Caridade, hoje

Bispos, padres, religiosos(as) e leigos(as) representantes das 21 Dioceses da PB, RN, PE e AL, que compõem o Regional NE2, reuniram-se em assembleia anual, em Lagoa Seca (PB), de 2 a 4 de setembro, para refletir sobre as três maiores incumbências da Igreja: pregar a Palavra de Deus, celebrar os Sacramentos, servir os filhos de Deus praticando a caridade, fruto da fé madura, consciente, operosa em atividades de inclusão social. A atitude fundamental de Jesus foi evangelizar os pobres (Lc 4, 16s), hoje traduzida em atividades de defesa e promoção da vida e dignidade humana. Importa criar condições tais que as pessoas empobrecidas aprendam um ofício, obtenham renda, conquistem melhores oportunidades de trabalho digno.

Na missão de Jesus ocupa lugar privilegiado o pobre, pecador e marginalizado. Por amor a Deus e aos semelhantes os cristãos são convocados a fazer o mesmo. O amor de Cristo nos impele à atitude gratuita e generosa, indo ao encontro dos mais necessitados. Situações de carência, abandono e marginalidade clamam aos céus por soluções que passam pela responsabilidade dos governantes. Adolescentes, jovens, crianças, tornam-se usuários de drogas, sem perspectiva de estudo, trabalho e um futuro garantido. Muitas famílias desestruturam-se. O sistema de educação e saúde pública é insuficiente para gerar conhecimento e habilidades. A sociedade de consumo impõe-se ao ser humano que, cada vez mais, perde valor sendo substituído por coisas exteriores.

O humanismo cristão mostra-nos que a superação das situações de exclusão social exige capacitação para enfrentar novas gerações; o fortalecimento dos vínculos familiares resgatando a dignidade da vida; medidas oportunas de inclusão com justiça social. Sobretudo para a juventude, as soluções estruturantes exigem a implantação de escolas em regime integral e escolas profissionalizantes. A busca da Igreja por respostas operosas, condizentes com sua missão evangelizadora, entretanto, remete ao Estado e aos órgãos competentes o cumprimento dos seus respectivos deveres. É necessário somar e articular atividades exitosas, não obstante as falhas e limitações inerentes a todos. De fundamental importância é a formação de novas lideranças, fortalecendo o compromisso cristão na fidelidade ao que o Espírito de Deus nos inspirar.

***
Dom Aldo Pagotto
Arcebispo Metropolitano da Paraíba – PB

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.