A mais bela profissão do homem é rezar e amar

rezarPrestai atenção, meus filhinhos: o tesouro do cristão não está na terra, mas nos céus. Por isso, o

nosso pensamento deve estar voltado para onde está o nosso tesouro. Esta é a mais bela

profissão do homem: rezar e amar. Se rezais e amais, eis aí a felicidade do homem sobre a terra.

 

A oração nada mais é do que a união com Deus. Quando alguém tem o coração puro e unido a

Deus, sente em si mesmo uma suavidade e doçura que inebria, e uma luz maravilhosa que o

envolve. Nesta íntima união, Deus e a alma são como dois pedaços de cera, fundidos num só,

de tal modo que ninguém pode mais separar. Como é bela esta união de Deus com sua

pequenina criatura! É uma felicidade impossível de se compreender.

Nós nos havíamos tornado indignos de rezar. Deus, porém, na sua bondade, permitiu-nos falar

com ele. Nossa oração é o incenso que mais lhe agrada.paraestarmenor

 

Meus filhinhos, o vosso coração é por demais pequeno, mas a oração o dilata e torna capaz de

amar a Deus. A oração faz saborear antecipadamente a felicidade do céu; é como o mel que se

derrama sobre a alma e faz com que tudo nos seja doce. Na oração bem feita, os sofrimentos

desaparecem, como a neve que se derrete sob os raios do sol.

 

Outro benefício que nos é dado pela oração: o tempo passa tão depressa e com tanta satisfação

para o homem, que nem se percebe sua duração. Escutai: certa vez, quando eu era pároco em

Bresse, tive que percorrer grandes distâncias para substituir quase todos os meus colegas que

estavam doentes; nessas intermináveis caminhadas, rezava ao bom Senhor e – podeis crer! – o

tempo não me parecia longo.

Leia também: Como rezar?

Quando rezar?

Por que rezar?

O que é o amor?

Cristão, luz do mundo e sal da terra

Há pessoas que mergulham profundamente na oração, como peixes na água, porque estão

inteiramente entregues a Deus. Não há divisões em seus corações. Ó como eu amo estas almas

generosas! São Francisco de Assis e Santa Clara viam nosso Senhor e conversavam com ele do

mesmo modo como nós conversamos uns com os outros.

 

Nós, ao invés, quantas vezes entramos na Igreja sem saber o que iremos pedir. E, no entanto,

sempre que vamos ter com alguém, sabemos perfeitamente o motivo por que vamos. Há atéembuscadaperfeio

mesmo pessoas que parecem falar com Deus deste modo: “Só tenho duas palavras para vos

dizer e logo ficar livre de vós.”. Muitas vezes penso nisto: quando vamos adorar a Deus,

podemos alcançar tudo o que desejamos, se o pedirmos com fé viva e coração puro.

Do Catecismo de São João Maria Vianney, presbítero (Séc.XIX)

(Catéchisme sur la prière: A.Monnin, Esprit du Curé d’Ars, Paris1 899, pp.87-89)

Retirado da Liturgia das Horas

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.