A história de Nossa Senhora da Cabeça

Nossa Senhora da Cabeça possui uma história maravilhosa, que teve seu início no ano de 1227, nos contrafortes da Serra Morena, Andaluzia, região espanhola, onde fica situada a cidade de Andujar, a 18 km. do pico denominado Cabeça.

As terras ao lado da montanha eram utilizadas como pasto, sobretudo para criação de carneiros, vigiados por pastores. Gente simples, pobre e religiosa. Dentre eles, João Alonso Rivas, natural de Granada, filho de cristãos cativos e fugitivos da tirania dos mouros, dos Árabes. Durante a fuga, João Rivas perdeu um braço.

João era muito piedoso e muito devoto da Virgem Maria, a quem dedicava suas orações, enquanto apascentava suas ovelhas. Por várias vezes, parecendo vir do alto da montanha, ele ouvia um toque de sineta. Pensava: “deve ser pura imaginação, coisa de um viver solitário, nestas terras altas”.

Numa noite, 12 de agosto de 1227, o pastor João Rivas, ouvindo mais distantemente o som da sineta, seus olhos depararam com um brilhante luzeiro no alto do Monte Cabeça. Ele, sem dúvidas nem medo, partiu em direção ao Célebre pico.

Chegando lá, ouviu o toque da sineta saindo da gruta, de onde saíam também, raios luminosos. Entrando na caverna viu, sobre as pedras, uma belíssima Imagem de Nossa Senhora, e a sineta presa a um galho, ao lado da Virgem, continuava a bater.

Voltando ao normal, João dirigiu-se à Mãe de Deus e perguntou: “fostes vós, ó minha Mãe, que pelo vosso influxo me atraístes à Vossa presença, para divulgar os Vossos desígnios? Se assim é, dizei-me o que devo fazer e a Vossa vontade será cumprida”.

E uma voz dulcíssima, que parecia vir do céu, falou-lhe assim: “Não temas, servo de Deus. Vai à cidade de Andujar e dizei a quantos encontrares que chegou o tempo de cumprir a vontade de Deus, fazendo construir neste lugar, um templo, onde hão de operar os prodígios em favor dos que acreditarem”.

João prometeu à Virgem Mãe de Deus, fazer tudo quanto Ela ordenara. Temendo que os habitantes de Andujar achassem que ele fosse um louco visionário ou impostor, recebeu de Nossa Senhora o SINAL: “Vai cristão venturoso! O testemunho de suas palavras será o teu braço perdido que eu te restituo”.

João Rivas viu seu braço direito perfeitamente são. Ao clarear do dia, João Rivas, tendo à frente o Vigário e outras autoridades, foram ao Monte Cabeça, levaram a Imagem milagrosa para Andujar e foi aclamada Padroeira sob a invocação de Nossa Senhora da Cabeça.

Daí em diante, foram multiplicando-se os milagres operados por Deus, pela intercessão da Padroeira. Dentre os muitos milagres realizados, teve grande repercussão o que se deu em favor de um nobre senhor condenado à morte (cortar a cabeça), o qual fez voto de ir, se a Virgem o salvasse, depositar uma cabeça de cera aos pés da Sagrada Imagem.

Na hora da execução da pena de morte, a multidão em delírio, viu chegar o mensageiro do rei trazendo a graça ao condenado: “A Virgem o libertou!” O feliz agraciado cumpriu seu voto e é em recordação de tão extraordinário acontecimento que a partir daí, nos Santuários dedicados à Nossa Senhora da Cabeça, a Imagem dela é representada trazendo na mão direita, uma cabeça.

Manual do devoto, Confraria de Nossa Senhora da Cabeça da Catedral do Rio de Janeiro, pág. 10ss. Rio-1910).

No Brasil, desde 1910, Nossa Senhora da Cabela é venerada na Catedral do Rio de Janeiro.

Em 1948, o lojista Sr. Aristonides Afonso do Prado e sua esposa D. Maria Luiza, perdizenses, trouxeram do Rio de Janeiro, uma imagem de Nossa Senhora da Cabeça, para a cidade de Perdizes/MG, e juntamente com o Vigário, o Revmº. Pe. Henrique Oliver, fizeram a primeira festa em novembro de 1948, distribuindo a Oração da Novena. O motivo de tudo isso foi uma grave doença que padecia o Sr. Aristonides e da qual foi curado totalmente, em razão da promessa feita a Nossa Nossa Senhora da Cabeça.

Em 1966, assume a direção da Paróquia o Revmº Pe. Calimério Afonso Nunes, que deu continuidade à realização da Festa e procurou incentivar a devoção, vendo nela o melhor caminho de levar os fiéis até Jesus e seu Evangelho. Ele fixou todas as Quartas-feiras, às 19:00, Missa e Novena Perpétua, em favor dos doentes, e Nossa Senhora tem concedido muitas graças de curas de males físicos e espirituais.

O testemunho de todas estas graças se manifesta, nos mais variados objetos que são depositados no seu altar, e também nas cartas que chegam de todas as partes do Brasil, até onde chega o conhecimento desta devoção.

Hoje, com o objetivo de melhor atender aos devotos e romeiros que visitam a Imagem de Nossa Senhora da Cabeça, durante todo o ano, foram instituídos outros horários, com celebração Eucarística, novena e benção especial para os doentes. Esses horários são: quartas-feiras às 19:00 horas e domingos às 09:00 horas na Igreja Matriz e aos domingos às 17:00 na Construção do Santuário.

Como a Igreja Matriz se tornou pequena para acolher tantos devotos, sobretudo nas festas (mais de 20.000 romeiros, na última festa), está sendo construído um Santuário, no Bairro Ferreirinha, na parte mais alta da cidade, em terreno espaçoso, doado por um devoto e sua família.

Com a aprovação do Sr. Bispo Dom João Bosco Oliver de Faria e de todo o clero da Diocese de Patos de Minas, foi elaborada planta do Santuário de Nossa Senhora da Cabeça. Uma construção moderna, tendo Igreja espaçosa para acolher cerca de 1.000 pessoas assentadas, várias sacristias, sala de Ministros da Eucaristia, espaço para Coral, Capela do Santíssimo, Copa, escritório, sala para confissões, etc.

Na parte de baixo possui sala de Milagres, refeitório, banheiros, sala para Catequese, livraria, salão do peregrino, etc. Ampla passarela para visitação à Imagem, com escada contendo degraus conforme os cinco Mistérios do Terço.

Santuário Diocesano: http://www.sivolc.com/ns/historico.php

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.