Bispos canadenses desafiam jovens a viver castidade

Convidam a nadar contra a corrente para seguir Cristo

Ottawa, quinta-feira, 24 de março de 2011 – Os bispos canadenses desafiaram os jovens a viver a sua sexualidade com alegria, na verdade, como Deus quer, através do exercício da castidade.

A Comissão Episcopal para a Doutrina, da Conferência dos Bispos Católicos do Canadá, publicou uma carta pastoral dirigida aos jovens sobre a questão da castidade, na qual os bispos reconhecem que, “com tantas vozes e opiniões sobre o sexo, com frequência é difícil saber como usar este presente tão belo”.

“Desde o início da criação, Deus nos deu uma linguagem para falar. Além do dom da palavra, deu-nos nosso corpo”, que “se expressa através de gestos que são, em si, uma linguagem. Da mesma forma que as nossas palavras revelam quem somos, assim também acontece com a nossa linguagem corporal”.

“O Senhor quer que falemos esta ‘linguagem sexual’ na verdade, porque esta é a maneira de viver com alegria a nossa sexualidade”, observam os bispos.

“Este viver na verdade a linguagem sexual dos nossos corpos é o que a Igreja chama de ‘castidade'”, acrescentam.

O verdadeiro amor

“A castidade expressa o respeito pelas pessoas e por sua capacidade de doar-se – diz a carta. Ela nos assegura que somos amados pelo que somos e que estamos amando as pessoas pelo que elas são, e não apenas pelo prazer que podem nos oferecer.”

Para os bispos, “os preconceitos atuais com relação à castidade são particularmente preocupantes, pela maneira de ver a sexualidade: o fato de ‘relacionar-se’ uns com os outros por prazer”.

“Esta não é apenas uma ofensa contra a dignidade da pessoa que é usada, mas também leva quem ‘usa’ a práticas que ocasionam danos físicos, emocionais e psicológicos.”

Os bispos canadenses reconhecem que “os esforços por controlar os impulsos sexuais podem ser difíceis, até dolorosos”.

“Seu controle, no entanto, leva os homens e mulheres à maturidade sexual e dá paz de espírito – afirmam.
Viver castamente hoje significa nadar contra a corrente! Somos chamados a seguir Jesus, a nadar contra a corrente.”

“Se queremos encontrar serenidade e alegria, devemos viver de acordo com a vontade de Deus – destacam os bispos. Ele criou à sua imagem e, se vivermos de acordo com seus mandamentos, seremos felizes.”

“A castidade é um desafio, mas não é impossível”, declaram.

Verdadeiros amigos

Em sua carta, os bispos explicam que “podemos nos cercar de amigos que queiram viver, também eles, de forma casta: pessoas que nos sustentarão em nosso caminho”.

“Podemos escolher sabiamente nossas formas de entretenimento, procurando o que eleva o espírito humano e expressar a beleza, a verdade e a bondade.”

“E o mais importante: podemos viver a nossa união com Cristo recebendo os sacramentos regularmente, sobretudo o da Reconciliação.”

“A prática da confissão dos pecados de impureza, de falar sobre nossas tentações com um guia espiritual, pode ajudar a purificar a nossa mente e o nosso coração”, sublinham os bispos.

“Quanto mais aceitarmos a castidade e fizermos dela nosso estilo de vida, mais as pessoas que nos rodeiam perceberão o Espírito Santo que habita em nós.”

Fonte: Zenit

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.