Dogmas Marianos: Parte 2

jose-e-maria1O Dogma da Virgindade Perpétua de Maria

A Igreja nos ensina, com Santo Agostinho, que Maria sempre foi Virgem: “antes do parto, no parto e depois do parto”.

Desde os primórdios a Igreja confessou que Jesus foi concebido exclusivamente pelo poder do Espírito Santo no seio da Virgem Maria; Jesus foi concebido “do Espírito Santo, sem sêmen”.

“Eis como nasceu Jesus Cristo: Maria, sua mãe, estava desposada com José. Antes de coabitarem, aconteceu que ela concebeu por virtude do Espírito Santo.”

“Enquanto assim pensava, eis que um anjo do Senhor lhe apareceu em sonhos e lhe disse: José, filho de Davi, não temas receber Maria por esposa, pois o que nela foi concebido vem do Espírito Santo.” (Mt 1, 18-20)

Para os Padres da Igreja a conceição virginal era o “sinal” de que foi verdadeiramente o Filho de Deus que assumiu a nossa humanidade. Santo Inácio de Antioquia (†107), já dizia:

“Estais firmemente convencidos acerca de Nosso Senhor, que é verdadeiramente da raça de Davi segundo a carne, Filho de Deus segundo a vontade e o poder de Deus, verdadeiramente nascido de uma virgem (…), ele foi verdadeiramente pregado, na sua carne, (à cruz) por nossa salvação sob Pôncio Pilatos (…), ele sofreu verdadeiramente, como também ressuscitou verdadeiramente.”(Esmirnenses, I-II)

“O príncipe deste mundo ignorou a virgindade de Maria e o seu parto, da mesma forma que a Morte do Senhor: três mistérios proeminentes que se realizaram no silêncio de Deus.” (Ef 19.1)

O anjo disse a São José que “o que foi gerado nela vem do Espírito Santo” (Mt 1,20). É o cumprimento da promessa divina dada pelo profeta Isaías: “Eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho” (Is 7,14)

E Maria permaneceu Virgem também durante e após o parto de Jesus; foi um parto milagroso que não se pode entender pela biologia. Diz o nosso Catecismo: “O aprofundamento de sua fé na maternidade virginal levou a Igreja a confessar a virgindade real e perpétua de Maria, mesmo no parto do Filho de Deus feito homem. Com efeito, o nascimento de Cristo “não lhe diminuiu, mas sagrou a integridade virginal” de sua mãe.“Aeiparthenos” “sempre virgem.” (§499)

São Tomás de Aquino apresenta magistralmente as razões da virgindade de Maria:

“Convinha que aquele que é Filho único de Deus (…), fosse virginalmente concebido ao se fazer carne; para que a natureza humana do Salvador fosse isenta do pecado original, ficava bem que não fosse formado como de ordinário pela via seminal, mas pela concepção virginal; nascendo segundo a carne de uma virgem, Cristo mostrava que seus membros deviam nascer segundo o espírito dessa Virgem, sua esposa espiritual, que é a Igreja. O nascimento virginal é de todo conveniente, pois o Verbo que é eternamente concebido e procede do Pai sem nenhuma corrupção deve, se ele se faz carne, nascer de uma mãe virgem, conservando-lhe sua virgindade; Aquele que vem para retirar toda a corrupção não deve, ao nascer, destruir a virgindade daquela que lhe deu à luz.” (TM, pp. 28-29)

A virgindade perpétua de Maria foi proclamada em 649 no Concilio Regional de Latrão, que disse:

“Se alguém, segundo os Santos Padres, não confessa que própria e verdadeiramente é Mãe de Deus a santa e sempre Virgem e Imaculada Maria, já que concebeu nos últimos tempos sem sêmen, do Espírito Santo, o próprio Deus-Verbo (…), e que deu à luz sem corrupção, permanecendo a sua virgindade indissolúvel mesmo depois do parto, seja anátema.” (DS 255,649)

O Papa Paulo IV, em 07/08/1555, apresentou a perpétua virgindade de Maria entre os temas fundamentais da fé. Assim se expressou:

“A Bem-aventurada Virgem Maria foi verdadeira Mãe de Deus, e guardou sempre íntegra a virgindade, antes do parto, no parto e constantemente depois do parto.”

Toda a Tradição cristã e até mesmo os reformadores protestantes, como Lutero e João Calvino, professaram a virgindade de Maria. Em 1537, em seus “Artigos da Doutrina Cristã”, é o próprio Lutero quem diz:

“O Filho de Deus fez-se homem, de modo a ser concebido do Espírito Santo sem o concurso de varão e a nascer de Maria pura, santa e sempre virgem.”

