Filme de saliência “educa” crianças nas escolas públicas do Brasil

quadro_negroNesta terça-feira (23/09/14) a agência de notícias Zenit.org  publicou um texto tirado do Blog O Catequista, no qual relatou a mais nova arma de doutrinação do governo para difundir a imoralidade sexual, um desenho animado que mostra um menor de idade se masturbando, consumindo pornografia. Confira:

“Masturbação, gaysismo e consumo de pornografia: essas são as lições que o governo brasileiro está passando maciçamente para as nossas crianças e jovens. Na maioria das escolas públicas do país, os alunos recebem uma educação precária, mas no quesito sacanagem a gente já pode comemorar! Os brasileirinhos e brasileirinhas vão virar Ph.D.!

Para difundir a imoralidade sexual, o governo federal cada vez mais se supera em criatividade e ousadia. A sua mais nova arma de doutrinação é um desenho animado que mostra um menor de idade se masturbando, consumindo pornografia e virando gay, tudo isso de forma muito positiva. O filme é recomendado para ser exibido a alunos do Ensino Fundamental Final (de 11 a 14 anos), no Portal do Professor, no site do MEC.

Veja o desenho a partir dos 2:20 min.: clique aqui para ver o vídeo.

A denúncia foi feita por Damares Alves, advogada, missionária evangélica e assessora parlamentar (Fonte: Folha Metropolitana). As greves são frequentes, a falta de recursos é gritante, a formação dos professores é deficiente… Mas o ensino de pu*#@ria nas escolas públicas é padrão Suécia!

Cada vez mais cedo, nossas crianças estão sendo expostas à ideologia do gênero (saiba aqui o que é isso). Se não nos mobilizarmos contra isso, em poucos anos estarão doutrinando as crianças no Jardim da Infância, tal como já ocorre nos Estados Unidos (saiba mais aqui).

A desculpa do governo e dos ativistas LGBT é de que estão apenas combatendo a discriminação e o preconceito nas escolas. Sim, é fundamental ensinar as crianças a respeitar e a jamais excluir ou agredir quem é diferente – seja gordo, tímido, magro, efeminado, deficiente físico etc. Mas praticar a tolerância não significa anular os valores pessoais para concordar ou ser neutro em relação às atitudes alheias.

O governo está fomentando o preconceito aos alunos que recebem de seus pais os valores pautados na família tradicional. Numa sala de aula em que esse filme nojento é exposto, com que cara vai ficar um aluno que rejeite seu conteúdo? Certamente, será taxado de homofóbico e intolerante, afinal, o texto do MEC diz que as pessoas que desaprovam as práticas homossexuais são comparáveis a racistas.

Na foto ao lado, os ativistas LGBT declaram a laicidade de seus ânus. Concordo. Nenhum religioso tem o direito de os impedir de fazer o que bem entenderem de seus briocos. Por outro lado, a recíproca deve ser verdadeira: não violentem o cérebro das nossas crianças com suas imundícies ideológicas, pois a maioria da população brasileira é cristã!

Façam o que quiserem de suas vidas, mas deixem nossas crianças e jovens em paz! Desafio as escolas a mostrarem esse desenho animado para as famílias… a rejeição será geral! A maioria esmagadora dos brasileiros jamais aprovaria que seus filhos fossem expostos a esse conteúdo podre. (Texto tirado do blog o Catequista: http://ocatequista.com.br/archives/12399#sthash.1P8WIfu2.dpuf)”

Fonte: http://www.zenit.org/pt/articles/filme-de-saliencia-educa-criancas-nas-escolas-publicas-do-brasil

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.