Doenças que matam – Reflexão sobre a Campanha da Fraternidade 2012

A Campanha da Fraternidade de 2012 fala de cinco temas que preocupam a saúde e que estão na raiz da maior parte das mortes que ocorrem no Brasil.

Em primeiro lugar estão as doenças crônicas não transmissíveis, como as doenças cardiovasculares, hipertensão, diabetes e cânceres. Elas são responsáveis por 58,5% das mortes que ocorrem no mundo e consomem 75% dos gastos do governo brasileiro na área da saúde. Em 2007, 29,4% dos óbitos declarados no Brasil tiveram como causa doenças cardiovasculares e 17% ocorreram por algum tipo de câncer.

Em segundo lugar se encontram as doenças transmissíveis. Em cada grupo de 100 mil habitantes existem, em média, 20 pessoas com AIDS. A tuberculose continua sendo a terceira causa de óbitos por doenças infecciosas e a primeira entre pacientes com AIDS. O vírus da influenza (gripe A) acomete cerca de 400 mil pessoas a cada ano no Brasil e mata 3 mil.

O terceiro tema que ocupa a agenda da saúde refere-se aos fatores de risco modificáveis. Segundo a OMS, o tabagismo está na origem da morte de 200 mil pessoas por ano no Brasil. A prática regular de exercícios físicos está longe de fazer parte da rotina dos brasileiros e o crescimento no número de pessoas obesas ou com sobrepeso por má alimentação constitui um desafio mundial a ser enfrentado.

A dependência química é outro tema relevante na agenda da saúde. A porta de entrada para o mundo da droga é o álcool, sendo que preocupa o fato de 18% da população adulta do Brasil consumir álcool em excesso. Na seqüência vem a maconha, cocaína, haxixe, crack, oxi e outras. A droga mais devastadora, no momento, é o oxi, sendo que “pesquisas do Ministério da Saúde apontam que cerca de um terço dos usuários morrem no primeiro ano de uso”.

O quinto tema preocupante refere-se a acidentes de trânsito, homicídios e suicídios. No Brasil, eles já ocupam o terceiro lugar em relação aos óbitos, só perdendo para as doenças cardiovasculares e os cânceres. Elas sinalizam para um estado de guerra, com mais mortes do que muitos dos países onde há guerra declarada.

Como cristãos que somos não podemos ficar omissos frente a estas cinco grandes preocupações da saúde pública no Brasil. Precisamos ir a campo e fazer alguma coisa para combater as várias causas que abreviam a vida do povo ou que diminuem a qualidade de vida das pessoas. Todos somos chamados a, “guiados pelo Espírito do Senhor, fazer-nos solidários às dores e enfermidades do povo, para que a saúde se difunda sobre a terra”.

***
Dom Canísio Klaus

Bispo de Santa Cruz do Sul

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.