A queda do Presidente do Paraguai

Diz o Salmista que: “Se não é Deus quem edifica a casa, em vão trabalham os seus construtores. Se não é Deus quem vigia a cidade em vão guardam as sentinelas” (Sl 126,1-2).

Quer dizer, sem a graça de Deus, sem a sua Bênção sagrada, não adianta trabalhar exaustivamente.

Surpreendentemente caiu o ex-bispo Lugo, agora ex-presidente do Paraguai, que sofreu um impeachment dentro da lei e da ordem. Penso que lhe faltou a graça e a Bênção de Deus para governar seu país. Os Estados Unidos, o Vaticano, a Alemanha, a Espanha e outros países de peso reconheceram a legitimidade do novo presidente Federico Franco, ao contrário dos países da América Latina onde ainda existe um arraigado e arcaico populismo, como Argentina, Uruguai, Bolívia, Venezuela, Equador, Cuba, El Salvador, Nicarágua, Panamá, etc. 

Lugo, era bispo, pediu ao Papa Bento XVI para ser candidato a Presidente do Paraguai; o Papa não lhe deu autorização; mas assim mesmo ele foi candidato, claro, sem a Bênção do Papa e de Deus; caiu. Preferiu ser Presidente do que ser Apóstolo do Senhor. Confiou mais na política do que na evangelização, confiou mais nele mesmo e nos homens do que em Deus.

Pior ainda, teve de reconhecer quatro filhos ilegítimos gerados enquanto vivia ainda o voto de castidade. Algo muito triste e que muito entristeceu a Igreja.

Alguns querem dizer que foi um golpe de estado que o derrubou; mas não dá para aceitar essa tese, pois tudo foi feito dentro da lei, segundo o Artigo 225 da Constituição paraguaia. O próprio Lugo admitiu isso. Alega-se que tudo foi muito rápido e que Lugo não teve tempo suficiente para se defender. Mas, ficou claro que, mesmo que ele tivesse muito mais tempo do que teve, seria quase impossível evitar ser cassado, pois, só 1 dos 80 deputados e 6 dos 45 senadores não votaram pelo impeachment. Lugo não reverteria isso nunca. Não houve uma ação militar para o derrubar; foi dentro da lei. Na verdade o Parlamento não aceitava mais suas ações populistas que comprometeram a ordem e o desenvolvimento do país.

Seria muito melhor que Lugo tivesse obedecido o Papa e cumprido seu voto de obediência a ele; assim seria agora Dom Lugo, apóstolo do Senhor.

Graças a Deus, o seu sucessor, Federico Franco, é um homem católico fervoroso, e que defende a democracia. Até mesmo já recebeu o apoio do Núncio Apostólico no Paraguai, e participou de uma missa, certamente para pedir a Bênção de Deus para esses 11 meses de governo têm pela frente. Que Deus o abençoe e abençoe o povo paraguaio. Rezemos por eles.

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.