A Farsa de “O Código da Vinci”

O livro “O Código Da Vinci” é um bestseller (já vendeu 40 milhões de
exemplares), de autoria de Dan Brown, um romancista que não é historiador,
norte-americano, que foi professor de inglês da Philips Exeter Academy de New
Hampshire. O filme, com o mesmo nome, será lançado no mundo todo a partir de 19
de maio, por um milionário marketing; calcula-se que será visto por 800 milhões
de pessoas. O seu efeito será muito maior do que o livro.

A trama do romance, que é uma ficção histórica, pretende mostrar que “o
Cristianismo é uma falsidade e uma impostura”, uma invenção da Igreja Católica,
mantida a preço de crimes e guerras ao longo dos séculos.

Vários objetivos são nitidamente visados pela obra, que deseja questionar: a
veracidade histórica do Cristianismo, a verdadeira divindade de Jesus Cristo, a
confiabilidade histórica da Bíblia, a origem e o desenvolvimento da fé católica
e as reais atividades dos Apóstolos. Deseja-se mostrar que a cultura judaico-cristã
é fundada em uma mentira misógina (aversão a mulheres).

Pretende-se, na verdade, aproveitar o escândalo que o livro e o filme provocam
nas pessoas para fazer sucesso com um público carente de formação religiosa,
mas ao mesmo tempo ávido de fantasia e de suspense religioso. O autor emprega a
maliciosa tática de encher páginas e páginas com informações supostamente
verdadeiras, mas que na verdade não têm nenhuma base religiosa, artística,
histórica e cultural. Trata-se de uma ficção travestida de história.

A trama de Brown afirma que Jesus teria sido casado com Maria Madalena, com
quem teria tido uma filha; ambas teriam fugido para a França por causa da
perseguição dos Apóstolos, protegida porém por alguns defensores. Ali na França
geraram uma descendência que teria no século V se casado com pessoas de sangue
real francês dando origem à linhagem dos merovíngios, do qual surgiu o rei
Godofredo de Bulhões. Este rei, descendente de Jesus e Madalena, teria fundado
a sociedade secreta Irmandade do Priorado de Sião, para proteger a “verdade”
sobre Madalena e a sua descendência. Esta entidade transmite seu segredos em
códigos ocultos. Daí aparece a figura de Leonardo da Vinci (1452-1519), que
teria sido membro do Priorado de Sião, assim como o fisico Isaac Newton e
outros. As obras famosas de Da Vinci (Mona Lisa, Ultima Ceia, Homem vitruviano,
etc.) conteriam sinais e símbolos secretos do Priorado de Sião. Por exemplo, no
quadro da “Santa Ceia”, pintado durante três anos numa parede do Convento de
Santa Maria delle Grazie, em Milão, com nove metros de comprimento e quatro de
altura, a figura junto a Cristo não seria de São João, mas de Madalena. No
entanto, os peritos em arte afirmam que Leonardo quis retratar o momento no
qual Cristo anuncia haver um traidor entre os discípulos.

Jesus teria confiado a chefia da Igreja a Madalena, mas isto teria sido
silenciado pela Igreja e pelos Apóstolos ao longo dos séculos, usando para isto
crimes e guerras; algo que não tem fundamento histórico algum. O autor prefere confiar
mais no enredo do filme “A última tentação de Cristo” do que nos sérios relatos
históricos de vinte séculos de estudos bíblicos. Nem mesmo os evangelhos
gnósticos, usados pelo autor, evangelho de Felipe e evangelho de Maria
(Madalena) afirmam que Jesus era casado com Madalena e, muito menos, que teria
deixado a chefia da Igreja com ela.

A Igreja Católica é mostrada na obra como uma grande mentira histórica,
invenção do imperador Constantino (séc IV), que teria feito do Cristianismo uma
religião para todo o império, com o objetivo de unificá-lo, transformando Jesus
em Deus no Concilio de Nicéia, em 325, e substituindo o culto da deusa Vênus
por Cristo. O imperador Constantino teria fundido os ensinamentos cristãos com
as tradições pagãs, para que fossem mais facilmente aceitos pelo povo. Para que
tudo isso acontecesse o imperador teria mandado destruir todos os relatos
evangélicos e reescrevê-los, para demonstrar a divindade e Cristo. Cerca de
oitenta evangelhos teriam sido queimados. No entanto, nenhum registro dos
paleontólogos e da história confirmam isto. Assim, teria sido suprimida a
figura da “mulher de Jesus” nos quatro Evangelhos canônicos, e apresentada uma
nova imagem de Madalena como prostituta.

