Conselho Pontifício para a Família: ”Matrimônio” de Homossexuais

Aquilino Polaino-Lorente

Catedrático de psicopatologia na Universidade Complutense de Madri. Doutor em medicina, laureado em psicologia e filosofia. Estudos nas universidades de Madri, Colônia, Heidelbert, Munique, Georgetown (EUA). Autor de mais de cinqüenta livros e monografias e mais de trezentos artigos em publicações nacionais e internacionais.

[Resumo]

Passamos, com uma rapidez surpreendente, de uma reivindicação a outra, por parte dos grupos homossexuais. A intensificação foi bem orquestrada e parece não se embater senão contra uma vaga oposição, que teme ser taxada de “homofobismo” e, por isso mesmo, destinada a ser alvo de ataques. Após sua ruptura com a psicanálise e com os psicanalistas, depois da Segunda Guerra Mundial, os grupos homossexuais não mais cessaram de proclamar de modo frequentemente desproporcional se não mesmo agressivo, Sua “normalidade”. Neste exercício de autojustificação, a exigência do “não-desgaste” e dos “direitos à homossexualidade” assumiu rapidamente forma de uma exigência de legitimação civil. Por isso, a proposta de “contratos” ou de “pactos” tornou-se um cavalo de batalha dos grupos homossexuais.
Chegamos hoje à exigência de um “matrimônio” homossexual, para o qual seriam concedidos os mesmos direitos do verdadeiro matrimônio. Recentemente, alguns países incluíram na sua legislação um “matrimônio” desse tipo. Agora, alguns “casais” homossexuais reclamam o direito de adotar crianças. A própria ideia de um “matrimônio” homossexual é uma mistificação que contradiz a própria essência do matrimônio.
Numa época em que a proteção da instituição familiar deveria estar em primeiro lugar nas preocupações dos governos dos países ricos, pressionados pelo inverno demográfico e pela crescente criminalidade dos jovens nascidos de famílias separadas e de “famílias” reconstruídas, a proposta de um “matrimônio” homossexual e o fato que ela seja levada a sério pelos governantes demonstra uma profunda desordem nas mentes desses países.

(Discriminação da mulher e CEDAW; Homossexualidade e homofobia; Identidade e diferença sexual; Igualdade de direitos entre homens e mulheres; Uniões de fato). 

___________________________
Leia o texto integral, entre outros, em Lexicon: termos ambíguos e discutidos sobre família, vida e questões éticas,  Pontifício Conselho para a Família, Edições CNBB.

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.