Descrição do manto de Nossa Senhora de Guadalupe

Nossa Senhora de Guadalupe_01INTRODUÇÃO – As nações indígenas da América (maias, astecas e outros) se comunicavam com imagens e sinais codificados que unificaram suas línguas.

O Ayate (Tilma de Juan Diego) – Foi fabricado de “Ixtle” – fibra de maguey, e mede 1,68 x 1.05 e sua textura aberta é a mais inadequada para uma pintura. Além disso a sagrada imagem esteve sem proteção de um vidro por mais de 116 anos; são poucas as deteriorizações que sofreu. Do ayate de S. Juan Diego nasce um novo povo; unido por nossa Patrona Santa Maria de Guadalupe.

Importância da data da aparição – No ano de 1531, ano da aparição de Na. Sa. de Guadalupe, chamado em Náhuatl (língua indígena) “Ano Matlactli ihuan yei Actl” que quer dizer “Ano 13 carrizo” que vai de 2 de fevereiro de 1531 a 1 de fevereiro de 1532 é um anos especial. E em 1531 aconteceu a conjugação de Vênus – Quetzalcóatl tendia à plenitude da trezena de dias e a trezena de anos; para o Tenochca o número 13 é o numero perfeito, cheio de plenitude; é o nascimento do Sol.

A pintura – O erudito alemão Richard Kuhn em 1938, a pedido do Dr. Ernesto Sodi Paliares, descobriu que a pintura não tem corantes de tipo mineral, vegetal ou animal e que no século XVI não se conheciam os corantes sintéticos. “Surpreendente”. “Na tilma do pobre Juan Diego… pincéis que não são deste mundo deixaram pintada uma imagem dulcíssima”, descreveu o papa Pio XII.

Cabelos da Virgem – É de cabelo solto com uma divisão ao meio, que assim usavam as moças virgens, já que as indígenas casadas o usavam com duas tranças entrelaçadas dos dois lados.

Olhos da Virgem – Por meios científicos de uso de técnicas mais modernas de computação digital o Dr. J. Aste Tonsman descobriu a presença de 13 pessoas em ambas as córneas dos olhos da Virgem. O pequeno diâmetro das córneas e o material rústico do ayate tornam impossível de pintar esses detalhes com as mãos do homem.

O Rosto da Virgem – Seu rosto não é espanhol nem indígena, mas mestiço, de uma jovem ao redor dos 16 anos; é uma nobre profecia sobre a fusão de duas raças; em 1531 não havia jovens mestiças dessa idade. Entre os indígenas olhar de frente era ofensa, por isso ela não nos está olhando de frente, mas com a cabeça inclinada, que significa em náhuatl “itla toloa” e nos diz que não somos seus escravos, que sempre está pensando em nós e nos ama.

Raios – Há uma aura luminosa que rodeia a Virgem , como se saísse do seu ventre. Raios de Sol anunciando a chegada de Jesus Cristo, o Filho de Deus. Para os Tenochcas o “ollin Tonatiuh” (Sol em movimento) e a Virgem o irradia para o bem de todo a Criação. Os raios em forma de flecha se relacionam com a elevação espiritual. E os ondulados com Quetzalcóatl (serpente) raios de Vênus.

Boca – A boca da Santíssima Virgem se acha pintada sobre um defeito do ayate, mas é anatomicamente perfeita. É pequena e parece começar um leve sorriso.

As mãos da Virgem – Com as mãos juntas a Virgem está em constante oração. Acredita-se que está fazendo uma casinha, referencia a “Sua casinha sagrada de Tepeyac”, a fundação de uma nova nação, a fusão de duas culturas.

Cintos – vestimento de uma mulher nobre – A faixa negra na cintura é sinal de gravidez que as mulheres indígenas usavam acima da cintura. O cinto terminado em ângulo e caindo para frente tem referencia com o pensar Tenochca, de cingir-se assim os deuses e deusas. E é um símbolo de fim de ciclo.

Tepet e tepétis – Significam forma de falar e de cantar como aparece nos códices e significa que está dando uma mensagem universal para a humanidade.

O Oval – No peito se encontra um oval que é idêntico ao das estátuas dos deuses que portam sobre o peito, como sua própria alma que lhes dá a vida, no meio há uma cruz negra. Esta cruz recordaria o Nahuiollin o quarto movimento que produz o sol, máxima energia dos Anahuacans.

Flor de 4 pétalas – Para as culturas indígenas esta flor na altura do vente indica : os 4 pontos cardeais, as 4 estações do ano, 4 épocas passadas, esperando o Regresso de Quetzalcoatl, o quinto sol em plenitude (ano 13 Acatl, conjunção de Vênus), que coincide com o solstício de inverno de 1531. Também viram nesta flor o símbolo o símbolo de Omeyocan (a morada de Deus. Pai e Mãe) e que assinalava para o indígena que a Virgem trazia consigo o nascimento de Cristo. Mãe do menino Sol, que o traz para que nasça aqui. Tudo era altamente simbólico no contexto da Sagrada imagem , por isso sua alegria não teve limites ao constata-lo através da maravilhosa proclamação inculturante do Acontecimento Guadalupeano.

