A devoção a Nossa Senhora Auxiliadora

Essa invocação Mariana tem raízes já no século XVI.

Diante do perecimento de diversas nações cristãs, o Papa Pio V tomou a decisão de organizar uma esquadra para resgatar os cristãos que estavam sob o jugo da escravidão muçulmana. E para isso, invocou o auxílio da Virgem Maria. E a vitória não tardou a chegar, no mesmo ano derrotaram os muçulmanos, e afastaram a perseguição do povo.. Em agradecimento a Nossa Senhora acrescentou a invocação, “auxiliadora dos cristãos” às ladainhas loretanas. Contudo, quem instituiu a festa de Nossa Senhora Auxiliadora foi o Papa Pio VII, em 1816.

Outro episódio importante aconteceu no século XIX. Napoleão I, dominado pela ganância de conquistar mais terras, estava empenhado em invadir os estados pontifícios; inclusive por esse motivo foi excomungado pelo Sumo Pontífice.

No entanto, para dar o “troco”, o imperador francês mandou sequestrar o Papa Pio VII, levando-o para a França, onde permaneceu preso por cinco anos, sofrendo toda espécie de humilhações. Ainda assim, apesar de todo sofrimento, o Papa não perdeu a fé, e recorreu à intercessão da Virgem Santíssima, prometendo coroar solenemente a imagem de Nossa Senhora de Savona logo que estivesse livre. E assim aconteceu. Com o fracasso, Napoleão acabou cedendo ao desejo do povo e libertou o Papa Pio VII. Este, voltou a Savona para cumprir sua promessa. Deste modo, instituiu a festa de Nossa Senhora Auxiliadora, fixando-a no dia de sua entrada triunfal em Roma, dia 24 de maio, como uma maneira de confirmar e perpetuar mais uma graça alcançada por meio da intercessão de Nossa Senhora.

Outro grande testemunho da intercessão de Nossa Senhora Auxiliadora dos Cristãos podemos encontrar na história de Dom Bosco.

Leia também: Nossa Senhora Auxiliadora

A história de um milagre pouco conhecido de Dom Bosco e Nossa Senhora Auxiliadora

Nossa Senhora Auxiliadora dos Cristãos

Novena a Nossa Senhora Auxiliadora

Dom Bosco adotou essa invocação para sua Congregação Salesiana, num período em que acontecia uma grande luta entre o poder civil e o eclesiástico. A fundação de sua família religiosa, que difunde pelo mundo o amor a Nossa Senhora Auxiliadora, deu-se sob o ministério do Conde Cavour, no auge dos ódios políticos e religiosos que culminaram na queda de Roma e destruição do poder temporal da Igreja.

Dom Bosco ensinou aos membros da família Salesiana a amarem Nossa Senhora, invocando-a com o título de AUXILIADORA. Pode-se afirmar que a invocação de Maria como título de Auxiliadora teve um impulso enorme com Dom Bosco.

São Leonardo (1676-1751), o santo da Via-Sacra e da Imaculada Conceição, falando das graças que recebeu da Santa Mãe de Deus dizia:

“Quando penso nas graças que tenho recebido de Deus pela intercessão de Maria Santíssima, comparo-me com uma dessas igrejas onde se venera qualquer imagem milagrosa e cujas paredes estão cobertas de ex-votos com as palavras: “Graça recebida de Maria”. Sim, tal é exatamente minha condição; não encontro nada em mim em que não possa escrever: “Graça recebida de Maria”. Os bons pensamentos que saem de meus lábios, a boa vontade que sinto, os piedosos sentimentos do coração que me animam: “São graças recebidas de Maria”. A força que possuo, o divino emprego que exerço, o hábito religioso que envergo: “São graças recebidas de Maria”. Lede na fronte, lede em meu coração, lede em minha alma; não vede vós lá escrito: “Graças recebidas de Maria Santíssima?”” (VtMM, p. 229)

E assim, Nossa Senhora continua “auxiliando” os cristãos desde toda a história da Igreja até os dias hoje, e isso o fará sempre.

Não deixemos nunca de clamar por sua intercessão.

Nossa Senhora Auxiliadora, rogai por nós!

nsauxliadora

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.