A Ressurreição, mito ou realidade? (Parte 1)

A Ressurreição é o centro da fé cristã: o cristianismo mantém-se de pé ou desmorona completamente sobre este evento, já que a Ressurreição de Jesus crucificado é o ato decisivo que não somente revelou em toda a sua profundidade o mistério de Jesus de Nazaré como Messias e Filho de Deus e, de modo definitivo e insuperável, o Deus tripessoal, mas também inaugurou a conclusão da história e a plenitude de nossa salvação.

Diante deste ponto crítico, deste evento único, que escapa à nossa experiência, o homem se vê desafiado a fazer uma opção que decidirá toda a sua existência e seu modo de compreender-se a si e ao mundo: “Se Cristo não ressuscitou, vazia é a nossa esperança, vazia também é a vossa fé” (1Cor 15,14). Esta afirmação do Apóstolo é absoluta, definitiva, sem apelo! Do ponto de vista da credibilidade de Jesus – ele é o Messias, ou apenas mais um iludido, como tantos na história? -, a Ressurreição constitui o sinal central dirigido por Deus ao homem para levá-lo ao reconhecimento e à proclamação da filiação divina de Jesus. No entanto, é necessário deixar claro que tal sinal deve ser acolhido na fé; se há sinais de credibilidade que fundamentam a fé na Ressurreição, por outro lado, não há uma “prova” irrefutável que destruiria qualquer dúvida sobre a pessoa de Cristo. E aqui é necessário dizer: esta relação claro-escuro, esta dialética de sinais que indicam e falta de provas que definam de modo irrefutável faz parte da estrutura da fé. Pense o meu Leitor: se a fé se fundamentasse numa evidência incontestável, já não seria mais fé nem deixaria espaço para o salto da liberdade; por outro lado, se não houvesse sinais de credibilidade em que o crente se apoiasse no seu ato de fé, então a fé seria superstição, seria arbitrariedade absurda, indigna do homem, com sua inteligência e liberdade dadas por Deus!

O racionalismo e os teólogos por ele influenciados negaram a objetividade da Ressurreição. Eis algumas de suas teorias, bem arbitrárias e gratuitas, motivadas pelo preconceito racionalista (que deseja enquadrar toda a realidade na gaiola da medida da razão humana) e imanentista (que de modo gratuito e arbitrário exclui toda ação de Deus no mundo):

(1) Jesus não morrera na cruz; fora retirado dela ainda com vida, sepultado e reavivado no sepulcro e dele retirado. Foi assim que apareceu aos seus discípulos. O Novo Testamento, porém, não tem nenhuma informação que apóie tal teoria. Ao contrário, afirma claramente que Jesus morreu realmente (cf. 1Cor 15,3b-5). Outras fontes, não-cristãs, confirmam esta realidade: Flávio Josefo, nas Antiguidades 18,63s, Tácito, historiador romano, em seus Anais 15,44 e até uma obscura passagem do Talmud babilônio afirma que Jesus foi apedrejado na véspera da Páscoa. Não há nenhuma entre os judeus que dê base a esta teoria. Além do mais, como poderia um semi-morto aparecer cheio de glória?

(2) A Ressurreição de Jesus seria plágio dos mitos de deuses que morrem e ressuscitam, como Dionísio, Ísis, Osíris e o culto a Adônis. Tal paralelismo não tem o menor sentido. Os deuses mitológicos em geral seguem o ciclo das estações; no caso de Adônis, seu mito em nada tem o significado da Ressurreição de Jesus: Adônis fora morto enquanto caçava um javali; cada ano permitia-se que subisse dos abismos e, por seis meses, procurasse sua amante. Nenhum devoto desse deus afirmou jamais que ele morreu por amor pela humanidade e que ressuscitou por nós e por nossa salvação! Seu retorno era o mito cíclico da vegetação, um assunto anual da natureza, não uma Ressurreição final de uma vez por todas entre os mortos.

(3) A Ressurreição de Jesus reduzir-se-ia a uma mudança na percepção e na vida dos discípulos, sem nenhuma transformação real em Jesus: ele ressuscitara no coração de seus discípulos que o amaram e o sentiram próximo. Ele ressuscita de novo, a cada dia, nos corações de todos os homens. Então, o que aconteceu após a crucificação seria somente a descoberta, por parte dos discípulos, do sentido, do significado de Jesus. Ora, não é nesta direção que os documentos do Novo Testamento apontam! Eles testemunham todo o tempo que o Pai ressuscitou Jesus Cristo dentre os mortos (cf. Gl 1,1).

(4) O desastre da crucifixão causou tal impacto nos discípulos, que provocou neles alucinações. Já Celso, no século II, defendia tal teoria. Tratar-se-iam, então, de visões simplesmente subjetivas. Ora, tal teoria não se sustenta: primeiro, os discípulos não creram logo nas aparições (cf. Mt 28,17; Lc 24,36s; Jo 20,24s); também o fato de que Jesus não era logo reconhecido pelos que o viram atesta contra a idéia de alucinação; além do mais, as aparições realizavam-se nas situações mais corriqueiras da vida. Falar, portanto, em alucinações, é gratuito!

(5) Os apóstolos fraudaram, pura e simplesmente, roubando o corpo e inventando a idéia de Ressurreição. Isto contraria totalmente o que sabemos dos apóstolos: eles não eram desonestos, não eram espertos e corajosos, estavam desalentados e confusos, eles não morreria para testemunhar uma fraude! Interessante também observar o cuidado das comunidades cristãs em preservar os textos intactos, apesar das discrepâncias em suas narrativas. Este dado revela o respeito dos primeiros cristãos por suas fontes: não eram nem visionários, nem exaltados, nem fraudadores!


Por Dom Henrique Soares da Costa, Bispo Titular de Acúfica e Auxiliar de Aracaju

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.