A vida consagrada, imagem do seguimento de Cristo

Mensagem da Comissão Episcopal Italiana para a 16ª Jornada Mundial da Vida Consagrada

ROMA, segunda-feira, 16 de janeiro de 2012 (ZENIT.org) – “Fazemos um sincero agradecimento pelo testemunho evangélico e pelo serviço à Igreja e ao mundo oferecido por vocês, totalmente consagrados ao seguimento de Jesus Cristo”.

Assim começa a mensagem da Comissão Episcopal Italiana publicada em 6 de janeiro, festa da Epifania, para a 16ª Jornada Mundial da Vida Consagrada, que se celebra em 2 de fevereiro de 2012.

“A sua presença carismática e a sua dedicação nos momentos difíceis são uma graça do Senhor, um sinal profético que nunca é apreciado o suficiente”, escreve a CEI, pedindo ao clero e à vida consagrada que acolham “cordialmente as orientações pastorais que a Igreja na Itália definiu para esta década”.

O tema da jornada é “Educar para a vida santa do Evangelho”, um convite que implica “educar-se para a vida santa de Jesus”, como um presente e como um compromisso primário de qualquer pessoa que pretenda ser seu discípulo.

São mencionadas na mensagem as palavras de João Paulo II, que, no documento Vita consacrata, escreveu que a consagração da própria vida “é a memória viva do existir e do agir de Jesus como Verbo encarnado na relação com o Pai e com os outros”.

A comissão episcopal escreve que o proprium da vida consagrada é reproduzir a forma de vida que Jesus abraçou e ofereceu aos discípulos, uma evangelica vivendi forma, um testemunho fundamental para todas as outras formas de vida cristã, que esboça um caminho ideal “educativo, antropológico e evangélico”.

A partir desta perspectiva, os bispos italianos evocam quatro notas, demonstrando a “coerência de vida com a vocação específica” e, ao mesmo tempo, a “fecundidade de um processo assíduo de formação”.

A primeira nota indica “o primado de Deus”. Assumindo que o principal desafio do nosso tempo é a secularização “que leva à exclusão e à insignificância de Deus e que deixa o homem sozinho com a sua raiva e o seu desespero”, como é frequentemente enfatizado por Bento XVI, a CEI destaca a necessidade urgente de uma nova evangelização “que coloque no centro da existência humana o primeiro mandamento de Deus, a confissão da Trindade e a palavra da salvação”.

“Na medida em que vocês testemunham a beleza do amor de Deus nas suas vidas transformadas pela beleza da sua santidade, vocês espalham aquele ‘bom perfume divino’ que pode levar a humanidade à sua vocação fundamental: a comunhão com Deus, que todo homem deseja”.

O segundo ponto é a fraternidade universal, “sonho de Deus, o Pai de todos”, que tem como objetivo a missão de Cristo e dos discípulos de “reunir os filhos dispersos de Deus”, muito atual no presente cenário de conflitos “que deterioram as relações humanas”.

Citando novamente as palavras do papa João Paulo II (“Para apresentar ao mundo de hoje a sua verdadeira face, a Igreja tem necessidade urgente de comunidades fraternas que, pela sua própria existência, são uma contribuição para a nova evangelização”), os bispos exclamam: “Como é belo o testemunho de Igreja que pode ser oferecido às paróquias, às famílias e aos jovens pela fraternidade autêntica, capaz de respeito, de acolhimento e de apoio!”.

Um convite, portanto, às comunidades religiosas para serem escolas de fraternidade “que comprometem os seus membros a aprender ao longo da vida com as virtudes evangélicas: a humildade, o acolhimento dos pequenos e dos pobres, a correção fraterna, a oração em comum, o perdão mútuo, o compartilhar da fé, do afeto fraterno e dos bens materiais”, sinais de um amor que “sabe como abrir-se para a Igreja particular, para a Igreja universal e para o mundo”.

Segue-se a exortação, na terceira nota, sobre o zelo divino, sobre o modelo de Jesus e dos apóstolos, que, “num mundo apático, dominado pelos instintos e pelas paixões”, testemunharam o extraordinário poder que provém do Espírito Santo, “fogo que consome, sarça que arde e que queima, sem nunca ser consumida”.

O próprio Bento XVI, dirigindo-se no discurso de 22 de maio de 2006 aos superiores gerais dos institutos de vida consagrada e das sociedades de vida apostólica, disse: “Pertencer ao Senhor significa ser incendiados pelo seu amor ardente, ser transformados pelo esplendor da sua beleza, manter sempre ardente no coração uma chama viva de amor”.

É justo com a perda desse zelo que, de acordo com os bispos, devemos nos preocupar, e “não tanto com a diminuição do número de vocações”, mas com a “falta do fogo de amor que animava Jesus e os santos”, um pretexto para uma vida medíocre.

“Para a nova evangelização, à qual a Igreja é hoje chamada, são necessárias pessoas apaixonadas por Jesus e pela humanidade, sentinelas que saibam interceptar os horizontes da história, das quais Deus, mais uma vez, decidiu servir-se para cumprir o seu desígnio de amor”. Novos santos, portanto, principalmente na vida consagrada, “que é desde sempre um laboratório do novo humanismo, um cenáculo de cultura que enriqueceu a literatura, a arte, a música, a economia e a ciência”.

Um último pensamento sobre o qual os bispos refletem é o estilo de vida “de essencialidade, de generosidade e de hospitalidade”, como sugerido pela pobreza evangélica, e focado na castidade consagrada, que “ajuda a regenerar a sexualidade e a dar ordem e verdadeiro significado aos afetos, orientando-os para um amor fiel e fecundo”.

O incentivo final, antes da conclusão da mensagem e da invocação da bênção da Virgem Maria sobre os consagrados, como perfeita discípula e mestra gentil, os convida a viver o zelo divino tal como Jesus viveu, “com a constância e a confiança que venceram as resistências mais duras e superaram os preconceitos mais perversos, e com o amor misericordioso que o levou a entregar-se para todos. Se o Espírito de Jesus habita em nossos corações, nós também podemos fazer o que Ele fez”.

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.