Em 1542, João Calvino publicou o “Catecismo da Igreja de Genebra”, onde se lê:

“O Filho de Deus foi formado no seio da Virgem Maria (…). Isto aconteceu por ação milagrosa do Espírito Santo sem consórcio de varão.”

Santo Agostinho afirma que:

“Cristo nasceu com efeito da Mãe que embora sem contato com varão concebeu intacta, e sempre intacta permaneceu, concebeu virgem, dando à luz virgem, virgem morrendo, embora fosse desposada com o carpinteiro, extinguiu todo orgulho da nobreza carnal”.

E ainda: “Uma virgem concebe, virgem leva o fruto, uma virgem dá à luz e permanece perpetuamente virgem.”

Os Santos Padres não se cansavam de exaltar a virgindade de Maria:

“Virgem que gerou a Luz, sem ficar com nenhum sinal, como outrora a sarça (de Moisés) que ardia em fogo sem se consumir.” (Santo Efrém)

“Virgem ainda mais pura depois do parto.” (Santo Epifânio)

“Virgem que permaneceu Virgem, mesmo sendo verdadeiramente mãe.” (São João Crisóstomo)

“Virgem que deu à luz e, enquanto dava à luz, duplicava a virgindade.” (São Gregório Magno). (MM, p. 28)

São Leão Magno (†460), doutor da Igreja e Papa, em seus Sermões sobre o Natal e a Epifania, explica uma das razões da virgindade de Maria:

“Não transparece uma razão profunda no fato de Cristo ter querido nascer de uma Virgem? Seria a de ocultar ao demônio que a salvação nascera para os homens, a fim de que, ignorando a geração espiritual, não julgasse que havia nascido de modo diferente aquele que via semelhante aos outros. Notando que sua natureza era igual à de todos, supunha que sua origem fosse a mesma; e não percebeu que estava livre dos laços do pecado aquele que não encontrou isento da fraqueza dos mortais (…). Foi assim iludida a sagacidade do inimigo, que em segurança supunha que o nascimento do menino gerado para a salvação do gênero humano estivesse sob seu domínio como os outros (…). Conhecendo o veneno com que corrompera a natureza humana, jamais julgou isento do pecado original aquele que, por tantos indícios, supunha ser um mortal.” (SNE, p. 34)

Santo Irineu, opondo Maria a Eva diz:

“Como por uma virgem desobediente foi o homem ferido, caiu e morreu, assim também, por meio de uma Virgem obediente à Palavra de Deus, o homem recobrou a vida. Era justo e necessário que Adão fosse restaurado em Cristo, e que Eva fosse restaurada em Maria, a fim de que uma Virgem, feita advogada de uma virgem, apagasse e abolisse por sua obediência virginal a desobediência de uma virgem.” (VtMM, p. 44)

Embora incompreensível para nossa inteligência, o parto virginal de Maria é uma verdade de fé que devemos acolher em virtude da “obediência da fé” (Rm 1,5). Só quem está disposto a crer que “para Deus nada é impossível” (Lc 1,37), pode acolher com devoção e gratidão as verdades místicas do Filho eterno de Deus e da sua concepção e nascimentos virginais.

São Cirilo de Alexandria dizia que assim como a luz atravessa de um lado para outro a vidraça sem quebrar-lhe, da mesma forma o Verbo pôde entrar e sair do ventre de sua Mãe sem lhe rasgar as paredes.

Sobre os “irmãos e irmãs de Jesus”, a Igreja sempre entendeu que essas passagens não designam outros filhos da Virgem Maria: com efeito, Tiago e José, “irmãos de Jesus” (Mt 13,55), são os filhos de uma Maria discípula de Cristo que significativamente é designada como “a outra Maria” (Mt 28,1).

Tratam-se de parentes próximos de Jesus, conforme uma expressão conhecida do Antigo Testamento.

A Virgem Maria não teve outros filhos; em nenhum lugar dos Evangelhos se pode encontrar alguém chamado de “filho de Maria”, a não ser Jesus. Aos pés da Cruz de Jesus estava apenas João e sua Mãe, por isso Ele a confiou à Sua Mãe.

Jesus é o Filho Único de Maria. Mas a maternidade espiritual de Maria, ensina a Igreja, estende-se a todos os homens que Ele veio salvar: Ela gerou seu Filho, do qual Deus fez “o primogênito entre uma multidão de irmãos” (Rm 8,29).

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.