A palavra de Deus na Igreja Católica

As comunidades católicas celebram, neste domingo, o Dia da Bíblia, concluindo o mês de setembro, todo ele dedicado ao mesmo tema.  A Palavra de Deus contida na Sagrada Escritura ocupa lugar central na vida dos que crêem em Cristo, pois a Igreja crê e ensina que ignorar as Escrituras é ignorar a Cristo, na expressão de São Jerônimo (340-420).

Além de crer na Bíblia, a Igreja crê também na Sagrada Tradição e se serve do Magistério Eclesial para crer por inteiro, pois se tudo o que está na Bíblia é verdade, nem toda a verdade está explícita nela. A Bíblia, a Tradição e o Magistério são três instâncias fontes da fé, que andam intimamente unidas, podendo-se afirmar que uma não pode existir sem as outras.  A Constituição Conciliar Dei Verbum, um dos documentos mais importantes do Concílio Vaticano II (1962-1965), afirma que A Sagrada Tradição e a Escritura estão, portanto entre si estreitamente unidas e comunicantes. Pois promanam da mesma fonte divina, formam de certo modo um só todo e tendem para o mesmo fim. Com efeito, a Sagrada Escritura é a palavra de Deus enquanto redigida sob a moção do Espírito Santo; a Sagrada Tradição, por sua vez, transmite integralmente aos sucessores dos Apóstolos a palavra de Deus confiada por Cristo Senhor e pelo Espírito Santo aos Apóstolos…Afirma ainda o mesmo Documento e também o Catecismo da Igreja Católica: não é somente pela Sagrada Escritura que a Igreja deriva sua certeza a respeito de tudo que foi revelado. Por isso, ambas, Escritura e Tradição, devem ser aceitas e veneradas com igual sentimento de piedade e reverência. (DV 9), (CIC 82).

O Magistério é um serviço indispensável, uma vez que é legítima a pesquisa teológica, mas esta não pode ter, por si só, autoridade sobre a verdade, dependendo, portanto da definição do Sucessor de Pedro ou dos Bispos em comunhão com ele. Sobre isto afirma a Dei Verbum: “Para que o Evangelho sempre se conservasse inalterado e vivo na Igreja, os Apóstolos deixaram como sucessores os Bispos, a eles transmitindo o seu próprio encargo de Magistério” (DV 7).

A Tradição antecede a própria Bíblia, tanto no Antigo Testamento, quanto no Novo, pois os textos sagrados somente foram redigidos depois de vivenciados pelas comunidades. No caso do Novo Testamento, os primeiros escritos somente apareceram cerca de 20 anos após a morte e ressurreição de Cristo, sendo, segundo as atuais pesquisas, a 1ª carta de Paulo aos Tessalonicenses o texto mais antigo, escrito não antes do ano 51. Os quatro evangelhos se formaram depois do ano 70, segundo a maioria dos exegetas. Até formar o corpus neo-testamentário passaram-se anos, o que indica, com certeza, que as primeiras comunidades cristãs, até o fim do primeiro século, viveram da Tradição Apostólica. Assim, pode-se afirmar, sem receios, que a organização da Igreja fundada por Cristo, nasceu da Tradição e não propriamente das Escrituras neo-testamentárias.

Não temos uma ‘religião do livro’, mas uma ‘religião da Palavra’, e a Palavra não é uma letra, é uma pessoa, Cristo, segundo afirma João: A Palavra se fez carne e habitou entre nós. (Jo.1, 14)

As próprias Escrituras confirmam o valor da Tradição transmitida pelos Discípulos, antes mesmo que houvessem escritos, como por exemplo, o texto da 2ª carta a Timóteo: Toma por modelo os ensinamentos salutares que recebeste de mim sobre a fé e amor a Jesus Cristo. Guarda o precioso depósito pela virtude do Espírito Santo  que habita em nós. (2Tm 1,13-14).

A Palavra de Deus é vida. Ela é luz para quem caminha!

Os Apóstolos transmitiram aquilo que eles receberam (cf. I Cor 11,23; 15,3), exortam os fiéis a manter as tradições que aprenderam seja oralmente seja por carta (cf. II Tess. 2,15) e a combater pela fé uma vez transmitida aos santos (cf. Jd 3).

***
Dom Gil Antônio Moreira
Arcebispo de Juiz de Fora – MG

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.