Décimo Mandamento: ”Não cobiçar”

“Não cobiçarás coisa alguma que pertença a teu próximo (Ex 20,17). “Tu não desejarás para ti a casa de teu próximo, nem seu campo, nem seu escravo, nem sua escrava, nem seu boi, nem seu jumento, qualquer coisa que pertença a teu próximo” (Dt 5,21).

O Décimo Mandamento é como que um complemento do  nono, que se refere à concupiscência da carne. Ele proíbe a cobiça dos bens dos outros, que é a causa de roubos, corrupção,  fraudes, discórdias, brigas e até mortes.

Jesus disse que “onde está o teu tesouro, aí estará também teu coração’ (Mt 6,21). Se o teu tesouro são os bens materiais, pode ser que você só pense nisso, só fale nisso e só viva em função disso. Muitos infelizmente são assim; por isso o Décimo Mandamento proíbe a ambição desregrada, nascida da paixão imoderada das riquezas e de seu poder. Isto gera a inveja que é um dos piores “pecados capitais”. A inveja é a tristeza sentida diante do bem do outro e o dejo imoderado de dele se apropriar. O cristão deve combater a inveja pela benevolência, pela humildade e pelo abandono nas mãos da Providência divinadesejo.

A inveja pode levar às piores ações. E pela inveja do demônio que a morte entrou no mundo (Sab 2,24). Santo Agostinho via na inveja “o pecado diabólico por excelência”. “Da inveja nascem o ódio, a maledicência, a calúnia, a alegria causada pela desgraça do próximo e o desprazer causado por sua prosperidade.”

A “concupiscência dos olhos” (1 Jo 2,16) leva à violência e à injustiça, proibidas pelo quinto Mandamento. Os cristãos  “crucificaram a carne com suas paixões e concupiscências” (Gl 5,24); são conduzidos pelo Espírito e seguem os desejos dele.

O décimo mandamento proíbe a sede imoderada das riquezas e de seu poder. Proíbe ainda o desejo de cometer uma injustiça pela qual se prejudicaria o próximo em seus bens temporais.

Quando o Mandamento  nos diz: “Não cobiçarás”, ordena-nos, em outros termos, que afastemos nossos desejos de tudo aquilo que não nos pertence. “Quem ama o dinheiro nunca se fartará, e aquele que ama a riqueza não tira dela proveito” (Ecl 5,9).

Não desrespeita o Mandamento quem deseja obter coisas que pertencem ao próximo, contanto que seja por meios justos. É contra o

Mandamento os comerciantes que desejam a carestia ou os preços altos das mercadorias, que veem com pesar que não são os únicos a comprar e a vender, o que lhes permitiria vender mais caro e comprar ao preço mínimo; os que desejam que seus semelhantes fiquem na miséria, para tirarem lucro, quer vendendo para eles, quer comprando deles (…). Os médicos que desejam que haja doentes, e atitudes exploradoras do outro.

Prof. Felipe Aquino

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.