Conselho Pontifício para a Família: Interrupção voluntária da gravidez

Carlo Casine

Magistrado conselheiro da Corte Suprema de Cassação Italiana. Docente no Pontifício Ateneo Regina Apostolorum, Roma. Foi membro do Parlamento italiano e do Parlamento Europeu. Membro do Comitê nacional de bioética italiano da Pontifícia Academia para a Vida. Numerosas publicações.

[Resumo]

O respeito à vida humana é um preceito fundamental de todas as grandes tradições morais da humanidade. Privar a criança da proteção legal vai contra a aspiração universal à salva-guarda dos direitos fundamentais de cada ser humano. Uma norma que legaliza o aborto está em contradição com este patrimônio moral e legal e, assim, para fazê-Ia passar, é necessário recorrer à antilinguagem. A “interrupção voluntária da gravidez” é um dos eufemismos mais devastadores propagados pelos promotores do aborto. Implica, ademais, uma evidente mentira: normalmente o verbo interromper se refere a uma parada temporária, à suspensão de um processo iniciado e que pode ser restabelecido. Fala-se de interrupção do fluxo elétrico, de interrupção de um jogo por causa de um acidente. Na expressão citada, a gravidez não é interrompida mas terminada; põe-se fim à vida da criança.
 
(Dignidade do embrião humano; Direito ao aborto; Interrupção médica da gravidez; Maternidade sem riscos; “Partial birth abortion”; Procriação assistida e FIVET; Status jurídico do embrião humano; Vida e escolha livre: “pro choice”).

___________________________
Leia o texto integral, entre outros, em Lexicon: termos ambíguos e discutidos sobre família, vida e questões éticas,  Pontifício Conselho para a Família, Edições CNBB.

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.