Devoção dos 5 primeiros sábados

medalha_milagrosa1Esta devoção Nossa Senhora veio pedi-la, aparecendo à Irmã Lúcia, no dia 10 de dezembro de 1925, em Ponte-Vedra, Espanha.

Disse-lhe então: “Olha, minha filha, o meu coração cercado de espinhos que os homens ingratos a todos os momentos me cravam com blasfêmias e ingratidões. Tu, ao menos, procura consolar-me e diz que prometo assistir na hora da morte, com todas as graças necessárias para a salvação, a todos os que, no primeiro sábado de cinco meses seguidos, se confessarem, receberem a Sagrada Comunhão, rezarem um terço e me fizerem companhia durante quinze minutos,  meditando nos 15 mistérios do Rosário, com o fim de me desagravar”.

Nossa Senhora mostrou o seu coração rodeado de espinhos,  que significam os nossos pecados. Pediu que fizéssemos atos de desagravo para lhos tirar,  com devoção reparadora dos cinco primeiros sábados. Em recompensa prometeu-nos “todas as graças necessárias para a salvação”.

Jesus, nos dois anos seguintes, 15 de fevereiro de 1926 e 17 de dezembro de 1927, insiste para que se propague esta devoção. Lucia escreveu: “Da prática da devoção dos primeiros sábados unida à consagração ao Imaculado Coração de Maria, depende a guerra ou a paz do mundo”. Porque cinco sábados?

São cinco os primeiros sábados, segundo revelou Jesus, por serem “cinco as espécies de ofensas e blasfêmias proferidas contra o Imaculado Coração de Maria”:

1. As blasfêmias contra a Imaculada Conceição;

2. Contra a sua Virgindade;

3. Contra a Maternidade Divina recusando ao mesmo tempo recebê-la como Mãe dos homens;

4. Os que procuram infundir nos corações das crianças a indiferença, o desprezo e até o ódio contra esta Imaculada Mãe;

5. Os que A ultrajam diretamente nas suas sagradas imagens.

Condições:

As condições para ganhar o privilégio dos primeiros sábados são quatro:

1. Confissão: Para cada primeiro sábado é preciso uma confissão com intenção reparadora. Pode fazer-se em qualquer dia antes ou depois do primeiro sábado, contando que se receba a comunhão em estado de graça.

A vidente perguntou: – “Meu Jesus as (pessoas) que se esqueceram de formar essa intenção (reparadora)? Jesus respondeu: – “Podem formá-la na confissão seguinte aproveitando a primeira ocasião que tiverem para se confessarem”.

As outras três condições devem cumprir-se no próprio primeiro sábado, a não ser que algum sacerdote, por justos motivos, conceda que se possam fazer no domingo a seguir.

2. A Comunhão Reparadora;

3. O Terço;

4. A Meditação, durante 15 minutos, dos mistérios do Rosário. Também vale uma meditação ou explicitação de 3 minutos antes de cada um dos 5 mistérios do Terço que se está a rezar.

Em todas estas quatro práticas deve-se ter a intenção de desagravar o Imaculado Coração de Maria. Devoção da Medalha Milagrosa (N. Sra. das Graças 27 de novembro) Origem da Medalha Milagrosa. A 27 de novembro de 1830, na Capela das Filhas da Caridade de São Vicente de Paulo, em Paris, a Santíssima Virgem, se manifestou à humilde noviça Catarina Labouré. A Virgem apareceu sobre um globo, pisando uma serpente e segurando nas mãos um globo menor, oferecendo-o a Deus, num gesto de súplica. Maria fala, então à feliz vidente: “Este globo representa o mundo inteiro…e cada pessoa em particular.”

De repente, o globo desapareceu e suas mãos se estenderam suavemente, derramando sobre o globo brilhantes raios de luz. Formou-se assim um quadro oval, rodeado pelas palavras: “Ó Maria concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos à Vós”.

Virou-se então o quadro, aparecendo no reverso, um “M” encimado por uma Cruz e, em baixo, os corações de Jesus e de Maria. E a Santíssima Virgem lhe pede: “Faça cunhar uma medalha, conforme este modelo”. E promete: “as pessoas que a trouxerem, com fé e confiança, receberão graças especiais”. E assim foi cunhada, em Paris, esta medalha, que logo se espalhou pelo mundo inteiro, derramando graças tão numerosas e extraordinárias que o povo, espontaneamente, passou a chamá-la : “A Medalha Milagrosa”.

Novena da Medalha Milagrosa

Sinal da Cruz…

Ato de Contrição: Meu bom Jesus que por mim morrestes na Cruz, tende piedade de mim, perdoai os meus pecados e dai-me a graça de nunca mais pecar.

Repetir 3 vezes: Ó Maria concebida…

1º Dia: 1º Aparição

Contemplemos a Virgem Imaculada, em sua primeira aparição a Santa Catarina Labouré. A piedosa noviça guiada pelo seu Anjo da Guarda é apresentada à Imaculada Senhora. Consideremos sua inefável alegria. Seremos também felizes, como Santa Catarina Labouré, se trabalharmos com ardor na nossa santificação. Gozaremos as delícias do Paraíso, se nos privarmos dos gozos terrenos.

