Brasília: Milhares de pessoas marcharam pela vida e pela família

marcha_brasilO site ACI informou nesta quinta-feira (06/06/13), nos dias 4 e 5 de junho milhares de brasileiros se reuniram em Brasília-DF, para marchar em protesto aos projetos de leis que propõem a legalização do aborto no país, assim também contra a recente decisão da justiça que autorizou o “matrimônio” homossexual.

Segundo a notícia, quem convocou a manifestação foi o Movimento Nacional da Cidadania pela vida, liderado por membros católicos e evangélicos.

Atualmente, a legislação do nosso país admite o aborto em casos de abuso sexual e de supostos riscos de vida da mãe, nos quais, em ambos os casos devem ser expressamente autorizados por autoridades judiciais.

No entanto, Jaime Ferreira Lopes ,vice-presidente do Movimento Nacional da Cidadania pela Vida, denunciou ante a imprensa, que a norma atual abriu espaço para “enganos” e “cumplicidades” que favorecem os abortistas. Segundo Lopes, a legislação atual no Brasil admite “exageros”, como o caso de que “uma mulher casada, que pode ter sido forçada a ter sexo com seu marido, mas não foi vítima de um abuso sexual”, mas que “alega que foi abusada para que lhe permitam abortar”. Os defensores da vida no Brasil expressaram seu respaldo a um projeto de lei que propõe garantir a vida do nascituro, inclusive no suposto de abuso.

O vice-presidente do Movimento Nacional da Cidadania pela Vida criticou também que se considere como matrimônios às uniões do mesmo sexo, pois isto constitui uma “afronta à vida e à  família tradicional”, e não deve ser “protegida pela justiça”, especialmente quando o Congresso brasileiro não legislou sobre a matéria.

O líder pró-vida e pró-família do Brasil se referia a uma decisão tomada no dia 14 de maio pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) do país, o qual, extrapolando suas funções e adotando o poder legislativo, impôs por via judicial o mal chamado “matrimônio” gay. Até então, a legislação brasileira somente contemplava a figura de uma “união estável” de casais homossexuais, em que seus membros eram considerados “solteiros”.

A decisão do CNJ estabelece que a partir de agora estas uniões homossexuais devem ser convertidas legalmente em um “matrimônio” se assim é requerido, obrigando os cartórios do país a “casar” os casais gay.

Fonte: http://www.acidigital.com/noticia.php?id=25517

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.