Deus Pai, terno e amoroso

Deus.Pai_Antes que o mundo existisse, Deus já nos amava. São Paulo disse que o Senhor “nos escolheu em Cristo antes da criação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis, diante de seus olhos” (Ef 1,4).

Para expressar esse amor imenso de Deus, o rei Davi chegou a dizer: “Se meu pai e minha mãe me abandonarem, o Senhor me acolherá” (Si 26,10). O profeta Isaías disse: “Pode uma mu­lher esquecer-se daquele que amamenta? Não ter ternura pelo fruto de suas entranhas? E mesmo que ela o esquecesse, eu não te esqueceria nunca” (Is 49,15).

Deus nos deu tudo: a vida, o ser, o mundo material com todas as suas belezas e riquezas, e nos deu, mais ainda, o Seu Filho Único para sofrer e morrer pela nossa salvação. O que mais poderíamos pedir a Deus? Nada. Resta-nos agradecer. Mas não apenas com palavras e orações, mas com o comprometimento de toda a nossa existência no Seu projeto de reunir de novo todos os homens em Jesus Cristo, pela Igreja.

Cristo veio a nós e deu-nos a maior prova de amor que alguém poderia dar – deu a Sua vida – a fim de que pudéssemos voltar para a Casa do Pai, onde a felicidade é eterna.

A descoberta do amor que Deus tem por nós é a mola pro­pulsora do nosso caminhar para a perfeição cristã. Ninguém será verdadeiramente religioso, isto é, amará a Deus profunda­mente, enquanto não experimentar o amor de Deus, com o coração e com a mente.

São Francisco de Sales, doutor da Igreja, disse que a per­feição cristã consiste em “amar a Deus de todo o coração”. E isso deve ser exatamente a resposta de cada um ao imenso amor de Deus por nós.

Deus foi o primeiro a nos querer. Ele nos ama desde toda a eternidade. Criou-nos, à Sua “ima­gem e semelhança” (Gn 1,26), com o corpo dotado de sentidos e a alma dotada de potências perfeitas: inteligência, memória, entendimento, vontade, consciência, liberdade.

Bastaria olhar­ a riqueza intrínseca contida em cada criatura para desco­brir perfeitamente o amor de Deus. Somos a própria ima­gem do Criador; o que mais poderíamos desejar? Além disso, Deus criou o céu, a terra e tudo o mais, por amor a cada um de nós. O sol, a lua, as estrelas, as plantas, os animais, os mares, os rios, as montanhas, os elementos químicos, o ai; a água, o ven­to, o fogo… foram criados para nós.

Tudo foi criado e entregue por Deus ao homem, diz o livro do Gênesis: “Que ele reine sobre os peixes do mar; sobre as aves dos céus, sobre os animais domésticos e sobre toda a terra, e sobre todos os répteis” (Gn 1 ,26b).

Deus criou tudo para nós e quer que O amemos em grati­dão por tantos dons. Santo Agostinho dizia: “Senhor meu, to­das as coisas que vejo na terra e acima da terra me falam e me exortam a Vos amar. Todas me dizem que as fizestes por meu amor.”

Santa Teresa, olhando as árvores, as fontes, os regatos e os lagos, dizia: “Todas estas belas criaturas me lembram a mi­nha ingratidão por amar tão pouco o Criador. Criou-as para ser amado por mim.”

Como se tudo isso já não bastasse, Deus foi muito mais além no Seu amor por nós. Para cativar todo o nosso amor; Ele deu-se a nós em todo o Seu ser.

Vendo-nos mortos e privados de Sua graça, por causa do peca­do, o Pai mandou Seu querido Filho para que pagasse os nos­sos pecados na cruz, devolvendo-nos assim a vida que o pecado nos tirou. “Mas Deus, que é rico em misericórdia, pelo excessivo amor com  que nos amou, quando estávamos mortos por nossos pecados, nos vivificou juntamente com Cristo” (Ef 2,5).

Em Cristo, Deus Pai nos deu tudo: Sua graça, Seu amor, o céu!

“Aquele que não poupou seu próprio Filho, mas que por todos nós o entregou, como não nos dará também com ele todas as coisas?” (Rm 8,32). “Amou-nos e entregou-se a si mesmo por nós” (Gl 2,20).

O amor de Deus se mostra em pleno sol… Floresce o jardim, dá a vida ao beija flor, brinca no mar, as nuvens põe no céu pra me dizer que grande é Teu valor! O amor de Deus vem antes… E depois. E vai além…

Prof. Felipe Aquino

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.