Ateus e católicos fazem ‘guerra de outdoors’ no Natal de Nova York

Grupo
ateísta colocou propaganda em um dos lados do Túnel Lincoln.
Liga Católica respondeu com mensagem na outra entrada do túnel.

Do G1, com
AP

Outdoor de grupo ateísta próximo à
entrada do Túnel Lincoln, em
North Bergen, Nova Jersey, uma das entradas para a cidade de
Nova York, nesta quarta-feira (1º). O texto diz: ‘Você sabe que é um mito.
Neste ano, celebre a razão’ (Foto: AP)

A Liga Católica contra-atacou,
colocando seu próprio cartaz no outro lado do tunel. O texto diz: ‘Você sabe
que é real. Neste ano, celebre Jesus’. (Foto: AP)Fonte: http://www.padredemetrio.com.br/2010/12/neste-natal-celebre-a-razao/

“O Natal é
a resposta à visão cientificística que quer negar a existência de Deus”, diz
Padre Cantalamessa

Publicado
2010/12/03 –  http://www.gaudiumpress.org/view/show/21585

Cidade do
Vaticano (Sexta-feira, 03-12-2010, Gaudium Press) A negação de Deus, como a que
foi recentemente feita por Stephen Hawkins, é “a eafirmação do ateísmo
científico militante”. O Natal “a antítese mais radical à visão
cientificística”, disse hoje o padre Raniero Cantalamessa, no primeiro
sermão do Advento falando da justa relação entre fé e ciência e também das
relações entre o homem e o cosmos.

A partir de
hoje e nas próximas três sextas-feiras o pregador da Casa Pontifícia refletirá
sobre a nova evangelização. Os sermões, ao Papa e a membros da cúria, acontecem
na Capela “Redemptoris Mater” no Vaticano.

Segundo
Padre Cantalamessa, a Igreja recusa o cientificismo, mas não a ciência

“Quando
contemplo o firmamento, obra de vossos dedos, a lua e as estrelas que lá
fixastes: Que é o homem?”. Com estas palavras do Salmo 8, Padre
Cantalamessa recordou que a fé se baseia em pressupostos que não são nem
demonstráveis nem falsificáveis. A Igreja Católica manifestava sempre uma
postura “nova e positiva” em relação à Ciência, afirmou. Isto é confirmado
pela Pontifícia Academia das Ciências, na qual “eminentes cientistas do
mundo todo, crentes ou não crentes, se encontram para expor e debater
livremente as próprias ideias sobre os problemas de comum interesse para a
ciência e para a fé”.

A ciência,
como observaram os filósofos como Agostinho, Tomás de Aquino, Pascal,
Kierkegaard e outros, “conduz a um ponto além do qual não pode mais nos
guiar”. É cientificismo, uma concepção filosófica que “se recusa de
fato a admitir como válidas as formas de conhecimento diversos daqueles que são
próprios das ciências positivas”, recusando o conhecimento religioso, a
teologia, e o saber ético e estético.

A recente
declaração de Stephen Hawkins em seu último livro “The Grand Design”
(O Grande Desenho), de que “a criação espontânea é a razão pela qual
existe alguma coisa”, se coloca nos exemplos de “afirmação do ateísmo
científico militante” iniciado por Richard Dawkins, autor do livro
“God’s Delusion” (A ilusão de Deus).

Segundo o
pregador da Casa Pontífice, a Igreja Católica recusa o cientificismo, mas isto
não significa recusar a ciência. Tal ato “seria não fazer jus à fé, antes
mesmo da ciência”, disse. Como exemplo de uma “postura aberta e
construtiva” em relação à ciência, citou o Cardeal John Henry Newman,
recentemente beatificado por Bento XVI em sua viagem à Inglaterra.

“A sua
grande fé – lembrou o padre Cantalamessa – permitia a Newman olhar com grande
serenidade as descobertas científicas presentes ou futuras”. Para o
purpurado, a teoria de Darwin sobre a evolução era uma negação da criação.

A
reevangelização requer uma exposição positiva da verdade como a de São Pedro,
sempre “com doçura e respeito”, ponderou. “O Natal é a ocasião
ideal” para recordar ao mundo “o patrimônio comum da
cristandade” da encarnação do Verbo.

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.