Cardeal Tauran: não existe cristianismo sem cruz

Missa em sufrágio pelo ministro paquistanês Shahbaz Bhatti

ROMA, quarta-feira, 9 de março de 2011 (ZENIT.org) – “Não existe cristianismo sem cruz” e esta é, por sua vez, sede da “autêntica esperança”, disse o cardeal Jean-Louis Tauran, presidente do Conselho Pontifício para o Diálogo Inter-Religioso, no domingo passado, ao presidir uma Missa em sufrágio por Shahbaz Bhatti, o ministro paquistanês assassinado em 2 de março.

“A cruz nos leva a dar a vida pelos irmãos”, recordou o cardeal, na homilia da celebração realizada no Colégio Pontifício de São Pedro Apóstolo, de Roma. “Ela nos lembra que o amor é mais forte que o ódio”, “ajuda-nos a compreender melhor que há mais alegria em dar do que em receber”.

“A cruz significa que Deus é sempre maior do que nós, os homens, e, sobretudo, que a vida é mais forte que a morte”, acrescentou.

Em Jesus crucificado, prosseguiu o cardeal, “descobrimos também um pouco da imensidão do amor divino que redime. A cruz nos revela o rosto misericordioso de Cristo, que sempre nos abre o caminho da esperança”.

Testemunha exemplar

“Ser um cristão é fazer sempre uma escolha – recordou: entre a luz e a escuridão, entre a fé e a lei, entre a vida e a morte, entre o Deus revelado por Jesus e a sabedoria humana, entre servir e dominar.”

Para o cardeal, “a vida luminosa de Shahbaz Bhatti” é um exemplo: “ele escolheu Cristo como salvador, a Igreja como mãe, cada ser humano como irmão. Foi coerente até o final. Sua vida foi e será sempre uma vida imolada, um sacrifício oferecido a Deus”.

“Já que, desde criança e como homem, Shahbaz deixou que Jesus crucificasse seu olhar e abrisse seu coração, ele não teve medo algum, inclusive teve a coragem de servir seus irmãos cristãos e não-cristãos, seu país, oferecer seus serviços à Igreja, arriscando sua própria vida.”

“Agradeçamos a Deus por ter colocado em nosso caminho este autêntico ‘mártir’, ou seja, ‘testemunha’ da fé cristã, que soube ‘dizer’ e ‘fazer’.”

“Não existe cristianismo sem a cruz”, recordou o cardeal Tauran.

“A mensagem do Evangelho sempre incomodará. Mas o amor dos cristãos por todos será sempre conforto, luz e solidariedade em meio à violência”, disse ele.

“Não faltarão jamais cristãos capazes de portar a luz do Evangelho em sua pessoa, sem destruí-lo, mas purificando-o.”

O purpurado recordou as duas Missas celebradas em Islamabade e Lahore, em novembro passado: “No domingo, 28 de novembro, o ministro Bhatti me recebeu no aeroporto de Lahore e me disse: ‘Eu sei que vou ser assassinado. Ofereço a minha vida por Cristo e pelo diálogo inter-religioso'”, confessou.

“No fundo – concluiu ele -, o pecado, o mistério do mal que parece dominar o cenário mundial, tem, talvez, simplesmente a função de dar a Deus a alegria de perdoar, e nos exorta a ser, nos caminhos da vida, em que Jesus vai à nossa frente, anunciadores da sua presença, certos de que agora recebemos a reconciliação, para sermos também conciliadores dos homens com Deus, por meio da cruz.”

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.