A partir daí a Igreja Católica teria recusado o aspecto feminino e sexual da
religião cristã. Há uma nítida tentativa do autor de jogar a mulher e o
feminismo contra a Igreja, mostrando-a inimiga da mulher. Nesta ficção
histórica o autor descreve a Igreja Católica, representada pelo Vaticano e pelo
Opus Dei, capaz de todo tipo de crimes, chegando a assassinar cinco milhões de
mulheres (bruxas) e hereges; o que é um absurdo histórico. Em oposição à
mentira e impostura do Cristianismo, o autor apresenta como verdadeira a
religião dos cultos pagãos anteriores ao Cristianismo, que adoravam a divindade
feminina e praticavam o sexo sagrado.

O Opus Dei é apresentado como uma sociedade secreta a serviço da Igreja e que
confronta o Priorado de Sião na busca do Santo Graal (sangue real), que seria o
túmulo de Maria Madalena, onde estariam outros documentos preciosos escritos
por Jesus e deixados para Madalena, escondidos sob as ruínas do templo de
Herodes. Quem tivesse posse desses documentos seriam poderosos. Os Cruzados
teriam tentado encontrar esses documentos mas não conseguiram porque foram
impedidos por um grupo de “nobres cavaleiros da verdade” chamados de Cavaleiros
Templários; que estavam a serviço do Priorado de Sião. Os Templários teriam
encontrado o Santo Graal e teriam negociado com o Vaticano enormes exigências.
Saiba que nesta época a Igreja não tinha a sua sede no Vaticano e sim no
Palácio do Latrão, doado pelo imperador Constantino. A residência do Papa no
Vaticano só foi construída muito mais tarde.

O livro é repleto de erros históricos. Os descendentes de Maria Madalena na
França teriam sido protegidos contra a Igreja pela Irmandade secreta chamada
Priorado de Sião, desde o século IV. No entanto, a primeira instituição com
este nome só surgiu no ano 1100; uma Ordem monástica católica (Mosteiro de
Nossa Senhora de Sião), em Jerusalém, que deixou de existir em 1617.

O livro quer levar a entender que é necessário a Igreja Católica reconhecer a
sua impostura e os seus crimes, voltando a adorar a divindade feminina, e assim
mudar a sua doutrina moral sobre a sexualidade, inclusive aceitando o
sacerdócio de mulheres e outras coisas.

Há muita invenção, maldade e perversão na obra. No entanto, os leitores mais
despreparados podem ficar com a idéia de que a Igreja Católica, e em particular
o Vaticano e o Opus Dei, é uma Instituição que não é digna de confiança.
Visa-se, portanto, desprestigiar a Igreja.

Se de um lado o livro e o filme de Brown atacam pesadamente a Igreja e o
Cristianismo, por outro lado abre as portas para uma evangelização junto àqueles
que gostarão de saber a verdade. Por isso é necessário estarmos preparados para
apresentar as devidas explicações históricas e religiosas. Deus, como sempre
faz, saberá tirar desse mal algum bem para a Igreja; ela é invencível, jamais
as portas do inferno a vencerão (cf. Mt 16, 18).

Fontes:

– A Igreja ante o Código Da Vinci, Documento do Episcopado mexicano (29mar06).
– O Opus Dei e o próximo filme “O Código da Vinci”, zenit.org 13jan06
– A Verdade por trás de “O Código da Vinci”, Richard Abanes, Ed. Rideel. SP,
2004
– Decodificando Da Vinci, Amy Welborn, Ed. Cultrix, SP
– O Pensamento Vivo de Da Vinci, Martin Claret Editores, 1986, SP
– O Código da Vinci, Dan Brown, Ed. Sextante, SP, 2005

 

A FARSA DE
“O CÓDIGO DA VINCI” II

por Prof. Felipe Aquino

Fontes usadas:

– O Código da Vinci, Dan Brown, Ed. Sextante, SP, 2005
– A Igreja ante o Código Da Vinci, Documento do Episcopado mexicano (29mar06).
– O Opus Dei e o próximo filme “O Código da Vinci”, zenit.org 13jan06
– A Verdade por trás de “O Código da Vinci”, Richard Abanes, Ed. Rideel. SP,
2004
– Decodificando Da Vinci, Amy Welborn, Ed. Cultrix, SP
– O Pensamento Vivo de Da Vinci, Martin Claret Editores, 1986, SP

INTRODUÇÃO

– “O Código Da Vinci” é um bestseller (já vendeu 40 milhões de exemplares), de
autoria de Dan Brown, um romancista que não é historiador, norte-americano, que
foi professor de inglês da Philips Exeter Academy de New Hampshire.

