EUA: Petição online coleta assinaturas para solicitar à Casa Branca considerar a Igreja Católica como “grupo de ódio”

O grupo ACI/EWTN Noticias informou nesta quarta-feira (09 de dezembro de 2013) que está circulando uma petição online que solicita à Casa Branca considerar à Igreja Católica como um “grupo de ódio” por defender o matrimônio autêntico.

Segundo a notícia, conforme declarou ao ACIDIGITAL o membro do departamento de estudos políticos do Family Research Council, em Washington, Peter Sprigg, explicou que este pedido de rotular com grupo ódio às organizações que se opõem moralmente a redefinir o matrimônio, é simplesmente um “insulto desenhado para tirar-nos do debate público”. Acrescentando-se ainda que a petição revela uma “agenda subjacente” que não é simplesmente acautelar crimes violentos, mas “estigmatizar toda desaprovação da agenda homossexual e essencialmente nos silenciar”.

A petição tem o objetivo de conseguir 25 mil assinaturas até dia 24 deste mês, e apela com argumentos que distorcem a mensagem do Papa Bento XVI no Natal ao Colégio Cardinalício, alegando que ele “degradou e desprezou as pessoas homossexuais de todo o mundo”. E pedindo assinaturas completa: “Usando linguagem de ódio e observações discriminatórias, o Papa pintou um retrato no que os homossexuais são cidadãos de segunda categoria mundial”.

A petição começou a colher as assinaturas no Natal e já ultrapassam o número de 2.396 assinaturas até agora.

No entanto, Peter Sprigg também afirma que essa petição “distorce” as palavras do Papa, que realmente não incluiu linguagem discriminatória ou que incite ao ódio. Segundo Petter, na mensagem citada, o Papa não se referiu diretamente ao “matrimônio gay” ou a “homossexualidade”, em absoluto. Em vez disso, o Papa defendeu os ensinamentos da Igreja sobre a sexualidade e “a verdadeira estrutura da família, composta por um pai, mãe, e prole”.

Papa Bento XVI criticou a noção moderna do sexo como “um rol social que escolhemos por nossa conta”, em vez de “um elemento dado naturalmente” e a “identidade corporal, que nos serve como um elemento determinante do ser humano”.

Sprigg assinalou que a petição é enganosa e tem “claramente um propósito político”.

Fonte: http://www.acidigital.com/noticia.php?id=24679

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.