Cardeal Ouellet: É preocupante a perseguição contra os cristãos

MONTEVIDÉU, 20 Mai. 11 (ACI) .- O Prefeito da Congregação para os Bispos, Cardeal Marc Ouellet, expressou sua preocupação pela perseguição contra os cristãos no mundo, especialmente no Oriente Médio, pois “nunca houve tantos mártires cristãos”.

“É assombrosa a quantidade de religiosos, bispos, sacerdotes que são assassinados ao longo de seus ministérios, isso é muito preocupante”, disse o Cardeal ao jornal uruguaio El Pais esta segunda-feira.

Nesse sentido, o prelado indicou que no Oriente Médio a situação “é muito difícil. As condições de guerra fazem que os cristãos fujam, notamos com muita preocupação que o Meio Oriente vai se esvaziando de cristãos. Isso não é um progresso nem mesmo para a cultura local, o cristianismo é uma força de paz e esperança”.

O também Presidente da Pontifícia Comissão para a América Latina se expressou contra as guerras porque não ajudam às relações geopolíticas “e a relação entre o ocidente e o mundo islâmico”.

“Qualquer guerra faz que o mundo islâmico satanize o ocidente como se fosse seu inimigo. As ações de terrorismo levam a identificar uma religião com o terrorismo o que leva a uma simplificação que deverá ser evitada. A religião muçulmana não é terrorista em si mesmo, é uma crença que implica uma relação positiva com Deus. Evidentemente há fanáticos que se aproveitam da religião e fazem terrorismo em seu nome, isso não é religioso, ao contrário é blasfematório”, assinalou.

Nesse sentido, o Cardeal Ouellet se mostrou cético de que a morte da Osama Bin Laden ajude muito na luta contra o terrorismo islâmico, porque o Al Qaeda é uma organização “que deve ter outros chefes”.

“Há lutas para controlar riquezas mundiais, deve-se procurar equilíbrios e justiça. Os chefes de Estado devem estar mais atentos à miséria. Temos o desenvolvimento das tensões dentro do mundo islâmico, isso é grave e não é vantagem para nós. Se estalar uma crise no mundo islâmico é pior para o planeta”, advertiu.

O Cardeal afirmou que não há contradição entre a fé cristã e a ciência, e que todo descobrimento científico é bem-vindo. “Isso não faz retroceder a fé”, indicou.

“No campo da teologia se pode desenvolver conhecimento mas se ao mesmo tempo não cultiva uma relação pessoal com Deus através da oração, os conhecimentos podem não fazer progredir o indivíduo”, explicou.

Finalmente, destacou os aspectos positivos da globalização e afirmou que “a Igreja globaliza desde o começo”, pois “Jesus Cristo é o maior globalizador, é quem dá à humanidade sua unidade”.

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.