3 Ave Marias, acrescentando em cada uma; Ó Maria concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a Vós.

Oraçào final.

2º Dia: As Lágrimas de Maria

Contemplemos Maria, chorando sobre as calamidades que viriam sobre o mundo, pensando que o Coraçào de seu filho seria ultrajado, a cruz escarnecida e seus filhos prediletos perseguidos. Confiemos na Virgem compassiva e também participaremos do fruto de suas lágrimas.

3 Ave Marias, etc.

3º Dia: Proteção de Maria

Contemplemos nossa Imaculada Mãe, dizendo em suas aparições a Santa Catarina: Eu mesma estarei convosco: não vos perco de vista e vos concederei abundantes graças. Sede para mim Virgem Imaculada, o escudo e a defesa em todas as necessidades.

3 Ave Marias, etc.

4º Dia: 2º Aparição

Estando Sta. Catarina Labouré em oração, a 27 de novembro de 1830, apareceu-lhe a Virgem Maria, formosíssima, esmagando a cabeça da serpente infernal; nessa aparição se vê seu desejo imenso de nos proteger sempre contra o inimigo de nossa salvação. Invoquemos a Imaculada Mãe com confiança e amor.

3 Ave Marias, etc.

5º Dia: As Mãos de Maria

Contemplemos, hoje, Maria desprendendo de suas mãos raios luminosos. “Estes raios, disse ela, são a figura das graças que derramo sobre todos aqueles que me pedem e aos que trazem com fé minha medalha”. Não desperdicemos tantas graças. Peçamos com fervor, humildade e perseverança, e Maria Imaculada nô-lo alcançará.

3 Ave Marias, etc.

6º Dia: 3º Aparição

Contemplemos Maria, aparecendo a Sta Catarina, radiante de luz, cheia de bondade,rodeada de estrelas e mandando cunhar uma medalha, prometendo a todos que a trouxerem com devoção e amor, muitas graças. Guardemos fervorosamente a Santa Medalha e, como escudo, ela nos protejerá nos perigos.

3 Ave Marias, etc.

7º Dia da Novena e 1º do Tríduo

Ó Virgem Milagrosa, Rainha excelsa Imaculada Senhora, sede minha advogada, meu refúgio e asilo nesta terra, minha fortaleza e defesa na vida e na morte, meu consolo e minha glória no céu.

3 Ave Marias, etc.

8º Dia da Novena e 2º do Tríduo

Ó Vigem Imaculada da Medalha Milagrosa, fazei que esses raios luminosos que iradiam de vossas mãos virginais, iluminem minha inteligência para melhor conhecer o bem, e abrasem meu coração com vivos sentimentos de fé, esperança e caridade.

3 Ave Marias, etc.

9º Dia da Novena e 3° do Tríduo

Ó Mãe Imaculada, fazei que a cruz de vossa Medalha brilhe sempre diante de meus olhos, suavize as penas da vida presente e me conduza à vida eterna.

3 Ave Marias, etc.

Oração Final

Santíssima Virgem, eu creio e confesso Vossa Santa e Imaculada Conceição, pura e sem mancha. Ó puríssima Virgem Maria, por vossa Conceição Imaculada e gloriosa prerrogativa de Mãe de Deus, alcançai-me de Vosso amado filho a humildade, a caridade, a obediência, a santa pureza de coração, de corpo e espírito, a perseverança na prática do bem, uma santa vida, uma boa morte e a graça….que peço com toda confiança. Amém.

Coroa das sete dores de Maria Santíssima

Costuma a piedade cristã venerar de modo especial as sete dores da Virgem Maria. Santa Brígida diz´nos em suas Revelações, aprovadas pela Igreja, que Nossa Senhora prometeu conceder sete graças a quem rezar, em cada dia, sete Ave Marias em honra das suas Dores e Lágrimas. Dum modo especial vos queremos desagravar contra a Vossa Conceição Imaculada e Santa Virgindade. Muitos, Senhora, negam que sejais Mãe de Deus, Mãe dos homens. Outros, não vos podendo ultrajar diretamente, descarregaram nas Vossas sagradas imagens a sua cólera satânica. Nem faltam também aqueles que procuram infundir nos corações, sobretudo das crianças inocentes, indiferença, desprezo e até ódio contra Vós.

Virgem Santíssima, aqui prostrados aos Vossos pés, nós vos mostramos a pena que sentimos por todas estas ofensas e prometemos reparar com os nossos sacrifícios, comunhões e orações tantas ofensas destes vossos filhos ingratos.

Reconhecendo que também nós, nem sempre correspondemos às vossas predileções, nem vos honramos e amamos como Mãe, suplicamos para os nossos pecados, misericordioso perdão. Para todos quantos são vossos filhos e particularmente para nós, que nos consagramos inteiramente ao Vosso Coração Imaculado, seja-nos ele o refúgio nas angústias e tentações da vida e o caminho que nos conduza até Deus. Assim seja.

