Espírito Santo, alma da Igreja

download
L’osservatore Romano Nº 28, 11/07/98

1. Se o Cristo é a cabeça da Igreja, o Espírito Santo é a sua alma”. Assim afirmava o meu venerado predecessor Leão XIII na Encíclica Divinum illud munus (1897: DS 3328).  E depois dele, Pio XII explicitava: o Espírito Santo no Corpo místico de Cristo é “o princípio de toda a ação vital e verdadeiramente salvífica em cada um dos diversos membros do Corpo” (Enc. Myst. Corp., 1943: DS 3808).

Queremos hoje refletir sobre o mistério do Corpo de Cristo que é a Igreja, enquanto vivificada e animada pelo Espírito Santo.

Depois do evento do Pentecostes, o grupo que dá origem à Igreja muda profundamente: primeiro, trata-se dum grupo fechado e estático, de “cerca de cento e vinte pessoas” (Act 1,15); depois, trata-se dum grupo aberto e dinâmico ao qual, após o discurso de Pedro, “se uniram  cerca de três mil pessoas” (Act. 2,41).  A verdadeira novidade não é constituída tanto por este embora extraordinário crescimento, quanto pela presença do Espírito Santo.  Para que haja de fato a comunidade cristã, não basta um grupo de pessoas.  A Igreja nasce do Espírito do Senhor.  Ela apresenta-se para usar uma feliz expressão do saudoso Card. Congar – “inteiramente suspensa no céu” (La Pentecoste, trad. it., Bréscia 1986, p. 60).

2. Ele nascimento no Espírito, ocorrido para a Igreja inteira no Pentecostes, renova-se para cada crente no batismo, quando somos imergidos “num só Espírito” para sermos inseridos “num só corpo” (1 Cor 12,13).  Lemos em Santo Ireneu: “Assim como da farinha não se pode fazer, sem água, nenhum pão, assim também nós, que somos muitos, não nos podíamos tornar um em Cristo Jesus, sem a água que vem do céu” (Adv. Haer. 3, 17,1).  A água que vem do céu e transforma a água do batismo é o Espírito Santo.

Santo Agostinho afirma: “Aquilo que o nosso espírito, a saber, a nossa alma, é para os nossos membros, o mesmo é o Espírito Santo para  os membros de Cristo, para o Corpo de Cristo que é a Igreja” (Serm. 267,4).

O Concílio Ecumênico Vaticano II, na Constituição dogmática sobre a Igreja, retorna a esta imagem, desenvolve-a e precisa-a: “deu-nos do Seu Espírito, o qual, sendo um e o mesmo na cabeça e nos membros, unifica e move o corpo inteiro, a ponto de os Santos Padres compararem a Sua ação àquela que o princípio vital, ou alma, desempenha no corpo humano” (LG, 7).

Esta relação do Espírito com a Igreja orienta-nos para a compreender, sem cairmos nos dois erros opostos, que já a Mystici Corporis indicava: o naturalismo eclesiológico que se detém de maneira unilateral no aspecto visível até considerar a Igreja como uma simples instituição humana; ou então, ao contrário, o misticismo eclesiolótico que ressalta a unidade da Igreja com Cristo, a ponto de considerar Cristo e a Igreja como uma espécie de pessoa física.  São dois erros que têm uma analogia – como já punha em relevo Leão XIII na Encíclica Satis cognitum – com duas heresias cristológicas: o nestorianismo, que separava as duas naturezas em Cristo, e o monofisismo, que as confundia.  O Concílio Vaticano II ofereceu-nos uma síntese que nos ajuda a captar o verdadeiro sentido da unidade mística da Igreja, apresentando-a “como única realidade complexa, formada pelo duplo elemento humano e divino” (LG, 8).

3.  A presença do Espírito Santo na Igreja faz com que ela, embora marcada pelo pecado dos seus membros, seja preservada da defecção. Com efeito, a santidade não só substitui o pecado, mas supera-o.  Também neste sentido se pode dizer com São Paulo, que onde abunda o pecado, superabunda a graça (cf. Rm 5,20).

O Espírito Santo habita na Igreja não como um hóspede que, em todo o caso, permanece estranho, mas como a alma que transforma a comunidade em “templo santo de Deus” (1 Cor 3,17; cf. 6, 19; Ef. 2,21) e a assimila continuamente a Si por meio do Seu dom específico, que é a caridade (cf. Rm 5,5; Gl. 5,22).  A caridade – ensina o Concílio Vaticano II na Constituição dogmática sobre a Igreja – “dirige todos os meios de santificação, informa-os e leva-os ao seu fim” (LG, 42).  A caridade é o “coração” do Corpo místico de Cristo, como lemos na esplêndida página autobiográfica de Santa Teresa do Menino Jesus: “Compreendi que, se a Igreja apresenta um corpo formado por membros diferentes, não lhe falta o mais necessário e mais nobre de todos: compreendi que a Igreja tem coração, um coração ardente de amor; compreendi que só o amor fazia atuar os membros da Igreja e que, se o amor viesse a extinguir-se, nem os Apóstolos continuariam a anunciar o Evangelho, nem os mártires a derramar o seu sangue; compreendi que o amor encerra em si todas as vocações, que o amor é tudo e abrange todos os tempos e lugares, numa palavra, que o amor é eterno” (Manuscr. Autobiogr. B 3v).

4. O Espírito que habita na Igreja, mora também no coração de cada fiel: é o dulcis hospes animae.  Seguir um caminho da conversão e de santificação pessoal significa, então, fazer-se “conduzir” pelo Espírito (cf. Rm 8,14), deixá-l’O agir, orar, amar em nós.  É possível “tornarmo-nos santos”  se nos deixarmos santificar por Aquele  que é o Santo, colaborando com docilidade na Sua ação transformadora.  Por este motivo, sendo o revigoramento da fé e do testemunho dos cristãos o objetivo prioritário do Jubileu, “é necessário suscitar em cada fiel um verdadeiro anseio de santidade, um forte desejo de conversão e renovamento pessoal num clima de oração cada vez mais intensa e de solidário acolhimento do próximo, especialmente do mais necessitado” (Tertio millennio adveniente, 42).

Podemos considerar que o Espírito Santo é como que a alma da nossa alma, e portanto o segredo da nossa santificação.  Deixemo-nos habitar pela Sua presença forte e discreta, íntima e transformadora!

5. São Paulo ensina-nos que a inabitação do Espírito Santo em nós, intimamente ligada à ressurreição de Jesus, é também o fundamento da nossa ressurreição final: “Se o Espírito d’Aquele que ressuscitou a Jesus dos mortos habita em vós, Ele, que ressuscitou a Jesus Cristo dos mortos, há-de dar igualmente a vida aos vossos corpos mortais por meio do Seu Espírito, que habita em vós” (Rm 8,11).

Na bem-aventurança eterna viveremos na jubilosa convivência que agora é prefigurada e antecipada pela Eucaristia.  então, o Espírito levará à plena maturação todos os germes de comunhão, de amor e de fraternidade, que floresceram ao longo da nossa peregrinação terrena.  Como afirma São Gregório de Nissa, “circundados pela unidade do Espírito Santo como pelo vínculo da paz, todos serão um só Corpo e um só Espírito” (Hom. 15 in Cant.).

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.