A lamentável subcultura católica

nstopicQuantas pessoas acreditam realmente em todas as verdades centrais do catecismo católico?

Convenhamos, você também já notou. A Igreja católica, hoje, nos parece uma estreita porção, bastante homogênea, de uma “fatia de fatia” da humanidade. É claro que, se pensarmos nela do ponto de vista estatístico ou incluirmos todas as pessoas que vão à missa mais do que duas vezes por ano, ainda podemos fingir que a Igreja abrange uma ampla fatia da humanidade, desde os jardineiros imigrantes ilegais nos Estados Unidos, com tatuagens da Virgem de Guadalupe, até os neo-conservadores de terno e gravata que trabalham para empreiteiros militares na indústria do lobby de Washington, passando por todas as variedades humanas possíveis que existem entre esses dois nichos. Neste sentido, os eleitores de Kennedy que se encharcam de cerveja no Fenway Park de Boston são tão católicos quanto o papa.

Mas vamos usar a linguagem de maneira muito mais precisa, num sentido doutrinalmente rigoroso. Quantas pessoas nos Estados Unidos acreditam realmente em todas as verdades centrais do catecismo católico? Algumas pesquisas de opinião pública revelam que grandes porcentagens de participantes da missa dominical não conhecem ou sequer ouviram falar na transubstanciação, a transformação do pão e do vinho no corpo e sangue de Cristo na Eucaristia. Dependendo da “facção” do fragmento católico a que se pertence, pode-se atribuir essa ignorância ao colapso da educação católica, à superficialização da liturgia ou até mesmo à supressão, na década de 1970, da “catequese inconsciente” que acontecia toda vez que uma pessoa simples e iletrada se ajoelhava diante da Hóstia e, reverentemente, a recebia na boca pelas mãos abençoadas de um sacerdote.

Eu não sei se as pesquisas de opinião pública perguntaram aos “católicos de domingo” se eles acreditam na ressurreição física de Cristo, ou na Imaculada Conceição, mas, se os católicos em geral acreditam nas coisas que me ensinaram no meu colégio católico, eles são hereges. E, provavelmente, nem sequer sabem disso. Nem se importariam.

A prática não é um espelho perfeito daquilo em que acreditamos, mas, certamente, é significativo que os números do divórcio, do sexo antes do casamento e da coabitação não sejam nem um pouco inferiores entre os católicos romanos na comparação com a maioria dos protestantes (em alguns casos, são até superiores). O crescimento explosivo das anulações matrimoniais se explica, em parte, pelo abuso por parte dos bispos, mas, por outro lado, é também um reconhecimento de que muitos católicos recebem este sacramento com “intenção defeituosa”. Não nos esqueçamos de que, se uma das partes se casa considerando que o divórcio e um futuro novo casamento são uma opção possível, isso invalida o matrimônio. Desta forma, a maioria das anulações hoje em dia são provavelmente válidas (ao contrário de muitos casamentos católicos).

Há medidas simples, radicais e impopulares que os nossos bispos poderiam tomar para conter o colapso do casamento católico, mas podemos vislumbrar, pelo “exemplo” dos bispos alemães, qual é o caminho que eles estão muito mais propensos a seguir: jogar fora o princípio do casamento indissolúvel e se livrar da jurisdição sobre o casamento que a Igreja assumiu no Concílio de Trento, deixando para as consciências individuais a tarefa de discernir se o próprio casamento católico foi inválido e se o segundo casamento civil é de fato sacramental.

Mas o maior cavalo de batalha é, sem dúvida, a contracepção. O número máximo que eu já vi de católicos que acatam e obedecem à proibição da Igreja de empregar a contracepção artificial é de 5%. Poderíamos argumentar que há um grande número de católicos que admitem que a Igreja está certa sobre este assunto, mas acham esse ensinamento muito difícil de praticar e acabam por desrespeitá-lo. Eu não compro esse argumento. Um católico que tem essa consciência, se acreditasse de fato que está cometendo um pecado mortal constante, evitaria a sagrada comunhão nessas condições. O resultado direto seriam filas curtas para comungar e filas longas para a confissão.

Excetuando as paróquias com missa em latim, onde a maioria das famílias tem cinco filhos ou mais, eu nunca vi essas filas. Você viu? Parece que a maioria dos católicos que pratica a contracepção se convenceu ou foi convencida de que pode praticá-la com a consciência tranquila.

A consequência deste fato triste é clara: em uma questão de moralidade tão grave quanto esta, sobre a qual vários papas invocaram a sua plena autoridade moral, 95% dos católicos norte-americanos (e o número é certamente maior em quase toda a Europa) rejeitam as orientações de Roma. Eles não são meros “maus católicos”, mas membros de uma nova seita dissidente, que ocupa a maior parte dos bancos na maioria das igrejas (e muitos púlpitos e escritórios de bispos também).

Antes do tumulto doutrinal da década de 1960, quase todos os “católicos de estatísticas” também eram católicos doutrinalmente ortodoxos, por terem ao menos o conhecimento da doutrina. Isso não quer dizer que a Igreja estivesse lotada de santos, é claro. A natureza humana sempre foi tão frágil e falível quanto é hoje. Mas os católicos de todos os níveis de prática religiosa, mesmo que as suas vidas divergissem dos ensinamentos da Igreja, sabiam quais eram esses ensinamentos. Eles sabiam que eram pecadores, ou imaginavam a si próprios como “realistas”, em vez de se posicionarem no time da dissensão doutrinal.

John Zmirak

Fonte:http://www.aleteia.org/pt/religiao/artigo/a-lamentavel-subcultura-catolica-5233533144530944

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.