A difícil escolha de servir a Deus em Karachi

O testemunho de um jovem sacerdote paquistanês, coletado por Ajuda à Igreja que Sofre (AIS)

ROMA, (06/02/2012 – ZENIT.org). – “No Paquistão optar por dedicar a própria vida a Deus não é fácil.” Padre Ryan Joseph tem 27 anos e nasceu em Karachi. Em todo o país as violências anti-cristãs estão muito difundidas, mas nesta cidade do sul do Paquistão – que tem 18 milhões de habitantes – a situação é ainda mais perigosa, especialmente para um sacerdote. Vestir a batina significa correr sérios riscos e a possibilidade de ser injustamente acusado de blasfêmia é “para nós uma ameaça constante.”

Mas Pe. Ryan o quis desde a infância. Desde quando, na sexta-feira de manhã se levantava cedo para assistir à Missa e observar com admiração o seu pároco. “Sempre foi o meu sonho – escreve numa carta enviada nos dias passado à Ajuda a Igreja que Sofre – e se tivesse que acontecer algo comigo, tenho a certeza de que Deus me dará a força enfrentá-lo”.

O jovem sacerdote está ciente de que a sua escolha poderá lhe custar muito, até mesmo a vida, mas, ainda assim, está sereno. E estava sereno também em novembro, quando tinha encontrado alguns membros da Fundação pontifícia em visita na sua diocese, apenas umas semanas antes de que o arcebispo emérito de Karachi, monsenhor Evarist Pinto, o ordenasse sacerdote no dia 3 de dezembro. Naquela ocasião o diácono tinha declarado de tirar força e inspiração dos Padres da Igreja. “Para muitos, a perseguição e o martírio dos quais se fala nas Sagradas Escrituras pertencem a um passado muito remoto – tinha explicado – mas para nós sacerdotes paquistaneses faz parte do quotidiana”.

Na carta dirigida a AIS, padre Ryan fala sobre a importância do apoio dos fiéis – “muitos dos quais estão dispostos a dar suas vidas por nós” – e a imprescindível solidariedade entre irmãos. “Um sacerdote sozinho é impotente diante da violência – ele escreve – mas juntos podemos superar todas as dificuldades.”

Ao contrário da maioria dos cristãos paquistaneses, padre Joseph pertence a uma família de classe média e seus pais desejavam para ele uma carreira de engenheiro. Uma estrada que percorreu por um ano e meio, deixando o seminário para testar a própria fé. “Ganhei muito naquele tempo – diz à AIS – mas me sentia inútil e nada satisfeito.” Hoje está ansioso para se dedicar ao próximo, mesmo que ainda não saiba qual será a sua missão. “No seminário fomos suficientemente preparados para os aspectos espirituais da vocação – continua o padre – mas a verdadeira formação ocorre fora, ao lado de quem precisa.” A sua principal preocupação é a de proteger as jovens cristãs forçadas a se ligar com homens muçulmanos: “Muitas vezes eu já vi essas pobres meninas usadas e depois abandonadas.”

Ajuda à Igreja que Sofre apoia constantemente a formação dos sacerdotes no Seminário de Cristo Rei, em Karachi, onde estudam 46 jovens provenientes de diversas dioceses do Paquistão.

*

“Ajuda à Igreja que Sofre” (AIS), Fundação de direito pontifício, fundada em 1947 pelo Padre Werenfried van Straaten, destaca-se como a única organização que realiza projetos para apoiar a pastoral da Igreja onde ela é perseguida ou privada dos meios para cumprir a sua missão. Em 2010 levantou mais de 65 milhões de dólares nos 17 países onde está presente com Sedes Nacionais e realizou mais de 5.500 projetos em 153 países

***
Tradução Thácio Siqueira

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.