Aceitar a família para ser feliz

899267-family-in-silhouetteVocê desistiria de construir sua casa só porque o material enviado não foi o mesmo que você encomendou?

Você jogaria fora a lã do seu tricô, só porque a cor não era exatamente igual a amostra?

Você teria a coragem de abandonar seu filho só porque seu temperamento e seu físico não correspondiam ao que você esperava dele?

Você renunciaria a construir sua família porque seu marido não é aquele que você tinha sonhado, porque sua esposa não é como você esperava?

Se você desposou seu sonho, agiu como um adolescente. Não acuse disso a ninguém, senão a você mesmo, e não acuse ao seu cônjuge por não ser aquele que você desejava.

Se você se decepcionou e se entrega a sua decepção, mas cedo ou mais tarde você o demonstrará, e se isso acontecer afastará o outro mais um pouco porque o outro, para aproximar-se precisa de confiança.

Seu arrependimento é uma barreira que separa, quando é preciso unir.

Nunca é tarde demais para desposar, enfim, aquele que compartilha de sua vida. É preciso apenas que você tome uma decisão firme.

Você não pode fazer parte de um casal a três: você, seu marido e seu sonho. Se você quiser casar-se seriamente, divorcie-se do seu sonho.

Se você não pode construir um palácio, pode ao menos edificar uma choupana, mas não ficará feliz em sua choupana enquanto sonhar com o palácio.

Você já decidiu romper com seu sonho, abandonar seu palácio… mas ainda não suprimiu suas ilusões.

Comece por perdoar seu marido ou sua esposa, caso você ainda não o tenha perdoado por não ser aquilo que você imaginou.

Ofereça a Deus a sua decepção, seu sonho desfeito e tudo o que fermentou e ainda fermenta em você de rancor, amargura e desespero. Aceite, enfim, a REALIDADE do outro e a do seu lar.

Não se trata de refazer a sua vida, mas de refazer você.

E se ele não a tiver amado autenticamente, desejando apenas para si? E se ele não ativer amado autenticamente, desejando você só para ele?… é que os seus dois egoísmos, reuniram-se e, por um momento, deram a ilusão do amor.

Mesmo se a afeição sensível tiver aparentemente desaparecido, você pode amá-lo, querendo o bem dele. Mas, e ele?… E ela?…

Não julgue o outro, julgue-se só a você; se realmente ele não a ama mais, ame-o você mais intensa e gratuitamente. Raros são aqueles que resistem muito tempo a um amor autêntico. É amando que você ajudará a amar.

Você costuma pensar: ele me decepcionou.

Habitue-se a pensar assim: eu o decepcionei também.

Foi ele que começou…

Assim, cada argumento por sua vez, e recomece a amá-lo com um coração novo em folha!

Se o seu copo estiver vazio você pode enchê-lo. Mas, e se ele estiver cheio?

É a profundidade de sua alma a medida do amor que você recebe.

Você diz que ele tem todos os defeitos. Mas, antes você afirmava que ele tinha todas as qualidades. Ontem você se enganava, e hoje também. Ele tem qualidades e defeitos, e você deve desposá-los todos.

A culpa não é minha; como ele mudou!

Mas, não terá sido você quem mudou? E se foi ele, porque você se espanta? Foi com um ser vivo que você se casou, e não com uma imagem parada. Amar não é uma opção de momento, mas uma opção de cada momento.

Amar um homem ou uma mulher é amar sempre um ser imperfeito, um doente, um débil, um pecador…

Mas, se você o amar verdadeiramente, você o curará, o sustentará e o salvará.

Amar talvez seja- nos casos limites- sofrer a vida inteira. Que todos aqueles que querem amar, tenham a lembrança de refletir sobre essa verdade, antes de começar…

O sacramento do matrimônio consagrou a união de vocês, a ajudá-los-á a realizá-la a cada dia. No âmago do lar de vocês, apenas Cristo poderá resgatar o egoísmo e restituir o amor; mas para entrar em sua casa, hoje como ontem, ele tem necessidade de um SIM.

Aceitar o casamento é aceitar o outro, e é também aceitar Cristo Salvador.

Fonte: Quoist, M. Construir o homem e o mundo. Editora Cléofas.

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.