Do amor que a alma cristã deve a Maria

PRC_Sag-Imagem-Consolacao-6A estima que Deus fizer de uma coisa será a regra única para se avaliar o mérito dessa coisa.

Os seus afetos, portanto, devem ser a regra invariável dos nossos afetos.

Para compreenderes, alma cristã, o que pensar de Maria e até que ponto deve ir o teu amor, considera a estima em que Deus a conservara e os sinais de amor que lhe dera.

“A multidão de minhas esposas é inumerável”, diz o Santo Espírito, “mas uma existe a quem enchi de todas as perfeições, acima de todas as outras” (Ct 6,8-9).

Querida é de Deus essa esposa, por isso de maneira particular há forçosamente de imperar depois de Deus, em todos os corações. O amor com que Deus a amou fez que lhe concedesse todos os privilégios pelos quais a humanidade a pudesse distinguir. Pelo que o nosso amor a Maria deve distingui-la de tudo quanto mereça, depois de Deus, os afetos nossos. Amou-a Deus até lhe dar, depois dele, o primeiro plano na terra e no céu. Nenhum objeto terreno ou celestial, depois de Deus, os afetos nossos. Amou-a Deus até lhe dar, depois dele, o primeiro plano na terra e no céu. Nenhum objetivo terreno ou celestial, depois de Deus, será mais digno das homenagens do nosso respeito e do nosso amor.

Assim, todos os justos lhe deram no coração um lugar junto a Jesus.

Os santos padres nos dizem que em vão amarão o “Filho” os que não amam a “Mãe”, pois inseparáveis são esses dois amores.

É necessário que consideremos o amor por Maria como um dos sinais mais característicos de predestinação que se possa ter, tão precioso é o dom dessa graça de Deus!

Mas, o amor que Maria nos vota não nos falará por si mesmo do amor que lhe devemos? Ela estuda as nossas necessidades. Ela sente as nossas aflições. Ela prevê os nossos pedidos. Ela suporta os nossos defeitos. Ela esquece as nossas ingratidões. Qual não deve ser a nossa solicitude em lhe testemunharmos recíproco amor?

Aproveita, alma cristã, as ocasiões de agradar a Maria. Nada é pequeno, quando é do seu serviço que se trata. Tudo é grande, em se tratando de servir à Mãe de Deus! Mãe de Deus Soberana do mundo! Mãe de Deus e – Oh! Mistério de amor! – Mãe amorosa e súplice dos homens que servem a Deus, e até dos próprios que ofendem a Deus, para que sobre eles chovam as graças da conversão!imitacao_menor

Diligencia, alma cristã, por tudo o que pertença ao culto de Maria, tudo o que possa fazê-la amada e honrada dos que a não conhecem ainda.

A Maria, oferece, alma cristã, cada dia, com muita exatidão, o tributo dos teus lábios e as homenagens do teu coração.

Glória deve ser para todos nós o título de filhos de Maria. Ao seu trono elevar, cada dia, com o coração a glória, e imensa glória!

Admirar as grandezas e perfeições de Maria, imensa glória ainda!

E implorar a proteção da “onipotência suplicante”, que glória e que vantagem para nós! Portanto, se praticas obras de caridade como deves, se jejuas, se te mortificas, faze tudo isso na intenção de honrar a Mãe de Deus, pois que se tudo de bom fizesses nada mais farias que de longe imitar as excelentes virtudes da Virgem Mãe.

Só lucro aufere a alma cristã em visitar os templos elevados a Deus em honra de Maria, em respeitar as suas imagens, pessoas e lugares que sejam a ela preferencialmente consagrados. Assistir assiduamente aos públicos exercícios do seu culto, discursos que tratem das virtudes de Maria, das prerrogativas e das devoções referentes à Mãe de Deus.

A alma cristã deve ser, antes de tudo, uma alma plena de Maria.

Um filho de Maria é diferente dos que o não são, nisso sobretudo que ele é obrigado a mais e mais testemunhar a Maria o seu amor a fim de mais e mais ir ganhando as riquezas do coração da boa Mãe.

Oh! Vós, poderosa Protetora, em meu coração podeis ler, como num livro aberto aos vossos olhos, essa resolução de vos ser sempre fiel. Graças rendo ao Senhor pelos sentimentos de amor que me inspira por Vós. Só o fato de os inspirar é sinal certo do seu amor por mim. Nada quererei disputar com os homens, Senhora, senão a fidelidade que prometo disputar com os corações dos servos que mais vos amam!

Ai! Pudesse até, ó minha Mãe, disputá-la com os próprios anjos, se tal felicidade não fora somente reservada aos felizes habitantes do céu!

Trecho retirado do livro: Imitação de Maria

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.