A Segunda Guerra Mundial

Em 01 de setembro de 1939, com a invasão da Polônia, Hitler desencadeou a Segunda Guerra Mundial (1939-1945), que terminou em 08 de maio de 1945 com a capitulação alemã.

A Segunda Guerra Mundial envolveu duas alianças militares opostas: os Aliados (Estados Unidos, Reino Unido e União Soviética), e o Eixo (Alemanha, Japão e Itália), mas praticamente toda a Europa foi envolvida. Foi a guerra mais abrangente da história, com mais de 100 milhões de militares mobilizados. Foi marcada por um número significante de ataques contra civis, incluindo o Holocausto nazista, e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas, o resultou entre 50 a 70 milhões de mortes.

Muitos países que não se envolveram inicialmente acabaram aderindo ao conflito em resposta a eventos como a invasão da União Soviética pelos alemães e os ataques japoneses contra as forças dos Estados Unidos no Pacífico, em Pearl Harbor, e em colônias ultramarítimas britânicas, que resultou em declarações de guerra contra o Japão pelos Estados Unidos, Países Baixos e a Inglaterra. A Guerra terminou com a vitória dos Aliados em 1945, e alterou muito o alinhamento político e a estrutura social mundial.

Leia também: A Primeira Guerra Mundial

Um livro conta a conspiração de Hitler contra o Papa

O Papa Bento XVI e a juventude hitlerista

A União Soviética e os Estados Unidos surgiram como superpotências rivais, preparando o terreno para uma Guerra Fria que se estendeu por quarenta e seis anos (1945-1991), até a queda do Muro de Berlim e do comunismo na Rússia. O fenômeno dos movimentos de população dentro da Europa ou para países da América alcançou proporções nunca antes conhecidas. Houve a derrota do fascismo e a sucessiva divisão do mundo em dois grandes campos: as democracias ocidentais e o bloco socialista.

A divisão do mundo decidido pela “Conferência de Ialta”, na Crimeia, em fevereiro de 1945, pelos chefes das potências aliadas (Inglaterra, Estados Unidos e Rússia), determinou que a parte oriental da Europa fosse entregue ao domínio imperial da União Soviética.

Os chefes de governo dos Estados Unidos (Franklin Delano Roosevelt) e da União Soviética (Josef Stalin), e o Primeiro-ministro do Reino Unido (Winston Churchill), reuniram-se em segredo em Ialta para decidir o fim da Segunda Guerra Mundial e a repartição das zonas de influência entre o Oeste e o Leste.

Em consequência, em breve, foram impostos pela força regimes comunistas a um grande número de povos europeus, enquanto outros perderam a independência nacional, sendo integrados à União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS): Polônia, Tchecoslováquia, Bulgária, Romênia, Hungria, Alemanha Oriental…

Esta Europa oriental, surgida da Segunda Guerra Mundial, era uma terra sem liberdade, onde a Igreja fora oprimida. Grandes cardeais como, Mindszenty, Steniac e Wyszynski foram heróis defensores da fé nos seus países. O objetivo comunista era eliminar o Cristianismo e a Igreja.

A expansão do comunismo afetou também a Ásia e a África. Na China, onde o Cristianismo florescia, foi proibido aos católicos a comunicação com a Santa Sé, e foi criada uma igreja cismática nacional, separada de Roma. Mas o Cristianismo teve grande desenvolvimento nos países de Terceiro Mundo, livres do comunismo.

Retirado do livro: “História da Igreja – Idade Moderna e Contemporânea”. Prof. Felipe Aquino. Ed. Cléofas.

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.