5/4 – São Vicente Ferrer

“Beba a água do mestre Vicente”, diz-se na Espanha para se incutir o silêncio. É uma alusão ao conselho que o santo deu a uma mulher casada que lhe pedia orientação para ter harmonia com o marido muito briguento: “Quando ele chega do trabalho encha a boca de água e fique assim com a boca cheia por mais tempo que puder.” Evidentemente durante todo o tempo que estava com a boca cheia não podia responder aos insultos do marido. Essa anedota torna um tanto simpática a figura humana deste grande reformador dos costumes, que mereceu dos contemporâneos o apelido de anjo do Apocalipse, porque nas suas práticas costumava ameaçar flagelos e tributações. Vicente nasceu em Valência em 1350. Aos dezessete anos já havia terminado filosofia e teologia e foi logo incluído no corpo docente. Entrando no convento dos dominicanos de Valência, foi ordenado sacerdote em 1378, data que coincide com o grande cisma do Ocidente até 1417. A grave confusão dividiu os cristãos e duas obediências: a de Roma e de Avignon.

Era inevitável que também espíritos corretos, como Vicente Ferrer, se encontrassem do lado do papa ilegítimo. Fez tudo o que podia para restituir à Igreja a unidade. Percorreu quase toda a Europa, pregando com sua robusta voz, e um fato um tanto milagroso costumava acontecer em suas pregações: falava em sua língua materna e os fiéis de outras línguas o entendiam. Um grande arauto da mensagem cristã que, também na velhice, tinha tanto vigor na voz e pregava tão bem que as igrejas não continham as multidões. Por onde andava tinha de pregar em enormes praças. Em suas pregações fustigava os costumes, xingava, ameaçava. Recomposta a unidade da Igreja no concílio de Constância, Vicente viajou pela França na tentativa de pôr fim à guerra dos Cem anos. Morreu no dia 5 de março de 1419.

Outros Santos do mesmo dia: Santo Derfl Garden, Santa Etelburga de Lyminge, São Geraldo de Sauve- Majeure, São Alberto de Montecorvino, Santa Juliana de Monte Cornillon, Santa Catarina Thomas de Palma, Santa Maria Crescência Hoss e Santa Ferbrita.

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.