Flor de 8 pétalas – Há flores de 8 pétalas que são oito conjunções do Sol e Vênus, que coincidiam a cada 104 anos solares que equivalem a 65 anos de Vênus. O ano sagrado de 260 dias, o ano solar de 365 dias e o ano de Vênus de 584, os três calendários coincidiram com a chegada da Virgem de Guadalupe e com esta data de 12 de dezembro de 1531 o homem e o universo se encontravam para começar de novo.

O manto da Virgem de cor azul esverdeado – O azul do manto adornado de estrelas, representa o céu. Tem 46 estrelas de oito pontas em u. Cientificamente as estrelas do manto estão na posição como estava o firmamento em 12 de dezembro de 1531segundo o programa de computação “Distant Suns”. Coincide com o nascimento do Sol, o regresso de Quetzalcátl.

Túnica da Virgem – A túnica é de cor roxo rosado, e representaria a terra. Contem figuras em cor de ouro, que é o metal divino, é uma mensagem divina com flores; entre elas há nove arranjos com flores, que podem significar os 9 povos que saem de Aztlan para fundar a grande Tenochtitlan, segundo narra o códige de 1576.

A Lua – A Virgem está de pé dando um passo sobre a Lua, toda ela é um Sol, e que dançando fertiliza e produz a vida com as diferentes estações. A Lua se refere ao nome de “éxico-Tenochtitlan”, e com uma nobreza que não é escravizante, nos dá o apoio do sexto Sol ao povo do México.

Significado em Náhuatl de México: O umbigo da Lua

Sapatilha – A sapatilha direita da Virgem aparece sua ponta sobre a Lua, é de uma cor similar ao da túnica.

O significado de Guadalupe – Possível etimologia do significado Tié-Cuauh-tiacup-euh = A que vem do Oriente como o Sol. Ou a que procede da região da luz, como a “Aguia de Fogo”.

O pequeno Anjo – O pequeno anjo que aparece aos pés da Virgem poderia ser um guerreiro-águila (Cuauhtli-Ocelotl) que pertence ao Exército do Sol, e representa o povo do Sol, tem asas de águia ; simbolo do fundador da Grande Tenochtitlan (a águia devorando uma serpente). Ele tem as mãos para cima como os indígenas representavam os deuses; com uma mão segura o manto e com a outra a túnica, com isto comunica a terra com o céu e é o simbolo de São Juan Diego Cuauhtlatoatzin (o senhor que fala como a águia). “O homem fiel e verdadeiro” que nos ensina o caminho que leva á Virgem Morena do Tepeyac”, palavras do Papa João Paulo II. As cores de sua plumagem e túnica são cores semelhantes das vestes da Virgem.

Cabelos do Anjo – Uma das características dos “macehuales” (gente do povo) era cortar os cabelos; isso significava “ser merecido pelo sangue de Deus”. Os batizados usavam então essa marca e os de ordens religiosas eram tonsurados. Para diferenciar as diferentes classes sociais os indígenas rasuravam a cabeça com diferentes estilos. A iluminação do Anjo vem diretamente do corpo da Virgem Maria e ilumina a parte superior de sua cabeça e braços.

As nuvens – Para os Tenochcas, as nuvens que rodeiam a imagem, as associam com a altura, a elevação do espírito e anunciam o divino. “A chegada da Nova Era” em que Ometéotl desce ao México , de onde “O Verbo se fez carne e habitou entre nós”, efetivamente a chegada de Jesus Cristo Filho de Deus.

Adornos da Túnica – Os desenhos dos adornos florais nascem do manto da Virgem, que significaria o Céu, como pintam os tenochcas e significa um Rio que sulca os campos para rega-los e produzir alimentos e dar a vida. As folhas e flores que saem do desenho são o símbolo do fogo novo Atl-Tlachinolli “Água queimada”, uma das metáforas da guerra. Este símbolo assume todo um passado, porque ali surge um povo novo, guiado por Maria que é a mãe de Ometeótl, triunfadora da guerra que não destrói. O desenho tem uma flor em botão , que significa a insistência da mensagem e remata com uma grande folha em forma de Tepétl. A túnica tem cinco classes de flores:

1 – de quatro pétalas, que é a mais importante e que representa o Menino Sol.

2 – 8 flores de 8 pétalas que representa a conjunção do Sol e Vênus.

3 – Flores em botão.

4 – Flores que estão nascendo nas bordas dos Tepétls.

5 – Flores que representam a Vênus.

Fonte: Códige Guadalupano – Mensagem para duas culturas

Publicado no Periódico “El ayate Guadalupano”

Diretor Geral: Mons. Diego Monroy Pouce

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.