Entendendo o PT

entendendo-o-ptO texto apresentado por André L. Botelho nos faz refletir sobre o nosso governo atual.

Que possamos nesse momento decisivo para nosso país colocar em prática nossa postura cristã traduzindo-a concretamente em uma boa escolha no exercício de nossa cidadania.

Segue o texto:

Como explicar a posição do PT e do ex-presidente Lula diante de tantas evidências de corrupção de correligionários e aliados do PT? Enquanto todos, diante de denúncias assim, tentam se defender dizendo “nós não fizemos isso, e se alguém fez deve ser punido”, Lula e o PT parecem dizer, “É, pode até ser que tenhamos feito, mas isso não importa”. A lógica revolucionária da esquerda explica, e com ela tudo se justifica.

Embora o PT tenha se aberto para a economia liberal, ele é um partido formado na ideologia revolucionária de esquerda, e continua sendo assim. A lógica do revolucionário é que a revolução é um ideal, é uma “causa”, um bem que justifica qualquer coisa. Em nome da revolução, mentir, roubar, saquear, matar, enfim, qualquer coisa serve, e mais, se for feito com coragem, é heroísmo.

Então, para os ideólogos da revolução roubar dinheiro público para a “causa” não é corrupção, é usar dos bens do país para libertá-lo das mãos dos opressores burgueses.

Afinal, sem poder, não existe revolução e sem dinheiro, não existe poder; então, é preciso roubar para tomar o poder ou manter o revolucionário no poder. Por isso, nessa lógica, os revolucionários corruptos é que são as vítimas, e se tornam heróis. Na lógica da revolução, o terrorismo dos pobres tem um significado positivo; é por isso que a presidente defendeu na ONU o diálogo com Estado Islâmico. Afinal de contas, aquela violência toda tem um significado revolucionário. Não esqueçamos que a presidente já foi condenada por ter envolvimento com atos terroristas revolucionários e com a guerrilha.

Nessa lógica entendemos outras coisas do PT, e mesmo dos outros partidos de esquerda. Invadir propriedade privada (diga-se, mesmo de gente simples), índios saquearem propriedades de pequenos produtores, as manifestações populares violentas, enfim, toda subversividade social tem um significado positivo, e por isso não pode ser coibida. Se o for, será sempre ação violenta do Estado opressor. Pela causa, vale alterar os fatos, inventar estatísticas, fazer oposição mesmo quando o governo burguês tem boas propostas (O PT foi tão bom nisso, que assumiu em seu governo essas boas propostas, o que é um dos poucos méritos do governo Lula e da Dilma). A causa torna razoável apoiar e financiar governos totalitários e altamente opressores como o de Cuba. A causa justifica criar neologismos (aborto virou “interrupção da gravidez”) para convencer as pessoas, que certos problemas sociais se resolvem matando seus filhos. Tudo isso tem valor, mas na medida em que não significar revolução contra o revolucionário que está no poder. Enfim, nessa lógica, assassinos como Che Guevara são heróis e estampam camisas de uma juventude sem rumo em meio a tanta revolução. Essa lógica explica muita coisa absurda num mundo onde muita gente quer melhorar as coisas via revolução. São tantas coisas, que não cabe dizer nesse texto.

Mas é por saber disso que não acredito em uma das poucas coisas boas que o governo do PT empreendeu, o programa social chamado “bolsa família”, e tantos outros de cunho assistencialista. Como não ver nesses programas um imenso valor social e humano ao ajudar tantas famílias carentes? Parece cegueira de burguês não ver isso.

Mas a verdade é que é difícil ver verdadeira bondade em gente que tudo manipula em prol da revolução. Conhecendo a lógica revolucionária, a pergunta se inverte: Como ver um verdadeiro valor social num programa que mantém milhões de cidadãos sob o domínio de um governo revolucionário? Como não ver nisso uma manipulação de poder, uma tentativa de uma espécie de totalitarismo democrático, uma vez que o programa não leva o cidadão dependente a crescer e se libertar desse assistencialismo?
Bem, se você de algum modo venera a revolução, sem saber, legítima e enaltece a corrupção no PT. O governo do PT só comprova, mais uma vez na história, que toda ideologia revolucionária (não só de esquerda), começa com belos discursos e termina em corrupção, totalitarismo e caos social e econômico. Aliás, o PT não é o único não.

No Brasil mesmo, outros partidos expressam um radicalismo ainda maior que ele.

O Brasil precisa mudar em tantas coisas, a começar pelas estruturas sociais injustas. Verdade, não é fácil descobrir os caminhos sociais dessas mudanças. Mas uma mudança é urgente, tirar do volante essa gente revolucionária, antes que eles levem o Brasil ao caos e se sintam heróis por isso.

Por um Brasil mais justo, mais desenvolvido, mais humano, mais honesto e menos revolucionário!

André L. Botelho de Andrade

Fonte:http://pantokrator.org.br/po/artigos-pantokrator/entendendo-o-pt/

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.