Europa: Resistência à perseguição e aposta no ecumenismo são caminhos de esperança para a Igreja Católica

Nyíregyháza, Hungria, 22 jul 2011 (Ecclesia) – O testemunho da resistência às perseguições religiosas e o diálogo entre igrejas cristãs foram dois dos caminhos apontados no 26.º Colóquio Europeu de Paróquias para aumentar a esperança nas comunidades católicas.

Os testemunhos de sofrimento “são significativos” para a Europa Ocidental, que “põe de lado a Igreja, considerando-a desnecessária e ultrapassada”, disse hoje à Agência ECCLESIA o padre João Castelhano, um dos três delegados portugueses presentes no encontro realizado na cidade húngara de Nyíregyháza, 240 km a leste de Budapeste.

Os participantes no encontro que decorreu de domingo até hoje refletiram sobre o tema ‘Paróquia, lar de esperança’, tendo escutado testemunhos que relataram “a experiência dos campos de concentração nazis” e o período do “comunismo” na Europa de Leste, ambos no século XX.

“As comunidades orientais sentiram sempre a necessidade de Deus no meio das perseguições”, salientou o sacerdote de 78 anos, acrescentando que os “exemplos do Leste podem ajudar os ocidentais a descobrir essa carência”.

Os 150 participantes de 16 países presentes no colóquio exploraram também a via do diálogo entre fiéis de diferentes Igrejas cristãs para consolidar a esperança nas suas comunidades.

O programa incluiu a intervenção de monges beneditinos belgas que acolhem católicos, ortodoxos e protestantes nas suas liturgias romanas e bizantinas, além do testemunho do ecumenismo na Hungria, onde há uma “colaboração muito próxima” entre as Igrejas católica e greco-católica.

As conferências salientaram que “a paróquia só pode ser lugar de esperança na medida em que leve os cristãos a viver a união a Jesus Cristo”, fortaleça a “comunhão entre os fiéis” e se volte para os mais carenciados, adiantou o sacerdote, que promete a apresentação de uma “leitura mais completa do colóquio” na próxima semana.

Os testemunhos e conferências do encontro poderão passar ao lado da Igreja portuguesa, dado que os colóquios nacionais de paróquias foram interrompidos em 2010, embora esteja em aberto a possibilidade de os retomar, revelou o padre João Castelhano, da diocese de Coimbra.

RM

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.