A cidade dos sete planetas

Por Polo Noel Atan

Em síntese: A “Ordem dos 49” apresenta-se como continuadora dos planos de Polo Noel Atan. Sete seres extra-terrestres terão doutrinado este escritor para que colabore com eles na instauração da paz e do amor sobre a Terra. Tendo visitado a “Cidade dos Sete Planetas” na Cordilheira dos Andes, maravilhoso acampamento de seres espaciais, Polo Atan foi solicitado por eles para difundir na Terra o anúncio de “uma Fraternidade Autêntica alicerçada na Grande Verdade de Unidade Mental e Espiritual”. O vidente Polo resolveu escrever suas experiências na Cidade dos Sete Planetas em livro do mesmo título, que vem a ser a razão de ser e a cartilha básica da “Ordem dos 49” (49, porque Polo viu 48 seres espaciais, aos quais ele se agrega como o 49º companheiro).

A “Ordem dos 49” ou a “Ação Mental Interplanetária” foi fundada em 22/10/1977, para dar continuidade às experiências de Polo Noel Atan (pseudônimo?), que diz ter estado em contato com seres extra-terrestres na Cidade dos Sete Planetas, situada na Cordilheira dos Andes.  Os seres espaciais disseram a Polo que vieram à Terra para ajudar a humanidade a deixar as guerras e o ódio para no futuro viver o amor, e pediram a Polo Noel Atan : “Ajude-nos a ajudar vocês!” Ora a Ordem dos 49 tem precisamente a finalidade de propagar as revelações e os planos dos extra-terrestres e arregimentar os homens para a colaboração. A designação “Ordem dos 49” se deve provavelmente ao texto de que Polo diz ter estado com 48 seres espaciais (homens interplanetários, conforme a p. 229 do seu livro); o 49º seria o próprio Polo. A Ordem declara não ter vínculos religiosos nem políticos; não proíbe as crenças religiosas de seus membros, não exige juramentos nem possui segredos. Aceita candidatos de qualquer raça, cor, religião, cultura ou conduta moral.

O livro básico da “Ordem dos 49” intitula-se “A Cidade dos Sete Planetas”.1  Narra o primeiro contato que Polo diz ter tido com os extra-terrestres, e propõe as idéias inspiradoras da Ordem. À guisa da informação, passamos a transmitir, nas páginas subsequentes, o conteúdo de tal escrito, ao que acrescentaremos breve comentário.

1. O conteúdo do livro

Polo Noel Atan diz que certa vez, tendo ido à Amazônia como turista, foi colhido por seres estranhos que o levaram à Cordilheira dos Andes, onde encontrou uma Cidade Maravilhosa, ou, melhor, o acampamento de seres interplanetários, oriundos de outros planetas e destinados a promover a paz e o amor sobre a Terra.

A princípio, Polo assustou-se grandemente, mas foi-se habituando ao respectivo ambiente, fez amizade com sete entidades (seres humanos), vindos cada qual de um planeta, que viviam a quarta dimensão e a realidade do “Homem Quaternário”. Falavam com a mente apenas, mas também podiam comunicar-se mediante palavras. Tal cidade teria sido fundada pelos “Grandes Sacerdotes Atlantes”, habitantes do pretenso continente “Atlântida”, hoje desaparecido 2.

Polo chegou a viajar num disco voador com um dos extra-terrestres; foi instruído por eles a respeito da colaboração que pode e deve prestar à instauração de nova era, em que se estabelecerá a humanidade: “Já estamos na era em que se estabelecerá a Fraternidade Autêntica sobre a face da Terra, alicerçada na Grande Verdade da Unidade Mental e Espiritual” (p.  VIII do livro respectivo). O homem deverá passar da terceira para a quarta dimensão e constituir o Reino Hominal, que ficará além dos Reinos mineral, vegetal e animal.

O autor refere-se à Fraternidade Branca, constituída por seres terrestres que habitam lugares recônditos da Terra e acolhem os seres visitantes extra-terrestres.

Finalmente, após instrutivo contato com os extra-terrestres, Polo foi despedido para que voltasse para junto dos seus familiares, com o seguinte programa:

“És um Cálice. O que existe dentro de ti, vai saciar os que estão sedentos. Vai…” (p. 236).

 De tal experiência procede a Ordem dos 49, como dito.

Pergunta-se agora:

 2.  Que dizer?

Como se percebe desta breve síntese, o livro é altamente fantasioso. Corresponde ao espontâneo anseio de todo homem, estimulados pela ingratidão dos nossos tempos, de encontrar uma solução para os problemas que atualmente afligem a humanidade: visto que os horizontes terrestres são sombrios, muitas pessoas apelam para intervenções retumbantes do além sobre a Terra; a promessa ou a pretensa narração de tais intervenções desperta nos contemporâneos a esperança já esmorecida pelos males presentes. Verifica-se, porém, que o relato de Polo Noel Atan é muito mais imaginoso e fantasista do que lógico e historicamente verossímil. A tal Cidade Maravilhosa é uma utopia, um sonho projetado sobre a Cordilheira dos Andes, sem que haja provas de sua existência nem possibilidade de averiguação da proposição.

A mentalidade do autor está impregnada de pensamento ocultista: Polo diz que conheceu o que ninguém mais conhece entre os mortais terrestres.  Além disto, usa terminologia confusa no tocante à Religião:

Fala de “Entidades Divinas vindas à Terra” (p. 10); fala do “Grande Arquiteto do Universo, Deus” (p. 244); fala do “Mestre dos Mestres Jesus Cristo” (p. 244); fala também de “Fagulha Divina, sede energética da força cósmica e quarto aspecto do homem” (p. 244); fala da “Mente Total, Deus” (p. 244)… Tais expressões têm sabor panteísta, ou seja, derivam-se da corrente de pensamento que identifica entre si a Divindade, o homem e o mundo. Quanto ao título “Grande Arquiteto do Universo”, sabe-se que é de origem maçônica.

Em suma, o livro não resiste ao exame da lógica serena e objetiva. É muito mais o fruto da fantasia e da emoção do que do raciocínio e das pesquisas científicas.  Poderá impressionar a quem esteja aberto ao maravilhoso desligado de senso crítico, mas não se impõe a quem lhe aplique um mínimo de exigências de sã razão.  Aliás, os assuntos ligados à Ufologia ou ao estudo de discos voadores (Unidentified Flying Objects) têm se prestado ao exercício da imaginação entre os adeptos do Espiritismo, para os quais os “desencarnados” habitam planetas distantes e se manifestam aos telúricos para ajudá-los.

1 Edição da Ordem dos 49, 2ª tiragem em 1986. A sede doa Ordem fica em Piracicaba (SP).

2 De acordo com os críticos mais abalizados, a Atlântida nunca existiu; ela se deriva de falsa interpretação de escritos de Platão.  Ver a propósito PR 256/1981, pp. 184-188.

REVISTA : “PERGUNTE E RESPONDEREMOS”
D. Estevão Bettencourt, osb
Nº 325 – Ano : 1989 – pág. 284

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.