Ameaças que pesam sobre a família

familiaNós queremos falar um pouco sobre as ameaças que estão se levantando contra a família. Quem levantou todas as questões das ameaças à família? Foi o Papa João Paulo II. O Papa levantou uma série de questões que são uma ameaça para as famílias na carta que escreveu em 1994 às famílias. Vamos ver algumas citações que João Paulo II disse nesta carta.

Como os inimigos de Deus sabem que não podem destruir Deus, eles se voltam sobre a criação de Deus neste mundo que é a família, porque todos nós estamos aqui por causa de uma família, as vocações surgem a partir de uma família.

Deus entrou dentro de Si mesmo e olhando para Si, criou o homem a Sua imagem. Ele não olhou para uma árvore ou um anjo para nos fazer, o modelo para que Deus nos fizesse foi Ele mesmo. Deus não fez o homem sozinho, porque o amor não pode existir só, então Deus fez a mulher. Fez a mulher diferente do homem fisicamente, psicologicamente, afetivamente. Quanto mais o homem for masculino e a mulher feminina, mas vai existir esta atração para o amor entre si.

É muito fácil concluir que se destruirmos esta instituição (família), nós vamos destruir a sociedade na sua estrutura básica. Se você tirar as rodas de um carro, ele não anda mais. Assim estão fazendo com a sociedade, destruindo a família.

Deus entrou na humanidade pela porta da família. Maria concebeu por obra do Espírito Santo, e José recebeu Maria em sua casa e ali se formou uma família, onde Deus habitou, viveu e se formou. Jesus fez da família um Santuário. Os primeiros cristãos chamavam a família de “Igreja doméstica”, justamente porque não era permitido o culto cristão a igreja primitiva se reunia nas casas, nas famílias.

A família e o serviço sacerdotal foram as únicas instituições humanas que Jesus elevou a sacramento. E como dizia o papa João Paulo II “a família está jurada de morte” na sociedade moderna. Existe uma engenharia social que está querendo destruir a família.

“Deus entrou na humanidade pela porta da família”

João Paulo II disse:

“Nos nossos dias, infelizmente, vários programas sustentados por meios muito poderosos parecem apostados na desagregação da família. (.) A família está sob a mira de ataque em muitas nações. Uma ideologia anti-família tem sido promovida por organizações e indivíduos que, muitas vezes, não obedecem princípios democráticos”.

A primeira ameaça à família, segundo João Paulo II, é o divórcio. Hoje quase que no mundo inteiro o divórcio está aprovado como lei. Deus disse: “não se separe o que Deus uniu”. E o homem diz: “sim, nós criamos uma lei que divide”. Então o homem se rebela, vai contra a Deus.

Outro ponto que o Papa fala é do “sexo seguro”. “O chamado ‘sexo seguro’, propagandeado pela civilização técnica, na realidade é, sob o perfil das exigências globais da pessoa, ‘radicalmente não seguro’, e mais, gravemente perigoso”, disse João Paulo II.

Quando foi aprovado a pilula anticoncepcional, o Papa Paulo VI disse: “vai ser a desgraça da sociedade”, porque o sexo vai ser usado apenas como objeto de prazer, como abertura para a pornografia, etc. O Papa disse isso a 50 anos atrás e nós estamos vendo hoje uma desgraça que pesa sobre a sociedade. A Europa está desesperada fazendo campanha para as pessoas terem filhos, porque está sendo invadida por imigrantes. Hoje na Europa se produz mais caixões do que berços, porque morre mais gente do que nasce.

O Papa fala também do “amor livre”: O ‘amor livre’ explora as fraquezas humanas, conferindo-lhes uma certa ‘moldura’ de nobreza com a ajuda da sedução e com o favor da opinião pública. Procura-se assim ‘tranquilizar’ a consciência, criando um ‘álibi moral’. Mas não se tomam em consideração todas as consequências que daí derivam, especialmente quando a pagá-las são, para além do cônjuge, os filhos, privados do pai ou da mãe e condenados a serem, de facto, órfãos de pais vivos.

O Papa chama a atenção de filhos que são “órfãos de pais vivos”, consequência do sexo livre. Todos nós que temos família sabemos da importância do calor do pai e do calor da mãe, como é seguro para uma criança poder correr para a segurança de um pai e de uma mãe. O papa João Paulo II disse que ninguém pode ser feliz sem experimentar o amor, e este amor é experimentado de forma particular na família porque lá você não é um RG, um CIQ. A família canta “parabéns pra você”, vai te visitar no hospital quando você está doente, não te trata como um número.

O Papa fala também de que a Igreja não pode reconhecer a união de pessoas do mesmo sexo. “Não é moralmente admissível a aprovação jurídica da prática homossexual. Ser compreensivos para com quem peca, e para com quem não é capaz de se libertar desta tendência, não significa abdicar das exigências da norma moral…Não há dúvida de que estamos diante de uma grande e terrível tentação” João Paulo II em 1994

A Igreja não é homofóbica, ela ama seus filhos como eles estão, mas não pode de forma alguma aceitar o pecado.

“Amar não é desfrutar do outro, amar é construir o outro”

Outra ameaça às famílias é a pornografia. Quantas mulheres me disseram que encontraram seus maridos de madrugada vendo pornografia na internet. Homens viciados em pornografia e muitas vezes estes homens não querem mais as suas mulheres, ou pior, querem fazer da sua esposa o que viu na tela do computador. Nós ficamos bravos quando vimos as pessoas profanando as igrejas, mas estamos aceitando a profanação do Santuário de Deus que são os filhos de Deus.

Hoje nós estamos vendo um mundo cruel, um mundo que faz tudo exatamente contra a vontade de Deus. Deus diz: “não matar” e eles propagam o aborto, a eutanásia, o adultério.

Qual a missão da Igreja? É a missão de Jesus Cristo, a Igreja é o braço de Cristo prolongado aos homens na história. E a missão de Cristo foi anunciada por João Batista: “Eis o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo”. Quantas pessoas estão derramando o seu sangue como Cristo derramou para denunciar o pecado. Nós precisamos levantar a voz e condenar o mal porque ele está ficando normal, ele entra em doses homeopáticas, vai tomando a nossa consciência e, aos poucos, vamos aceitando o que Deus reprova.

Outro ponto é a tal “geração independente”. O que é isso? A pessoa solteira cisma de ter um filho mas não quer casar, então ela arruma um namorado tem um filho, depois larga o namorado e vive apenas com um filho. Não! A criança não é uma boneca, a criança tem direito de ter um lar, uma família.

***
Prof. Felipe Aquino

Transcrição e adaptação: Daniel Machado

Trecho da pregação no Acampamento para casais Canção Nova
Cach. Pta. 30/07/2011 – 11h15

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.