Conselho Pontifício para a Família: Familia Tradicional

Sérgio Balardinelli

Professor de sociologia dos processos culturais na Faculdade de Ciências Políticas da Universidade de Bolonha e em várias universidades italianas e de outros países. Foi bolsista na Alexander Von Humboldt Stiffung da Universidade de Munique. Numerosas publicações.

[Resumo]

A expressão “família tradicional” é hoje frequentemente utilizada em contextos onde se quer aprovar diversas formas de união, particularmente a união homossexual. Na verdade, a expressão enuncia antes um pleonasmo, já que, segundo afirmam os antropólogos mais autorizados, a instituição familiar fundada no matrimônio monogâmico e heterossexual é atestada em todas as sociedades humanas. Na verdade, os modelos de organização da família apresentam uma real diversidade, mas, para além de tal diversidade, encontramos um núcleo constante: a família se reduz sempre à união estável de um homem e de uma mulher que se amam e projetam transmitir a vida. O termo família é, portanto, unívoco, isto é, tem um só significado aceitável, já que reenvia a uma instituição natural atestada universalmente, antes e fora do cristianismo. Tal instituição parece estar hoje em debate: a família dependeria de um paradigma ultrapassado, de um saber pertencente a uma outra época. Seria, talvez, uma curiosidade histórica ou um produto cultural destinado a ser superado. A expressão “família tradicional” deve, pois, ser usada com sutileza, já que colabora a desvalorizar a instituição natural que pretende designar.  Com um transfert semântico enganoso, esta expressão pode ser aproveitada para beneficiar outros tipos de união, cujo estatuto deve continuar a ser reservado à família, que é monogâmica e heterossexual.

(Família ampliada; Família ou personalismo; família monoparental; Família reconstruída: Maternidade e feminismo; Novos modelos de família; Patriarcado e matriarcado)

__________________________
Leia o texto integral, entre outros, em Lexicon: termos ambíguos e discutidos sobre família, vida e questões éticas,  Pontifício Conselho para a Família, Edições CNBB.

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.