Eis as promessas:

1 Porei a paz em suas famílias.

2 Serão iluminados sobre os Divinos Mistérios.

3 Consolá-los-ei em suas penas e acompanhá-los-ei em suas aflições.

4 Conceder-lhes-ei tudo o que me pedirem, contanto que não se oponha à vontade adorável do Meu Divino Filho e à santificação das suas almas.

5 Defendê-los-ei nos combates espirituais contra o inimigo infernal e protegê-los-ei em todos os instantes da vida.

6 Assistir-lhes-ei visivelmente no momento da morte e verão o Rosto de Sua Mãe Santíssima.

7 Obtive de meu Filho para os que propagarem esta devoção (às minhas Lágrimas e Dores) sejam transladados desta vida terrena à felicidade eterna, diretamente, pois ser-lhes-ão apagados todos os seus pecados e o meu Filho e eu seremos a sua eterna consolação e alegria. Pelo sinal da santa cruz… Abri, Senhor, meus lábios. E a minha boca pronunciará o Vosso louvor. Meu Deus, em meu favor e amparo atende. E dos meus inimigos defende. Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo. Pelos séculos dos séculos. Amém.

Preparação

Virgem dolorosíssima, seríamos ingratos se não nos esforçássemos para promover a memória e o culto de Vossas Dores e Lágrimas, particulares graças para uma sincera penitência, oportunos auxílios e socorros em todas as necessidades e perigos. Alcançai-nos Senhora, de Vosso Divino Filho, pelos méritos de Vossas Dores e Lágrimas, a graça Virgem sem mácula, Mãe de piedade, cheia de aflição e de amargura; com toda a humildade de meu coração eu vos suplico que ilustreis o meu entendimento e acendais minha vontade, para que com espírito fervoroso e compassivo contemple as dores que se propõem nesta Santa Coroa, e possa conseguir as graças e favores prometidos, aos que se ocupam neste santo exercício. Amém.

Primeira dor

Compadeço-me de Vós, Senhora, pela dor que padecestes com a profecia de Simeão, quando vos disse que Vosso coração seria o alvo da paixão de vossas dores, obrigando-vos em memória desta dor, com: um Pai Nosso, sete Ave Marias e um Glória ao Pai.

Segunda dor

Compadeço-me, Senhora, de Vós, pela dor que sofrestes no desterro ao Egito, pobre e necessitada naquela longa viagem. Fazei, Senhora, que eu seja livre das perseguições de meus inimigos: obrigando-vos em memória desta dor, com: um Pai Nosso, sete Ave Marias e um Glória ao Pai.

Terceira dor

Compadeço-me de Vós, Senhora, pela dor que padecestes, com a perda de vosso Filho em Jerusalém por três dias. Concedei-me lágrimas de verdadeira dor para chorar minhas culpas, pelas vezes que perdi a meu Deus, e que o ache para sempre: obrigando-vos em memória desta dor, com: um Pai Nosso, sete Ave Marias e um Glória ao Pai.

Quarta dor

Compadeço-me de Vós, Senhora, pela dor que padecestes vendo Vosso Filho com a cruz sobre seus ombros, caminhando para o Calvário entre escárneos, baldões e quedas. Fazei, Senhora, que leve com paciência a cruz da mortificação e dos trabalhos: obrigando-vos em memória desta dor, com: um Pai Nosso, sete Ave Marias e um Glória ao Pai.

Quinta dor

Compadeço-me de Vós, Senhora, pela dor que padecestes vendo morrer Vosso Filho, pregado numa cruz entre dois ladrões. Fazei, Senhora, que viva crucificado a meus vícios e paixões: obrigando-vos em memória desta dor, com: um Pai Nosso, sete Ave Marias e um Glória ao Pai.

Sexta dor

Compadeço-me de Vós, Senhora, pela dor que padecestes ao receberdes em vossos braços aquele Santíssimo Corpo de Jesus, exangue por tantas chagas e feridas. Fazei, Senhora, que meu coração viva ferido do amor divino, e morto a todo amor profano: obrigando-vos Em memória e reverência das lágrimas que choraram vossos puríssimos olhos na vida, paixão e morte de vosso Filho, eu vos ofereço, três Ave Marias.

Sétima dor

Compadeço-me de Vós, Senhora, pela dor que padecestes em vossa soledade, depois de sepultado vosso Filho. Fazei, Senhora, que eu fique sepultado para tudo o que é terreno e viva só para Deus e para Vós: obrigando-vos… Em memória e reverencia das lágrimas que choraram vossos puríssimos olhos na vida, paixão e morte de vosso Filho, eu vos ofereço três Ave Marias.

Oração

Dai´nos, Senhora, compreender o oceano de angústias que fizeram de Vós a Mãe das Dores, para que possamos participar de Vossos sofrimentos e Vos consolemos pelo nosso amor e nossa fidelidade. Choramos convosco, ó Rainha dos Mártires, na esperança de ter a felicidade de um dia nos alegrarmos convosco no Céu. Amém.

Trecho do livro:

cpa_oracoes_todos_tempos_5ed

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.