A punição de padre Beto

pppadrebeto01052013

Fonte: acidigital.com

Dom Frei Caetano Ferrari e o Conselho de Presbíteros da Diocese de Bauru tiveram de juntos tomar uma dolorosa decisão de punir o padre Beto com excomunhão, por desobediência e ensino de falsas doutrinas no campo da fé e da moral, depois de advertido muitas vezes e por longos quatro anos.

É uma difícil decisão que tiveram de tomar porque infelizmente o padre Beto preferiu ficar consigo mesmo, e  com o mundo, ao invés de ficar com a Igreja e seu Pastor.

Sabemos que é muito duro lutar contra a heresia porque é uma luta contra os próprios irmãos, que não querem seguir  o caminho da verdade e de Deus. São Paulo nos lembra bem o múnus do Bispo, quando se despediu dos bispos de Éfeso, em lágrimas:

“Cuidai de vós mesmos e de todo o rebanho sobre o qual o Espírito Santo vos constituiu bispos, para pastorear a Igreja de Deus, que ele adquiriu com o seu próprio sangue. Sei que depois da minha partida se introduzirão entre vós lobos cruéis, que não pouparão o rebanho. Mesmo dentre vós surgirão homens que hão de proferir doutrinas perversas, com o intento de arrebatarem após si os discípulos.” (At 20,28-29)

Em todos os tempos, como hoje, a Igreja teve de lutar contra os seus filhos rebeldes, soberbos, orgulhosos e prepotentes, que se acharam melhores, mais sábios e doutos que a Santa Mãe Igreja e seu Sagrado Magistério, assistido e guiado infalivelmente pelo Espírito Santo. Foram muitos, em todos os tempos, e lhe deram muito trabalho e sofrimento.

Diz o Catecismo da Igreja que:

“Para manter a Igreja na pureza da fé transmitida pelos apóstolos, Cristo quis conferir à sua Igreja uma participação em sua própria infalibilidade, ele que é a Verdade (§889). “O ofício pastoral do Magistério está, assim, ordenado ao cuidado para que o Povo de Deus permaneça na verdade que liberta.”(890)

Os hereges impenitentes separam a caridade da verdade e se esqueceram do que ensinou Bento XVI na “Caritas in veritate”: “Caridade sem verdade é sentimentalismo”; ou como ensinou Santo Agostinho: “Não se imponha a verdade sem caridade, mas não se sacrifique a verdade em nome da caridade”.

O cajado (báculo) do Bispo não é um enfeite litúrgico, mas o sinal sagrado de sua vigilância sobre o Rebanho que “o Senhor conquistou com seu sangue”. Se o Pastor não usar o cajado contra o lobo, este mata as ovelhas.  São Tomás de Aquino dizia que falsificar a doutrina é muito pior do que falsificar a moeda; enquanto a moeda falsa destrói a economia, a heresia mata a alma e leva para o inferno.

Ao apresentar o Catecismo da Igreja, em 1992, pela Constituição Apostólica “Fidem depositum” o Papa João Paulo II disse em sua introdução: “Guardar o depósito da fé é a missão que o Senhor confiou à Sua Igreja e que ela cumpre em todos os tempos”. E nós sabemos que isso nunca foi fácil à Igreja; houve muitos cismas, apostasias  e heresias.

Hoje a Igreja é desafiada, profanada e ofendida  de muitas formas porque sustenta e ensina o que Cristo ordenou; enquanto essas mazelas vêm de fora do Rebanho, são compreensíveis porque “o mundo jaz no Maligno”, mas não podemos suportá-las quando acontecem dentro do redil do Senhor.

Um Padre não é ordenado para ensinar suas “opiniões pessoais”, e sim para propor o que a Santa Igreja ordena. Ele é mantido à custa da Igreja e do dinheiro do povo, então, deve ser coerente com a fé da Igreja. Se ele não quiser ser católico e Padre é decisão dele. Mas que tenha, ao menos, o respeito para com a Igreja que o alimentou com “o leite e a carne” das ovelhas.

Caro Dom Caetano, todos sabemos o quanto dói a um pai ter de corrigir severamente a um filho para que não morra, o coração fica ferido; mas esperemos na fé e na oração que o filho volte arrependido à casa paterna. A excomunhão não é irreversível, pode ser levantada se o filho volta arrependido à Igreja.

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.