Consolação e Perturbações

Rosario-Este texto é um trecho extraído do livro “O Breviário da Confiança”, de Mons. Ascânio Brandão. Este Breviário é uma dessas obras de espiritualidade que nunca perdem seu valor; excelente para aquele que deseja viver conforme a vontade de Deus e se conformar a ela. Sobretudo ensina às almas a confiança na Misericórdia Infinita de Jesus. Este sacerdote, que morreu com fama de santidade, dizia que nesta obra as pessoas irão encontrar : “Uma palavrinha amiga para cada dia, uma gota de bálsamo para as feridas que a vida nos vai abrindo também cada dia no pobre coração”.

É uma meditação para cada dia do ano. Vejamos a meditação de hoje:

16 DE AGOSTO

CONSOLAÇÃO E PERTURBAÇÕES

(Imitação – c. IX – Livro II)

Quando Deus te der alguma consolação espiritual, receba-a agradecido, reconhecendo que é dom de Deus e não merecimento teu. Com ela não te desvaneças nem te alegres em excesso, nem presumas vãmente de ti, mas humilha-te pelo dom recebido e sê mais acautelado e timorato em todas as tuas obras, porque passará aquela hora de alegria e virá a tentação. Quando te for tirada a consolação, não desesperes logo, mas espera com humildade e paciência que volte esta alegria celeste, porque todo poderoso é Deus para dá-la de novo e ainda maior que a precedente. Isto não é novo nem estranho para os que têm experiência dos caminhos do Senhor. Os grandes santos e os antigos profetas experimentaram muitas vezes esta alternativa de paz e de perturbação. Um deles, David, sentindo a presença da graça, exclamava: – “Disse na minha abundância: não serei abatido jamais”. Porém, vendo que a graça se ausentava dele, acrescentava: – “Apartastes de mim o vosso rosto e para logo fui conturbado”. Nesta perturbação, porém, não desesperes, antes, com maior instância, roga ao Senhor, dizendo: – “A Vós, Senhor, clamarei e ao meu Deus invocarei”. Por fim, alcança o fruto da sua oração e dá testemunho de ter sido ouvido, dizendo: –  “Ouviu-me o Senhor e teve compaixão de mim, o Senhor declarou-se meu protetor”. Mas em quê “Convertestes, diz, o meu pranto em gozo e cercastes-me de alegria”. Ora, se Deus assim faz com os grandes santos, nós, fracos e pobres, não devemos desconfiar por nos sentirmos já fervorosos, já tíbios, porque o espírito de Deus vem e retira-se segundo lhe apraz? Por isso disse o bem-aventurado Jó: –  “Visitais o homem pela manhã e logo o provais”. Em quem posso eu esperar ou em quem devo pôr minha confiança senão na infinita misericórdia de Deus e na esperança da graça celestial? Não encontrei nunca um homem tão devoto que alguma vez se não visse privado da consolação Divina ou não sentisse diminuição de fervor. Nenhum santo foi tão altamente arrebatado e da luz divina esclarecido, que antes ou depois, não fosse tentado. Não é, pois, digno da alta contemplação de Deus quem por Ele não sofreu alguma tribulação.

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.