A parte que cabe à graça

Como Bispo da Santa Igreja, e mesmo como Presbítero, me considero fundador de comunidades novas, ou como aquele que confirma as comunidades já estabelecidas. Assim, procurei nas cidades maiores, visitar os bairros em formação, com o precioso auxílio de seminaristas, de religiosas, de diáconos e sobretudo de Presbíteros. E quando os leigos despertam para a beleza da vida comunitária, então considero que ali existe vida, trazida pelo Espírito Divino, que “é Senhor e fonte de vida”. Mas não basta fundar as comunidades e nomear pessoas responsáveis. É preciso imitar os Apóstolos, e visitar essas sementes do Reino de Deus, para conferir o espírito fraterno, a firmeza na fé e a perseverança na prática do bem. São Paulo dizia “Tenho grande desejo de visitar-vos” (Rom 15, 23).

Quero partilhar com meus amigos as impressões vividas numa dessas visitas de retorno. Trata-se de um bairro – hoje muito populoso – onde fui o iniciador da  comunidade. Há um Padre, responsável por todo o andamento religioso, um admirável Diácono, um seminarista teólogo, e vários leigos de muito bom gabarito. Já possuem uma capela, de suficiente tamanho, e o salão paroquial está em construção. Rezei missa para esse povo, num sábado à noite. O assunto da celebração foi como se preparar para a Páscoa, como reafirmar a fidelidade à pessoa de Cristo, e como participar da Campanha da Fraternidade. A capela estava quase cheia. O tipo de fiéis presentes era de povo remediado, e a maioria dos presentes eram mulheres. Saímos de lá, e pude em seguida, me aproximar de um templo evangélico, em pleno funcionamento. Era bom o número de fiéis, a maioria da assembléia era de homens, bem vestidos, quase uma “elite” do bairro. O assunto que tratavam era a prosperidade, como sinal de bênção divina. Mas isso só aconteceria – afirmava-se – mediante generosos dízimos. Houve ainda várias “curas”, sendo o arsenal dos milagres um poder à disposição do líder.  Pensei para mim: por que a mensagem, séria e teologicamente completa, da nossa Igreja, não produz impacto sobre a população? Deveríamos apelar para o “popular”? Não devemos cair nessa cilada. A mensagem completa de Cristo tem resposta total para todos os anseios humanos. Para que ela faça efeito, no entanto, depende da hora da graça divina. “O Senhor lhe abriu o coração”  ( At 16,14).

***
Dom Aloísio Roque Oppermann
Arcebispo emérito de Uberaba (MG)

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.