A graça do Retiro Espiritual

Nos dias 18 a 21 de julho, os padres da Diocese de Santa Cruz do Sul irão fazer seu retiro anual. É um momento de graça para se animar na caminhada e continuar a Evangelizar “para que todos tenham vida, rumo ao Reino definitivo”.

Existem retiros que são mais longos e outros que são mais curtos. O mais longo retiro que a História Sagrada registra é o do povo hebreu, que ficou 40 anos caminhando pelo deserto em busca da Terra Prometida (Dt 29, 4-5). O retiro de Jesus Cristo, antes de começar sua missão, durou 40 dias (Mt 4,1). Outras vezes ele passava a noite retirado, em oração. O profeta Elias caminhou 40 dias e 40 noites pelo deserto até chegar a Horeb, o monte de Deus (I Rs 19,8).

Na história da Igreja temos os mosteiros, onde homens e mulheres passam grande parte do seu dia em oração. Mais radicais ainda são os eremitas que se estabelecem em lugares de difícil acesso para permanecerem a sós com Deus.

Santo Inácio de Loyola propôs um roteiro para 30 dias de retiro, sendo que muitos religiosos fazem este retiro ao menos uma vez em suas vidas. Ordinariamente, o retiro anual dos religiosos tem duração de 7 dias, enquanto que o retiro dos padres da Diocese de Santa Cruz do Sul dura 3 dias. Os bispos fazem retiro durante a assembléia geral da CNBB, que sempre acontece depois da Páscoa.

Nos últimos anos popularizaram-se os retiros para agentes de pastoral, sendo que se tornou comum catequistas, ministros, jovens e pessoas ligadas a movimentos de espiritualidade fazerem dias de retiro. As missões populares são espécies de retiro para o povo, quando as pessoas deixam de lado sua rotina de trabalhos e passam alguns dias envolvidos em atividades na comunidade.

A importância do retiro na vida do cristão e, principalmente na vida do padre, é indiscutível. É aí que temos a chance de parar para avaliar o rumo que estamos dando à nossa vida, confrontando-a com a pessoa de Jesus Cristo e a missão da Igreja. O retiro é momento de parar, olhar e retomar o caminho com novo ânimo, a exemplo do que aconteceu com os apóstolos ao presenciarem a transfiguração de Jesus (Mc 9,1-10). É momento especial para retomar os compromissos batismais e se animar na fé, esperança e caridade. Para os padres, é o tempo propício de avaliar sua fidelidade aos compromissos assumidos no dia da ordenação sacerdotal.

Rezemos pelos nossos sacerdotes, para que tenham a graça de um profundo encontro com o Mestre Jesus nos dias do seu retiro.

***
por Dom Canísio Klaus

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.