nome de Clemente VII (1378-94); era primo do rei da França. Depois de luta arriada pela posse de Roma, Clemente VII retirou-se para Avinhão, estabelecendo já sua Cúria com novos Cardeais. A ele aderiram a França, Nápoles, a Sicília, a Espanha, a Escócia, pequenas partes da Alemanha, a Dinamarca e a Noruega. Entrementes Urbano era sustentado pela Itália do Centro e do Norte, a maioria da Alemanha, a Inglaterra (que era inimiga da França) a Hungria e a Suécia. – Urbano excomungou Clemente, que era Papa ilegítimo, ou antipapa; este, por sua vez, declarou Clemente excomungado.

Estava assim aberto o Grande Cisma Ocidental, que durou quase quarenta anos (1378-1417) e causou enormes danos à Igreja. A opinião pública estava confusa. As pessoas mais dignas e santas já não sabiam distinguir o Papa legítimo: em favor de Urbano VI havia S. Catarina de Sena, que o queria fazer reconhecer; em prol de Clemente VII trabalhavam eficazmente o dominicano S. Vicente Ferrer e o Bem-aventurado Pedro de Luxemburgo… Com isto não só diminuía o respeito ao Papa, mas ia-se atenuando a convicção da necessidade do Papado. Já as teorias de Occam haviam começado a lançar o descrédito (ver capítulo 26). Na Inglaterra João Wiclef (1320-84), precursor da Reforma protestante, punha em dúvida a instituição do Papado e da Igreja visível. O descontentamento era agravado pela cobrança de taxas e impostos que o Papa e o antipapa exigiam para desenvolver a sua ação política e fazer frente aos tumultos na Itália. Quanto mais se enfraquecia a autoridade eclesiástica, tanto mais forte se fazia o influxo dos monarcas na vida da Igreja, já que os prelados, a fim de obter o apoio dos governantes civis, tendiam a fazer-lhes concessões sempre mais avultadas.

A confusão despertava a expectativa de próximo fim do mundo; seria para o ano de 1400. Em conseqüência, grandes grupos de penitentes da Inglaterra, da França, da Espanha afluíam para Roma, que os atraia como cidade santificada pelo sangue dos apóstolos Pedro e Paulo e de numerosos mártires.

Os teólogos procuravam uma solução. Então veio à tona, com mais pujança, a teoria conciliar ou o conciliarismo, já apregoado por Guilherme de Occam e Marsílio de Pádua e revigorado pela Universidade de Paris, que era a terceira grande potência da época (após o Papa e o antipapa): estabelecia acima do Papa um Concílio Ecumênico, capaz de julgar e depor o Papa, se necessário; a Igreja deixaria de ser uma monarquia sagrada instituída e assistida por Cristo, para ser uma república, fundada sobre o arbítrio dos homens.

O auge do Cisma

Urbano VI morreu em outubro de 1389, deixando triste recordação de seus feitos e litígios, que o incompatibilizaram com seus próprios partidários. Sucederam-lhe Bonifácio IX (1389-1404), Inocêncio VII (1404-6) e Gregório XII (1406-15). Em Avinhão, após Clemente VII (1378-94), foi eleito o antipapa Bento XIII (1394-1423).

Sob esses Pontífices, houve diversas tentativas de reatamento do regime de Avinhão com a Santa Sé (Roma); em vão, porém. Nos tempos de Gregório XII deu-se algo de novo. Este era um ancião douto, que, durante o conclave, se comprometera rigidamente a trabalhar pela união das partes da Cristandade, caso fosse eleito. Logo depois de assumir o pontificado, entrou em contato com Bento XIII; combinaram encontrar-se em Savona (perto de Gênova) para tratarem da reconciliação. A notícia deste acordo causou grande alegria aos cristãos, alegria efêmera, porém, pois o encontro previsto não se realizou, visto que pessoas ambiciosas tudo fizeram para impedi-lo: seus familiares ambiciosos e o rei Ladislau de Nápoles eram contrários aos propósitos de Gregório XII, que, por isto, só chegou até Lucca, enquanto Bento desceu pela Itália abaixo de Savona, até Porto Venere. Assim a possibilidade de próxima união se dissipava. A instabilidade de Gregório XII irritou os Cardeais romanos, que deixaram de o apoiar (exceto um só). A França também deixou de prestigiar Bento XIII por motivo semelhante (1408). Em conseqüência, treze Cardeais (de Roma e de Avinhão), reunidos em Livorno, resolveram convocar um Concílio Ecumênico para Pisa no dia 25/03/1409. Convidaram a comparecer o Papa e o antipapa; todavia nenhum deles aceitou a convocação.

