Como praticar a Devoção à Divina Misericórdia?

O Papa João Paulo II, em 17 de agosto de 2002, visitou o Santuário da Divina Misericórdia, em Cracóvia, na Polônia. Na ocasião, ele realizou o Ato Solene de entrega do destino do mundo à Divina Misericórdia. Em sua homilia o Pontífice Romano ressalta a ideia de que a misericórdia Divina é o “atributo máximo de Deus onipotente”, e reafirma, usando as palavras da Santa, que a Misericórdia Divina, é “a doce esperança para o homem pecador”. (Diário, 951)

A oferta de vida de Santa Faustina em suas dores, associada à paixão de Nosso Senhor, fonte inesgotável de amor e misericórdia, tinha um tríplice objetivo, a saber: que a obra de misericórdia se difundisse por todo o mundo e sua festa fosse aprovada e comemorada; para que os pecadores pudessem recorrer à misericórdia e experimentar seus inefáveis efeitos, e para que toda a obra de misericórdia fosse executada de acordo com o desejo do próprio Senhor.

Leia também: Abra-se à Misericórdia!

A verdadeira história da imagem da Divina Misericórdia

Como obter indulgência plenária no Domingo da Divina Misericórdia?

10 coisas que deve saber sobre o Domingo da Divina Misericórdia

Jesus misericordioso, eu confio em Vós!

O Domingo da Divina Misericórdia

A Hora da Divina Misericórdia

Estas são algumas sugestões para por em prática a sua devoção à Divina Misericórdia:

1. Aceitar e colocar em prática os diversos pontos da mensagem de Jesus à Irmã Faustina.

2. Venerar em sua casa a imagem de Jesus Misericordioso e, em tempo de aflição ou dificuldade, pedir auxílio a Jesus, Rei de Misericórdia, com inteira confiança.

3. Viver no esplendor da misericórdia de Jesus, isto é, tratar de viver com a consciência pura e esforçar-se para atingir a perfeição cristã.

4. Frequentar os Sacramentos, para melhor participar do amor misericordioso de Deus.

5. Imitar a misericórdia de Deus, praticando as obras de misericórdia, espirituais e corporais; particularmente, pedir pela conversão dos pecadores e prestar auxílio, apoio e consolação a todos os pobres, infelizes, doentes e moribundos, e sufragar as almas do Purgatório.

6. Quando for possível, recitar diariamente o Terço da Misericórdia às três horas da tarde e fazer uma pequena meditação da Paixão de Jesus, em honra à misericórdia de Deus e pelas necessidades do mundo.

7. Na medida do possível, tomar-se apóstolo da misericórdia de Deus, testemunhando-a por uma profunda fé, que estimule e desperte nos outros grande confiança em Deus.

Retirado do livro: “Devocionário à Divina Misericórdia”. Ed. Canção Nova.

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.