Carícias Matrimoniais

 No ato sexual, o casal deve participar a dois; e um ajudar o outro a atingir o orgasmo juntos; isto é o ideal. E, para isto, é necessário que haja preparação, o chamado prelúdio sexual; que é muito importante, sobretudo para a mulher.

Se a mulher aceita e gosta, e a ajuda na preparação, as carícias não são pecado, mesmo na região genital. Não pode haver violência e nem constrangimento para a esposa; ela deve ser respeitada; por outro lado, o ato sexual não deve ser realizado de outra forma que não através da vagina. O sexo oral ou anal, como consumação do ato sexual não é natural, e por isso não é moral.

A Igreja não fala  claro neste particular; então, temos que nos guiar pelo bom senso, e pela norma moral que rejeita o que não é natural.

 

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.