A Graça de Deus retorna?

Não há nenhum dogma cristão tão estranho à mentalidade moderna do que o da graça. Esta significa a presença do Criador no mundo e na história. Já os antigos pensadores romanos, que chegaram a vislumbrar a necessidade de haver um Deus único, não acreditavam que Ele se interessasse pelas ninharias humanas. Diziam: “Deus sublunaria non curat”. Isto é, Deus não se interessa pelas insignificâncias que ficam abaixo da lua. O ensinamento cristão, ao contrário, mostra que o Criador tem constante canal de comunicação com sua criatura preferida. Criou nela uma perene capacidade de comunicação. A graça é o encontro real entre duas liberdades. É a encruzilhada de dois amores.
É uma gratuidade inesperada, superabundante, e disponível para a ajuda. É o prolongamento de sua presença nas realidades humanas. Muitos homens “modernos” se julgam além da graça. Não precisam de ajuda, nem a querem. Pois acham-se capazes de resolver, por conta própria, qualquer desafio. Santo Agostinho, que tinha uma fina sensibilidade espiritual, estava com seu coração sempre aberto para qualquer vontade de Cristo, que é a graça em pessoa. Ele achava que a graça divina se apresenta a nós, esperando resposta de vida. É o que ele via ter acontecido entre Jesus e os seus contemporâneos judeus. “Jerusalém, matas os profetas e apedrejas os que te são enviados”  (Mt 23, 37).
Está suposto que a Cidade não teria sido destruída se seus habitantes tivessem ouvido sua voz. O grande doutor da graça quis ensinar que a graça divina, após vários fracassos, se cala e se ausenta. Pode não mais retornar.”Timeo Jesum praetereuntem et non redeuntem”. (Tenho medo de que Jesus passe alguma vez e depois não retorne). Será que não foi o caso do Brasil? Durante décadas Cristo convidou os pais cristãos a enviarem seus filhos à Catequese (1ª Eucaristia, Crisma). Mas a imensa maioria não tomou conhecimento.  O que está acontecendo? Quem nada aprendeu sobre sua fé, nada conhece das riquezas da Igreja de Jesus Cristo, agora sucumbe às ciladas dos membros das seitas. Do dia para a noite abandonam sua fé. “Não existe outro evangelho, diferente daquele que vos anunciamos”  (Gal 1, 7 e 8) mostra S. Paulo.

***
Dom Aloísio Roque Oppermann

Arcebispo Administrador Apostólico de Uberaba/MG

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.