– O filme movido por um milionário marketing deve ser visto por 800 milhões de
pessoas. O seu efeito será muito maior do que o livro.

O QUE PRETENDE O AUTOR

1 – mostrar que “o Cristianismo é uma falsidade e uma impostura”, uma invenção
da Igreja Católica, mantida a preço de crimes e guerras ao longo dos séculos.
Criado por Constantino, e não por Jesus Cristo.

2 – Cristo não é Deus; foi feito Deus por Constantino no Concílio de Nicéia
(325)

3 – questionar a veracidade histórica do Cristianismo,

4 – a confiabilidade histórica da Bíblia. Constantino queimou 80 evangelhos e
reescreveu a Bíblia.

5 – a origem e o desenvolvimento da fé católica e as reais atividades dos
Apóstolos.

6 – a cultura judaica- cristã é fundada em uma mentira misógina (aversão a
mulheres).

7 – aproveitar o escândalo para fazer sucesso com um público carente de
formação

Nota: O autor emprega a maliciosa tática de encher páginas e páginas com
informações supostamente verdadeiras, mas que na verdade não têm nenhuma base
religiosa, artística, histórica e cultural. Trata-se de uma ficção travestida
de história.

A TRAMA DE BROWN

1 – Jesus teria sido casado com Maria Madalena, com quem teria tido uma filha;
ambas teriam fugido para a França perseguidas pelos Apóstolos.

2 – Jesus teria confiado a chefia da Igreja a Madalena, mas isto teria sido
silenciado pela Igreja e pelos Apóstolos ao longo dos séculos, usando para isto
crimes e guerras.

3 – Na França os descendentes de Jesus e Madalena, no século V, teriam se
casado com pessoas de sangue real francês dando origem à linhagem dos
merovíngios, da qual nasceu o rei Godofredo de Bulhões (1099).

4 – Este rei, descendente de Jesus e Madalena, teria fundado a sociedade
secreta “Irmandade do Priorado de Sião”, para proteger a “verdade” sobre
Madalena e a sua descendência. Teriam criado para isto os “Cavaleiros
Templários”.

5 – Esta entidade transmite seus segredos em códigos ocultos. Daí aparece a
figura de Leonardo da Vinci (1452-1519), que teria sido membro do Priorado de
Sião, assim como o fisico Isaac Newton, Victor Hugo e outros. As obras famosas
de Da Vinci (Mona Lisa, Ultima Ceia, Homem Vitruviano, etc.) conteriam sinais e
símbolos secretos do Priorado de Sião.

6- Há uma nítida tentativa do autor de jogar a mulher e o feminismo contra a
Igreja, mostrando-a inimiga da mulher. A Igreja Católica, representada pelo
Vaticano e pelo Opus Dei, (www.opusdei.org.br) teria assassinado cinco milhões
de mulheres (bruxas) e hereges. (um absurdo histórico)

7 – O Opus Dei é apresentado como uma sociedade secreta a serviço da Igreja e
que confronta o Priorado de Sião na busca do Santo Graal (sangue real).

8 – Os Cruzados teriam tentado encontrar esses documentos mas não conseguiram
porque foram impedidos pelos Cavaleiros Templários, que os encontraram.

MAIS ALGUNS ERROS DO LIVRO E DO FILME

1 – Nem os evangelhos gnósticos, usados pelo autor, evangelho de Felipe e
evangelho de Maria (Madalena) afirmam que Jesus era casado com Madalena e,
muito menos, que teria deixado a chefia da Igreja com ela.

2 – O Opus Dei só foi fundado em 1928 por S. Josemaria Escrivá de Balaguer e
nunca foi entidade secreta.

3 – A primeira instituição chamada Priorado de Sião só surgiu no ano 1100; uma
Ordem monástica católica (Mosteiro de Nossa Senhora de Sião), em Jerusalém, que
deixou de existir em 1617.

4 – Nenhuma literatura séria coloca Da Vinci como membro de seita secreta.por Prof. Felipe Aquino

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.