5 maneiras de curar um coração partido

coração-partidoO fim de um relacionamento é sempre muito doloroso, mas é possível pensar em formas de superar e encontrar novos sentidos na vida

Quando se está apaixonado parece que esse sentimento é tudo o que importa na vida e toda a realidade que se pode conceber gira em torno disso.

Nas palavras de Voltaire: “As paixões são os ventos que enfunam as velas dos barcos, elas fazem-nos naufragar, por vezes, mas sem elas, eles não poderiam singrar”.

namoroA paixão ilumina a vida e quando termina costuma deixar um gosto muito amargo e um forte aperto no coração.

Desde sempre a mágoa da ruptura tem inspirado os poetas, escritores e artistas em geral; pouca coisa é mais comum do que a dor de ter o coração partido.

Se você está passando por isso, aqui estão algumas ideias que podem facilitar a superação que você precisa:

1. Dê um tempo para você

É normal certo abatimento quando uma relação termina. Existe até fatores biológicos envolvidos, como a queda nos níveis de serotonina que, como explica a matéria é um hormônio que influencia significativamente o estado emocional das pessoas. Assim não se cobre tanto, não espere que você supere de um dia para o outro, mas também e principalmente, não alimente ideias derrotistas do tipo: “nunca vou conseguir me sentir melhor”. Tudo tem tempo certo, seja paciente com você mesmo.

Leia também: Possuir-se para dar-se

Solteiro ou casado, só o egoísta desperdiça a vida

As vantagens de estar solteiro(a): é bom aprender a estar sozinho(a)

Não é fácil começar nem terminar um namoro

Namoro, tempo de conhecer e escolher

Juventude, tempo de crescer

problemas_namoro

2. Mantenha suas atividades

Se você deixou sua vida social paralisada para viver apenas essa paixão é hora de retornar para suas atividades. Procurar os amigos e envolver-se com parte da sua vida que foi negligenciada é essencial agora. Força de vontade é fundamental na cura do coração partido, por isso, mesmo que não esteja com vontade, movimente-se e mantenha mente e corpo em bom funcionamento. Ajuda muito:

Socializar-se com amigos e familiares
Sair e fazer coisas que você gosta
Praticar exercícios

3. Evite as lembranças

No começo tudo vai fazer você pensar no amor perdido, isso é normal nesse período que muitos especialistas chamam de luto. Mas cultivar essas lembranças vai levar você para “o fundo do poço”, portanto procure não alimentar o que prenda você ao passado. Por algum tempo pode ser necessário evitar as coisas e até pessoas que estão associadas ao ex, mas depois é importante buscar dar a elas novos significados com o objetivo de não mais sofrer com essas associações.

4. Não dramatize

Não é porque você sente falta que efetivamente a presença dessa pessoa foi boa na sua vida. Não fantasie, afinal também acostumamos com o que não é bom, portanto, esse não é mais o momento de conjecturar sobre essas coisas. O fato é que quem você pensou que era o “amor de sua vida” pode ter sido apenas um desvio no caminho, um erro de percurso ou mesmo uma experiência que preparará você para o verdadeiro amor que acontecerá com outra pessoa.

Assista também: Meu namorado terminou comigo um relacionamento de muitos anos. O que eu faço agora?

5. Não generalize

jovem_levanta_teÉ comum as pessoas generalizarem diante de uma decepção, então surgem os pensamentos do tipo: “os homens são todos iguais” ou “mulheres são muito complicadas”. Quando você generaliza restringe as novas possibilidades e cria um tabu que dificultará a construção de novos relacionamentos. Lembre-se de que cada pessoa é um universo único e não é porque alguém decepcionou você que será assim com todas as pessoas.

O que chamamos de “coração partido” é apenas um estágio doloroso, mas transitório e, portanto, vai passar. Logo isso tudo fará parte apenas das lembranças e você estará pronto(a) para amar novamente.

Pense nisso e se anime!

Fonte: http://pt.aleteia.org/2015/12/22/5-maneiras-de-curar-um-coracao-partido/

Compartilhe!

    Sobre Prof. Felipe Aquino

    O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
    Adicionar a favoritos link permanente.