Bispo destaca importância dos diáconos

“Sempre houve diáconos, desde o princípio”, diz Dom Carles Soler
 

ROMA, sexta-feira, 3 de dezembro de 2010 (ZENIT.org) – O bispo emérito de Girona (Espanha), Dom Carles Soler Perdigó, considera que o diaconado permanente é uma riqueza que a Igreja tem de voltar a descobrir.
Em declarações à Agência Ecclesia, o bispo destacou a importância de que os diáconos estejam presentes, atuem e cumpram suas funções.
Dom Carles Soler afirma que estes ministros “são um dom do Espírito Santo” que deve difundir “o espírito de serviço”.
Para o bispo, a decisão do Concílio Vaticano II de restaurar o diaconado permanente teve o objetivo de suprir uma “lacuna”, uma “hibernação” que existia desde o século XII.
 
“Segundo o que recebemos da tradição mais antiga e da Sagrada Escritura, sempre houve diáconos, desde o princípio, para ajudar o bispo no cumprimento da sua missão”, diz o prelado.
Com o tempo, contudo, houve uma grande multiplicação no número dos sacerdotes e estes “foram absorvendo as funções próprias do diáconos”.
Dom Carles Soler foi o conferencista principal no III Simpósio dos Diáconos Permanentes de Portugal, que decorreu de 30 de novembro a 1 de dezembro, em Fátima, promovido pela Comissão Episcopal Vocações e Ministérios.
 

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.