A Europa deve voltar aos valores cristãos e à dimensão espiritual, afirma o Papa

Papa conversa com Tsetska Tsacheva, esposa do presidente do Parlamento búlgaro

Cidade do Vaticano (Segunda-feira, 23-05-2010, Gaudium Press) Bento XVI voltou hoje ao tema do papel do Cristianismo na história da cultura e identidade europeias, e na verdadeira unidade das nações do continente, nos discursos que fez às delegações macedônia e búlgara recebidas no Vaticano. O encontro é anual, realizado por ocasião da memória litúrgica dos Santos Cirilo e Metódio, padroeiros da Europa e missionários bizantinos dos povos europeus eslavos.

O Papa lembrou que a Europa necessita do crescimento na dimensão espiritual. Bento XVI disse que para a construção da nova Europa, não bastam os interesses econômicos, mas “é necessário usar muito como alavanca os valores autênticos que têm o seu fundamento na lei moral universal, inscrita no coração de todo homem”.

“O testemunho e o ensinamento dos santos Cirilo e Metódio são ainda atuais seja para aqueles que estão a serviço do Evangelho, seja para aqueles que são chamados a governar a sorte das nações”. Os valores cristãos como no passado também hoje são os fundamentos para edificar a civilização e a sociedade em pacífica convivência; e para tornar todos os âmbitos uma dimensão da experiência verdadeiramente humana, continuou o pontífice.

“A Palavra de Deus chama continuamente à conversão do coração, para que toda decisão e toda escolha sejam purificadas dos interesses egoístas; e é justamente por esta conversão a Deus que é possível fazer nascer uma humanidade nova”, afirmou o Papa ao presidente da ex-República Iugoslava de Macedônia, Gjorge Ivanov, recebido com a delegação.

O discurso sobre a unidade e os valores cristãos na convivência dos países europeus foi dirigido também à delegação da Bulgária, recebida em seguida à macedônia. À esposa do presidente do Parlamento, Tsetska Tsacheva que liderou a delegação, Bento XVI disse que o Cristianismo é “um elemento central e qualificante” na complexa história da Europa, e também hoje tal patrimônio cristão deve ser valorizado.

“A fé cristã – continuou o Santo Padre – plasmou a cultura do Velho Continente e se entrelaçou de forma indissolúvel com a sua história, de forma que esta não seria compreensível se não se fizesse referência aos acontecimentos que caracterizaram antes o grande período da evangelização, e depois os longos séculos nos quais o Cristianismo assumiu um papel cada vez mais relevante”.

Hoje, a Europa como nunca precisa voltar aos valores cristãos, à dimensão espiritual. A unidade do continente que se exprime na União Europeia é uma “grande esperança”, mas por outro lado “os europeus estão chamados a empenhar-se para criar as condições de uma profunda coesão e de uma efetiva colaboração entre os povos”, concluiu.

 

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.