O Concílio de Pisa (março-julho 1409)50 foi muito frequentado: por Cardeais, bispos, abades, teólogos e canonistas de diversos países tomaram parte no mesmo. Eram inspirados pela teoria conciliarista, que foi posta em prática nas sessões do Concílio; este se declarou perfeitamente canônico e legítimo; proclamou cismáticos, heréticos e depostos o Papa e houve então nova eleição, da qual resultou um segundo antipapa: o Cardeal Pedro Philarghi, de Milão, com o nome de Alexandre V (1409-10), eleito aos 26/06/1409; era grego de nascimento e lecionara Teologia na Universidade de Paris. A reforma da disciplina da Igreja, que estava programada para o Concílio de Pisa, não pode ser estudada, pois muitos prelados partiram logo; ficou adiada para um próximo Concílio Ecumênico, que deveria realizar-se dentro de três anos.

Embora muito aspirasse a união dos cristãos, o Concílio de Pisa não só não a conseguiu, mas agravou a situação, criando um terceiro partido dentro da Cristandade; daí só poderia originar-se mais confusão e mal-estar. Alexandre V resolveu fixar sua sede em Bolonha, e foi reconhecido por boa parte dos cristãos (França e Inglaterra). A Gregório XII permaneciam fiéis os reis Ruperto da Alemanha, Ladislau de Nápoles e parte da Itália central. Bento XIII tinha a obediência da Península Ibérica e da Escócia.

O fim do Cisma (1417)historiaigrejadademedia

Alexandre V faleceu em 1410 tendo por sucessor o antipapa João XXIII (1410-15), homem inteligente e ambicioso, que julgava ser o Papa legítimo. Precisando do apoio do Imperador Sigis mundo da Alemanha, acedeu ao desejo do monarca, convocando um Concílio Ecumênico para Constança (Alemanha).

Este, de fato, se reuniu de 1414 a 1418, congregando numerosos prelados e doutores. O Concílio começou decepcionando João XXIII, pois pediu ao Papa e aos dois antipapas que renunciassem. João XXIII resolveu então retirar-se secretamente de Constança e foi tido como deposto. Pouco depois, isto é, aos 04/07/1415, o Papa legítimo, Gregório XII quase nonagenário, fez saber aos conciliares que ele os convocava para o Concílio e dava legitimidade a este; a seguir, renunciou, deixando a sede papal vacante. Os padres conciliares aceitaram essa convocação; os partidários da teoria conciliarista não protestaram contra ela, deixando-a passar como mera formalidade; todavia foi precisamente essa convocação feita pelo Papa legítimo sob a ação do Espírito Santo e aceita pelas conciliares que legitimou o Concílio de Constança e tornou os seus atos válidos para o futuro da Igreja; o Papa a ser eleito seria legítimo, pois a sede pontifícia estava vacante e havia um órgão juridicamente habilitado a eleger o Papa. O outro antipapa, Bento XIII, não querendo renunciar, foi também deposto pelo Concilio; não reconheceu a sentença e manteve-se como antipapa com alguns partidários na fortaleza de Peniscola (perto de Valença) até a morte (23/05/1423). Finalmente, aplainado o caminho, os conciliares puderam eleger por unanimidade, aos 11/11/1417, o novo Papa legítimo, que foi Cardeal Odo Colonna, com o nome de Martinho V (1417-31). Imenso foi o júbilo dos cristãos pelo restabelecimento da paz e da legalidade dentro da Igreja. Estava terminado o cisma por feliz disposição da Providência Divina, que resolveu uma situação de angústia e perplexidade mesmo para os doutores e os santos.

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.