Grupo de teatro blasfema contra os sagrados valores da fé católica

‘Decameron – Blasfêmeas’
Mais uma
grave blasfêmia contra os sagrados valores da nossa fé católica acontece nos
palcos do Teatro. É a Peça “Decameron – o sagrado profano” – uma adaptação da
obra de Giovanni Boccaccio, conhecido ator erótico do século XIV. É realizada
pelo Grupo de Teatro “BlasFêmeas”, a ser apresentada em outubro.

Escondendo-se
atrás da “arte”, os atores representam quatro das novelas da obra: “A
sacanagem”, “O convento”, “A beatificação” e “O
purgatório” com cenas pornográficas envolvendo religiosos.
A direção é de Wladimir Pereira. A apresentação está prevista no  Centro
Cultural, em Taubaté-SP, em duas apresentações na Praça Cel. Vitoriano, 1, para
mais informações: (12) 3625-5140 e 9112-8256.

Não há como
não ver ai uma tentativa de desenterrar uma obra erótica do passado para jogar
lama na Igreja e nos religiosos. Pode ter havido erros dos filhos da Igreja –
eles são também pecadores –  mas daí a levar esses erros a público, em
forma de comédia satirica, é tentar desmoralizar a fé católica e os religiosos.
Por que não se faz isso com outras crenças? Por que não daria IBOPE? Por que
haveria ameaças de morte? Por que não daria fama?

É notório
que profanar a Igreja chama a atenção, porque ela é a Instituição mais bem
avaliada diante do povo, mostram as pesquisas.  Então, investem nesse tipo
de atividade aqueles que querem “faturar” à custa dela, numa aliança sórdida
com o desejo também de profaná-la.

A liberdade
de expressão existe e é necessária, mas desde que não se ofenda as pessoas e
sua fé e, especialmente, os seus sagrados valores. Isso é um desserviço à
cidadania e ao bom relacionamento. Provoca ódio e reações fortes nas
pessoas.  Não se pode confundir liberdade com libertinagem. O meu direito
de dar socos no ar vai até eu não ferir o nariz do meu irmão. Isso não seria
mais liberdade e sim libertinagem.

Cabe aos
católicos e às pessoas de boa conduta, boa vontade e ética, e que ainda prezam
pelos bons costumes, manifestarem – se contra essas ofensas e blasfêmias
maldosas, de modo não violento e nem agressivo, mas firme e corajoso. Defender
a fé e os bons costumes é um preceito da nossa Igreja. 

http://www.guiataubate.com.br/canais/noticia,3227,comedia-narra-historias-de-religiao-e-infidelidade.html

http://vozdovaleonline.com.br.nrserver10.net/blog/?p=12602

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.